Em live, Bolsonaro provoca Renan e anuncia passeio no Dia das Mães

Em dia de oitiva da CPI da Covid com o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o presidente Jair Bolsonaro voltou a afirmar, em sua live semanal, sobre a possibilidade de baixar um decreto para acabar com as medidas de restrição e isolamento social no Brasil.

Durante a comissão no Senado, o ministro Queiroga foi questionado pelo senador Humberto Costa (PT-PE) se foi  chamado para “opinar” sobre o decreto, mas negou. “É uma demonstração de que, talvez, a sua autonomia seja uma coisa que esteja mais na sua cabeça do que na do presidente” rebateu o senador.

Ignorando as medidas de isolamento social no Distrito Federal e destoando da fala de Queiroga no Senado em que disse que “toda aglomeração deve ser dissuadida, independente de quem a faça”, Jair Bolsonaro marcou um passeio de moto no Dia das Mães e anunciou um encontro com produtores rurais em Brasília no dia próximo dia 15. “Quem  manda no Brasil é o povo brasileiro”, disse.

O presidente voltou a responsabilizar os governadores pela situação econômica do país. “Se você está com o seu comércio fechado, é culpa do seu governador! Se a sua geladeira está vazia cobra o seu governador ou prefeito ai”, disse.

Desconsiderando as reações adversas já anunciadas que a cloroquina pode causar, Jair Bolsonaro afirmou que “nunca viu ninguém morrer por tomar cloroquina”. “O povo toma cloroquina lá no Amazonas”, lembrou sem citar  que o remédio na região é usado para combater a malária.

No dia 23 de março, o jornal O Estado de S. Paulo divulgou que em São Paulo, pelo menos cinco pessoas foram para a fila de transplante de fígado pelo uso do remédio, três morreram.

Na CPI da Covid, Queiroga foi constantemente questionado sobre a sua autonomia no ministério e sobre as contraindicações da cloroquina, mas evitou dar declarações que divergiam do presidente.
Porém, o ministro chegou a dizer que publicaria no Diário Oficial da União (DOU) se a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) comprovasse que a cloroquina não é recomendada para o tratamento de covid-19. A Comissão tem até 180 para dar essa resposta a partir do início da gestão do ministro.

Renan Calheiros

Ainda durante a live, Bolsonaro fez alusão ao relator da CPI da Covid, Renan Calheiros (MDB-AL). "Frase não mata ninguém. O que mata é desvio de recurso público que seu estado desviou. Vamos investigar o teu filho que a gente resolve esse problema. Desvio mata. Frase não mata", disse o presidente.

O senador não demorou para responder às críticas de Bolsonaro. Ainda durante a oitiva de Queiroga, Calheiros pediu a palavra e disse que "o que mata é a pandemia. Pela inação, inépcia que eu torço que não seja dele – porque não queremos fulanizar isso aqui", disse.

"Com relação ao estado de Alagoas, que ele não gaste seu tempo ociosamente, como tem gasto seu tempo enquanto os brasileiros continuam morrendo. Aqui nesta Comissão Parlamentar de Inquérito, enquanto houver necessidade, todos, sem exceção, serão investigados."

A resposta incomodou membros da base governista na CPI. Para Marcos Rogério (DEM-RO), o presidente não é objeto da investigação. Já Eduardo Girão (Podemos-CE) se incomodou com a postura do relator."Sua parcialidade o Brasil todo está vendo. Suas declarações a jornais como O Globo, sobre quem é culpado, quem e o inocente, eu não concordo", disparou. "Torço para que o senhor seja tão firme assim quando estiver com governadores e prefeitos aqui".

> Queiroga retoma depoimento na CPI da Covid

Continuar lendo