Excludente de ilicitude é perigoso e pode sair do controle, diz Maia

A Câmara pode decidir nesta terça-feira (24)  se a proposta do excludente de ilicitude, que faz parte do pacote anticrime proposto pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, irá avançar ou não. Para o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a proposta é perigosa e pode fazer com que os comandantes da Polícia Militar percam o controle de suas tropas e com isso, mais mortes como a da pequena Ágatha Félix continuem acontecendo.

> Moro e deputados defendem excludente de ilicitude no pacote anticrimes

"O excludente é perigoso", iniciou Maia em coletiva nesta terça-feira (24). "Você deve tomar um certo cuidado até para que os comandantes não percam o controle das suas tropas. E acho que as polícias têm que trabalhar muito mais integradas com o governo federal", afirmou o presidente da Câmara.

Para Maia, o caminho a ser adotado deveria ser o da prevenção e não o combate direto, como tem acontecido no Rio de Janeiro e que acabou por vitimar Ágatha, de 8 anos, além de outras quatro crianças, todas moradoras de comunidades carentes dominadas pelo tráfico de drogas. "Acho que nós temos que trabalhar muito mais na prevenção, com a inteligência, para que a troca de tiros seja no limite, para que não aconteça a perda de vítimas", afirmou. "A nossa prioridade nunca deve ser estimular a violência policial", disse o presidente, antagonizando o posicionamento do governador da capital carioca, Wilson Witzel (PSC), que tem adotado como medida de segurança pública a repressão policial.

> Witzel não aceita modificar PEC de leilão do pré-sal, diz Francischini

Diante das discussões que estão acontecendo nesta terça na comissão especial que debate o pacote anticrime, Maia afirmou que é do próprio colegiado que deve sair uma resposta sobre o tema. "Eu acho que a comissão tem quadros no campo ideológico da direita e da esquerda, pessoas que tem visões distintas, eles saberão construir um texto que seja menos amplo do que foi proposto no projeto do governo", disse.

O excludente de ilicitude é o item do projeto de Sergio Moro que abre brecha para os agentes de segurança não sejam punidos por excessos durante a atuação. Pelo texto,  o juiz poderá reduzir a pena pela metade ou não aplicá-la se o agente de segurança argumentar que este excesso decorreu “de escusável medo, surpresa ou violenta emoção".

Rodrigo Maia afirmou ainda que caso não se chegue numa proposta menos polêmica do que a apresentada pelo governo Bolsonaro, o ideal é que o excludente de ilicitude seja derrubado já na comissão. "Se não tiver uma construção que possa atender os policiais, mas que não coloque em risco a vida de brasileiros e brasileiras, principalmente de crianças, eu acho que se não tiver esse texto é melhor a gente não tratar desse tema", afirmou.

A proposta pode ser debatida ainda hoje, mas isso vai depender do horário de abertura dos trabalhos do Congresso Nacional, onde Câmara e Senado devem se reunir para decidir em conjunto, dentre outros pontos, a derrubada ou não dos vetos do presidente Jair Bolsonaro no Abuso de Autoridade.

> Divididos, Congresso analisa vetos do abuso de autoridade

> > Entre agora no Catarse para colaborar com o jornalismo independente

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!