Coronavírus cresce no Twitter e base pró-Bolsonaro perde metade do espaço

A escalada da crise de saúde gerada pelo covid-19 fez crescer a quantidade de menções ao tema no Twitter, com um total de 12,7 milhões de tuítes no país desde quinta (12).

Por sua vez, a base pró-Bolsonaro perdeu metade do espaço na rede. O eixo de apoio ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que antes dos protestos reunia 12% das interações, caiu para 6,5% de participação. Um destaque do relatório, entretanto, é que, apesar de isolada neste momento, a base bolsonarista mantém alta capacidade de disseminação de conteúdo, especialmente a partir de vídeos em seus próprios canais.

Augusto Heleno está com covid-19

Segundo análises da Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV/DAPP), desde o fim da última semana, expandiu-se nas redes sociais o debate sobre cuidados de higiene pessoal e a defesa de medidas econômicas de proteção a populações vulneráveis. Também cresceram os elogios a iniciativas do Ministério da Saúde e de autoridades estaduais e de posturas emergenciais para o fechamento de espaços públicos, estabelecimentos comerciais e postos de trabalho.

No Youtube e no WhatsApp, segue o compartilhamento de teorias da conspiração relacionadas ao novo coronavírus. Apesar do pouco impacto de vídeos apócrifos e que rejeitam a gravidade do coronavírus nas redes sociais brasileiras, entre grupos de debate político no WhatsApp (e também pelo engajamento de parlamentares pró-governo) continuam a circular publicações que divulgam notícias falsas sobre curas, mortalidade e o alcance (e emergência) do problema.

Outro ponto é que conteúdos de redes sociais e sites de mídia alternativa alinhada ao governo dominaram o debate sobre coronavírus no WhatsApp, sobrepondo-se às notícias veiculadas por sites da imprensa tradicional.

Governo e Congresso discutem suspensão de contrato de trabalho durante pandemia

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!