Cloroquina não tem efeito contra covid-19, aponta maior estudo brasileiro

Pesquisadores da Coalizão Covid-19 Brasil fizeram uma pesquisa com o uso de hidroxicloroquina em 667 pacientes com quadros leves e moderados da covid-19, para testar a eficácia do medicamento no combate ao coronavírus. A pesquisa apontou para a ineficácia do medicamento no tratamento da covid-19.

Os pesquisadores são médicos dos hospitais Israelita Albert Einstein, Hco, Sírio-Libanês, Moinhos de Vento, Alemão Oswaldo Cruz, BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terabia Intensiva (BRICNet).

Por meio de sorteio, 217 pacientes receberam hidroxicloroquina, azitromicina e suporte clínico padrão; 221 receberam  hidroxicloroquina mais suporte clínico e 277 receberam apenas suporte clínico padrão.

O uso da hidroxicloroquina aconteceu durante sete dias com doses de 400 mg a cada 12 horas, enquanto  a azitromicina foi aplicada com doses de 500 mg a cada 24 horas, por sete dias.

O resultado foi computado 15 dias após a conclusão do tratamento. O resultado foi que 69% dos pacientes que receberam hidroxicloroquina, azitromicina e tiveram acesso ao suporte clínico padrão, foram para casa sem limitações respiratórias. 64% dos pacientes que ingeriram apenas hidroxicloroquina e tiveram suporte médico, estavam em casa sem limitações e 68% dos pacientes que não receberam nenhum medicamento, foram para casa após 15 dias sem problemas para respirar.

A conclusão dos estudos, portanto, é que a hidroxicloroquina não promove melhora na evolução clínica dos pacientes.

Embora o medicamento não tenha aumentado o número de óbitos, ficou comprovado que ele aumenta o risco de arritmias, apresentando alterações em exames de eletrocardiograma. O medicamento também aumenta a quantidade de enzimas no sangue.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!