Covid-19: comissão mista ouve Pazuello sobre testes próximos a vencer

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, participou nesta quarta-feira (2) de uma reunião da comissão mista de enfrentamento à covid-19 do Congresso. O chefe da pasta foi convidado a explicar a denúncia de que o Brasil corre o risco de perder, por data de validade, 6,86 milhões de testes para diagnóstico do novo coronavírus, os chamados RT-PCR.

Pazuello defendeu que a testagem no Brasil está sendo feita de forma adequada e que a não distribuição do material de testagem estocado em Guarulhos ocorreu por motivos de queda na demanda dos estados na fase de desaceleração das infecções. O ministro disse que a pasta tem capacidade de atender o que for necessário aos estados.

Por ter um compromisso no Planalto, o ministro deixou a reunião mais cedo e a equipe da pasta seguiu com as explicações sobre o planejamento logístico de distribuição dos testes. Para o grupo, assim como afirmou Pazuello, as demandas dos estados foram atendidas, e quanto aos insumos estocados, apontaram que foi solicitado um estudo de extensão do prazo de validade e o pedido foi encaminhado à Anvisa.

O senador Esperidião Amin (PP-SC) questionou se de fato houve um atendimento das demandas dos estados e municípios. Ele citou que muitos governos locais adquiriram testes por preços maiores que os comprados pelo Governo Federal.

O deputado da oposição Reginaldo Lopes (PT-MG) criticou o negacionismo do presidente Jair Bolsonaro e acusou o governo de má gestão dos recursos encaminhados para o enfrentamento da pandemia. A equipe do ministério rebateu as críticas afirmando que o planejamento do governo tem sido pautado pelo "respeito à ciência, com planejamento e compromisso com o país".

Pazuello tem sido retratado por parlamentares da oposição e por técnicos e gestores da área de saúde como um ministro subserviente ao presidente. Além de tornar política oficial contra a covid-19 o uso da cloroquina, contrariando insistentes manifestações em contrário da OMS, o ministro aceitou alterar a metodologia na divulgação de dados, outro fato rechaçado pelo Supremo

Vacinação

O ministro afirmou nesta quarta-feira (2) que o Brasil vai receber 15 milhões de doses da vacina do laboratório AstraZeneca, produzida em parceria com a Universidade de Oxford, até fevereiro de 2021.

Pazuello destacou que será importada tecnologia para que o país tenha capacidade de produzir as vacinas de forma autônoma já no segundo semestre de 2021. Segundo o plano apresentado pelo ministro, o Brasil terá até o fim do ano que vem mais de 200 milhões de doses entre as compradas pelo governo e produzidas internamente.

 

> Governo Bolsonaro quer mais cloroquina para enfrentar segunda onda

> Veja a situação da pandemia em cada município brasileiro

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!