Maia diz que mudou sua opinião sobre o SUS: “Eu tinha uma visão muito pró-mercado”

Ao participar de seminário virtual nesta quinta-feira (14) para discutir a retomada da economia no pós-pandemia, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu fortalecimento do tema da assistência social. “Eu tinha uma visão muito pró-mercado privado de saúde, mas a gente vê que o SUS [Sistema Único de Saúde] é importante”, admitiu ele.

Bolsonaro livra autoridade de responder por erros no combate à pandemia

“A gente gasta muito, mas a gente vê a vida inteira, ano entra e ano sai, críticas permanentes sobre a qualidade do atendimento na saúde, na educação”, disse ele defendendo a melhoria do gasto público.

A fala de Maia corroborou apontamentos debatedores e também da relatora da comissão externa de ações de combate ao coronavírus, Carmen Zanotto (Cidadania-SC), que disse que agora, mais do que nunca, o SUS precisa ser fortalecido e os investimentos em saúde, preservados.

Do Plenário da Câmara, Maia disse que o país ainda está longe do fim do isolamento social. Ele mencionou o déficit de testes para covid-19 e a ausência um mapa preciso da contaminação no país. Ele citou também a pressão de setores econômicos pela abertura, ressaltando que a defesa da vida deve ser preservada acima de tudo. “Não é possível que a gente estimule o fim do isolamento quando apenas a elite brasileira poderá ficar isolada”.

Reformas

Maia disse que, em face dos novos desafios econômicos, as reformas estruturais precisarão ter outro tamanho. Segundo ele, haverá necessidade de revisitar a questão previdenciária e a reforma administrativa não deverá tratar apenas dos novos funcionários públicos. Antes da pandemia, nas discussões prévias em torno dessa reforma, o presidente Jair Bolsonaro defendia que as mudanças passassem a valer apenas para os novos servidores.

Mais cedo, o o economista e ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga havia frisado a importância das reformas – administrativa e tributária – e até mesmo uma revisão da reforma da Previdência aprovada em 2019.

Maia e Alcolumbre não desistem de plano para reeleição no Congresso

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!