Estudo britânico aponta redução de mortes por covid-19 com dexametasona

Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Oxford, no Reino Unido, demonstrou nesta terça-feira (16) que um corticosteroide, a dexametasona, é o primeiro medicamento que  reduz de forma comprovada e significativa a mortalidade de pacientes com covid-19 em estado grave.

O ensaio clínico foi realizado com 6 mil pacientes e ainda não foi publicado em uma revista científica. No entanto, de acordo com os resultados preliminares divulgados pelo The New York Times, o esteróide, dexametasona, reduziu as mortes em um terço nos pacientes que receberam ventilação e em um quinto nos pacientes que receberam apenas tratamento com oxigênio. Os cientistas afirmam não terem encontrado benefício com o medicamento em pacientes que não precisavam de suporte respiratório.

Matt Hancock, secretário de saúde do Reino Unido, afirmou que os médicos do Serviço Nacional de Saúde começarão a tratar pacientes com a droga nesta terça-feira. "A dexametasona é a primeira droga a demonstrar possibilidade de sobrevida em pacientes com covid-19", disse Peter Horby, professor de doenças infecciosas emergentes da Universidade de Oxford e um dos principais pesquisadores do estudo, em comunicado. "O benefício de sobrevivência é claro e grande naqueles pacientes que estão doentes o suficiente para exigir tratamento com oxigênio". Horby disse ainda que a dexametasona deve se tornar o "padrão de atendimento nesses pacientes", observando que o medicamento é barato.

O Hospital Sírio-Libanês, que coordena a Coalizão Covid Brasil, afirmou que o país já estuda o medicamento  para tratar pacientes graves com a doença desde abril. Por meio de nota, o hospital afirmou que "já recrutou pouco mais de dois terços dos 350 pacientes previstos no estudo. São contemplados pacientes que têm síndrome do desconforto respiratório agudo e estão em ventilação mecânica nas Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de 40 hospitais em todas as regiões do país. Os primeiros resultados devem sair em agosto".

A médica infectologista e assessora da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Eliana Bicudo, analisa que o estudo foi importante para estabelecer uma conduta uniforme e dar mais segurança nos procedimentos médicos diante da doença. "Esse estudo veio para colaborar e mostrar para gente que podemos usar e não vai ter malefícios porque enquanto você não faz estudos desses em uma doença tão nova e severa você não consegue ter certeza que aquilo que está fazendo está correto", comenta  a médica que também ressalta que o estudo ainda pode passar por revisões futuras.

> Insistência de Bolsonaro com cloroquina relembra episódio da pílula do câncer

Um informe assinado pela SBI e a Associação Médica Brasileira (AMB) divulgado hoje mostra que a conclusão prática do estudo internacional é que pacientes em estado grave da doença, que precisam da ventilação mecânica ou de oxigênio fora da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), devem ser tratados com o dexametasona por 10 dias. A médica observa que o medicamento já era utilizado por um período menor e que esse novo período de medicação deve ser monitorado. "A gente tem usado muito menos, de cinco a sete dias. Vamos usar por dez dias e vamos ver como os nossos pacientes vão ficar. Então os estudos daqui para a frente de vida real vão ajudar muito."

A infectologista também alerta que o uso da dexametasona deve ser feito com acompanhamento, principalmente em pacientes diabéticos, já que o corticoide pode provocar o aumento da glicose. "Corticoide tem efeitos colaterais, como aumentar a glicose, então em pacientes diabéticos você sabe que vai ter que monitorar melhor a glicose desse paciente. Ele também dá quadros de euforia e pode dar manchas vermelhas pelo corpo", adverte a especialista.

A médica explica que a ação da cloroquina, que é um antiviral, é diferente do dexametasona, que é um corticoide com função anti-inflamatória. "A proposta da cloroquina era de inibir a multiplicação do vírus porque se o vírus não multiplicar, com certeza, vai diminuir sua agressão. A função do corticoide é só diminuir a reação inflamatória que o vírus causa ao se multiplicar. Por isso que a gente usava no paciente grave porque o pulmão do paciente, que precisa da ventilação mecânica, é muito inflamado e o corticoide desinflama rapidamente", esclarece a infectologista.

Assim como ocorreu com a cloroquina, as buscas pelo novo medicamento no Google dispararam durante toda esta terça-feira (16). A indicação das autoridades médicas é que a população não busque pela droga nas farmácias, uma vez  que a administração do remédio é para pacientes em estado grave.

> As últimas notícias da pandemia de covid-19

Veja a íntegra do documento publicado pela SBI

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!