Deputados homenageiam Paulo Gustavo com um minuto de aplausos

Parlamentares interromperam os trabalhos às 20h desta quarta-feira (5) para fazer um minuto de aplausos em homenagem ao ator Paulo Gustavo, vítima da covid-19. A homenagem também se estendeu às vítimas de um ataque a uma creche em Santa Catarina na tarde de ontem.

A lembrança se uniu a um movimento iniciado nas redes sociais. Fãs se organizaram para homenagear o ator que morreu ontem, após mais de 50 dias internado no Rio de Janeiro. Durante os aplausos, deputados gritaram "viva Paulo Gustavo".

"Todos os brasileiros estão consternados com a passagem de Paulo Gustavo, que é da minha cidade, de Niterói. Niterói  declarou luto de três dias", disse a deputada Soraya Santos (Pl-RJ). A parlamentar disse ainda que os aplausos eram para celebrar a vida e o legado cultural do ator. "Basta de perder pessoas para essa pandemia", disse.

O deputado Bohn Gass (PT-RS) lembrou em plenário sobre a CPI da Covid e disse que em apenas dois dias de CPI da Covid foi possível entender que o presidente Jair Bolsonaro "cometeu crimes" e continua "agredindo e interrompendo governadores", apontou."Essa casa tem a tarefa de fazer o afastamento e interdição deste governo pelos enormes crimes que foram cometidos", disse.

General Girão (PSL-RN) afirmou que não é possível atribuir as perdas ao presidente da República. Ele afirma que há má-gestão dos governadores. “É lamentável ouvir repetidos discursos de pessoas que querem atribuir as perdas humanas, que lamentamos muito, ao Presidente da República.”

Rafafá (PSDB-PB) mandou condolências à família de Paulo Gustavo e de todos os familiares de vítimas da covid-19. “Eu defendo que haja mais vacina no nosso País para que as pessoas não morram mais”, defendeu.

Ontem, pelas redes sociais, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), manifestou solidariedade aos familiares e amigos do ator em nome da Casa.

Dados do Ministério da Saúde desta quarta-feira mostram que o Brasil teve 2.811 mortes nas últimas 24 horas. O total de vítimas da covid-19 no país é de 414.399.

> Teich diz que deixou ministério por pressão para uso de cloroquina

Continuar lendo