Documento detalha distribuição de cloroquina a estados

Em documento enviado à CPI da Covid, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, confirmou que o Exército Brasileiro recebeu um pedido do Ministério da Saúde para aumentar a demanda de hidroxicloroquina. O objetivo era atender a recomendação da pasta para o “uso da cloroquina como terapia adjuvante no tratamento de formas graves da Covid”.

O ofício assinado no dia 11 deste mês também detalha o valor recebido para a operação. “De 2 e 20 de abril de 2020, respectivamente, de R$ 450.000,000 e 1.000.000,00, ambas da Ação Orçamentária 21C0”, apresenta o documento.

Além disso, a Defesa informa que a distribuição às secretarias municipais e estaduais de Saúde foram determinadas pelo Ministério da Saúde. De acordo com o documento, o Governo Federal distribuiu o medicamento sem eficácia comprovada para o tratamento de covid-19 entre os meses de abril e outubro do ano passado. 

Repasse aos Estados 

O documento revela que Estados receberam até 40 mil caixas do medicamento. Os principais destinatários foram as regiões do Norte, Nordeste e Sudeste.

O Nordeste, por exemplo, contabilizou a entrega de cerca de 215 mil comprimidos de hidroxicloroquina nos meses de abril, julho e agosto. Apenas o Ceará recebeu 49% da droga.

Ao estado do Amazonas, que sofreu com o colapso de saúde em janeiro deste ano, foi destinado 50 mil comprimidos.

Confira o ofício:

Droga na CPI

O medicamento sem comprovação científica é uma das principais pautas abordadas na Comissão Parlamentar de Inquérito no Senado. A droga faz parte do tratamento precoce 'Kit Cloroquina', junto com a azitromicina e ivermectina. O uso do kit é incentivado pelo presidente Jair Bolsonaro, mesmo sem eficácia comprovada contra o novo coronavírus.

A comissão foi instaurada para apurar ações e omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia e fiscalizar a distribuição de verba para estados e municípios.

> Bolsonaro perde apoio da cúpula militar ao insistir na demissão do comandante do Exército

> Witzel se retira da CPI, mas promete reunião sigilosa com senadores membros

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

JUNTE-SE A NÓS

 

Continuar lendo