Em reaproximação com Caiado, Bolsonaro provoca novas aglomerações e é criticado

O presidente Jair Bolsonaro voltou a desrespeitar as orientações do Ministério da Saúde e provocou aglomerações públicas pelo terceiro dia seguido. Neste sábado (11), o chefe do Executivo foi conhecer o hospital de campanha que começou a ser construído em Águas Lindas (GO) na última terça-feira (7). Na visita, apoiadores do presidente se aglomeraram do lado de fora da obra e o presidente foi até eles e, segundo relatos da Folha de S. Paulo, tirou a máscara para falar com a população.

Jair Bolsonaro estava acompanhado de algumas autoridades e convidados, como o governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, mas nenhum dos dois foi até as aglomerações. Tanto Mandetta como Caiado têm divergido do presidente e defendido medidas de distanciamento social mais severas.

A visita deste sábado foi o primeiro encontro entre Bolsonaro e Caiado após o governador romper com Bolsonaro depois de o presidente defender em cadeia nacional de rádio e televisão a retomada da normalidade, com a abertura de escolas e do comércio. A relação entre os dois pareceu menos desgastada nesta manhã, conforme vídeo divulgado pelo próprio governador em suas redes sociais.

> Cadastre-se e acesse de graça o melhor conteúdo político premium do país   

O ministro da Saúde, que não foi até as aglomerações, condenou a atitude do presidente. "​Posso recomendar, não posso viver a vida das pessoas. Pessoas que fazem uma atitude dessas hoje daqui a pouco vão ser as mesmas que vão estar lamentando", afirmou, conforme registrou a reportagem da Folha. Os repórteres questionaram se a regra de isolamento valia também para o presidente, Mandetta afirmou que vale para "todos os brasileiros".

O governador Caiado também criticou a atitude de Bolsonaro. "Ele que deverá explicar esta situação. Esta posição não foi a minha. Ele é o presidente e eu sou o governador. A minha posição foi a que vocês acompanharam. Esta é a posição que manteremos até o dia 19", disse Caiado, ao se referir ao isolamento social no Estado de Goiás. "Eu sigo a parte da ciência e sigo também as regras do Ministério da Saúde", complementou.

A imprensa e o governador Caiado foram hostilizados pelos manifestantes.

O presidente já havia provocado aglomerações na sexta (10), quando mais uma vez ignorou o isolamento social, cumprimentou apoiadores e passeou por Brasília. Ele também foi alvo de protestos, com panelaço e vaias. O mesmo aconteceu na quinta (9), quando o presidente resolveu ir em uma panificadora em Brasília. Veja os vídeos.

> Mesmo após 555 casos de covid-19, governador do DF afrouxa isolamento

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!