Conselho de Medicina alerta que ozonioterapia não tem reconhecimento científico

O Conselho Federal de Medicina (CFM) emitiu uma nota (leia a íntegra) em que reforça que a ozonioterapia não é aprovada cientificamente como eficaz para o tratamento de pacientes com covid-19 e demais doenças. "O Conselho Federal de Medicina (CFM) esclarece que a ozonioterapia não tem reconhecimento científico para o tratamento de casos de covid-19 e de qualquer outra doença", diz trecho da nota assinada pelo conselho nesta quinta-feira (6).

O órgão reforça que trata-se de procedimento "ainda em caráter experimental, cuja aplicação clínica não está liberada, devendo ocorrer apenas no ambiente de estudos científicos, conforme critérios definidos pelo Sistema CEP/CONEP".

O Conselho diz ainda que profissionais da saúde que prescrevem a ozonioterapia podem sofrer denúncias e punições, conforme às normas éticas determinadas. "O CFM e Conselhos Regionais de Medicina (CRMs), que atuam na disciplina, regulação e fiscalização do exercício da profissão, informam que os médicos que não obedecerem às normas éticas estabelecidas estão sujeitos à denúncias e averiguação de suas condutas no que se refere à prescrição da ozonioterapia", completa o CFM em nota.

> Ala do MP quer abastecer SUS de cloroquina, droga descartada pela OMS

Nesta semana, a ozonioterapia foi anunciada pelo prefeito de Itajaí (SC), Volnei Morastoni, como um possível tratamento para a covid-19, e que deve ser implantado pela prefeitura. "É uma aplicação simples, rápida, de dois ou três minutinhos por dia, provavelmente vai ser uma aplicação via retal que é uma aplicação tranquilíssima, rapidíssima de dois minutos, tá? Com cateter fininho e isso dá um resultado excelente", afirmou o prefeito que também é graduado em Medicina pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Na terça-feira (4), o Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) recomendou que o prefeito do município "se abstenha de disponibilizar, no âmbito do Município de Itajaí, a prática de ozonioterapia como forma de tratamento medicamentoso em eventuais diagnósticos de covid-19".

Confira na íntegra aqui.

No documento, o ministério afirma ainda que o fornecimento do tratamento pode causar "sensação de falsa segurança ou imunidade na população" e pode "ocasionar grave risco à saúde pública e à ordem social".

> Governo libera R$ 1,9 bilhão para produção de vacina contra covid-19

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!