Lula diz que pacote anticrime de Moro tinha “apetite miliciano”

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que o pacote anticrime do ministro Sergio Moro tinha ares fascistas e “apetite miliciano”. Ele agradeceu, então, a decisão da Câmara dos Deputados de alterar o texto, rejeitando pontos como a excludente de ilicitude e a prisão em segunda instância. E classificou a aprovação desse novo pacote, elaborado pelos deputados, como uma “vitória parcial” da oposição no Congresso.

> Confira como cada deputado votou no pacote anticrime

“Foi uma vitória parcial no Congresso, quando a Câmara recusa o projeto fascista anticrime do ministro Moro, que tinha como objetivo condenar preto, jovem e pobre nesse país. Era quase que uma ordem para matar pessoas”, afirmou Lula em um vídeo publicado nesse domingo (9) no seu canal do YouTube.

O ex-presidente ainda falou que muita gente não compreendeu a importância dessa votação. Seguidores de Marcelo Freixo (Psol-RJ), por exemplo, criticaram a decisão do deputado de votar a favor do texto, mesmo depois de ele argumentar que o “pior do pacote” já não estava mais em pauta.

> Pacote anticrime ficou “menos pior”, mas ainda é retrocesso, avaliam especialistas

“Foi importante o comportamento dos setores de esquerda do Congresso, que votaram o projeto principal com mudanças e depois votaram emendas, não permitindo que o projeto fosse aprovado como Moro queria, porque o que Moro queria era que ele e a polícia pudessem tudo e o povo não pudesse nada. Portanto, quero parabenizar os partidos de esquerda que tiveram o comportamento de conquistar avanços importantes para diminuir o apetite miliciano dessa lei de combate ao crime”, falou Lula.

O ex-presidente disse ainda que “o Congresso e a sociedade estão, aos poucos, acordando e descobrindo qual é o objetivo do governo Bolsonaro”. E afirmou que o Congresso está tomando as atitudes que a sociedade espera deles.

Veja o vídeo:

> Dia de Combate à Corrupção tem homenagem a Moro na Câmara

> Aprovação de Moro supera a de Bolsonaro, diz Datafolha

Lulapacote anticrimeSérgio Moro