2.286 mortes: no dia mais letal, covid matou uma pessoa a cada 37 segundos

O Brasil quebrou, pela terceira vez, o recorde de mortes diárias pela pandemia de covid-19. Segundo dados do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e do Ministério da Saúde divulgados no início da noite desta quarta-feira (10), 2.286 pessoas morreram pela doença nas últimas 24h. Com isso, o número de mortos pela o pandemia chegou a 270.656 mil.

O número representa uma morte a cada 37,7 segundos no país. As 2.286 mortes registradas nas últimas 24 horas superam os 2.173 mortos registrados entre os dias 17 de março de 2020 (data da primeira morte registrada no Brasil) e 17 de abril do ano passado.

A pandemia matou, no dia de hoje, mais pessoas que todos os acidentes aéreos registrados no Brasil nos últimos 60 anos. Informações do site Aviation Safety Network apontam que 3.427 pessoas morreram em acidentes aéreos no Brasil desde 1919 – os mortos em acidentes aéreos no país representam apenas 1,2% dos mortos pela covid-19.

Nas últimas 24 horas foram confirmados 79.876 novos casos da doença, o que pressiona a média de casos. Desde o início da crise sanitária, o país já registrou mais de 11,2 milhões de diagnósticos de covid-19.

Com um abrandamento da pandemia nos Estados Unidos – fruto de, entre outros fatores, avanço da campanha de vacinação – o Brasil deve se manter, pelo segundo dia seguido, como o país com o maior número de mortos diários pela pandemia.

Este é o terceiro recorde de número de mortes batido em uma semana – nesta terça (9), o país registrou 1.972 mortes, segundo dados do próprio Conass e do Ministério da Saúde. Com um alto índice de ocupação de UTIs no país, e um número crescente de pacientes aguardando vagas nestes leitos, a previsão é de novos e infelizes marcas sendo batidas nos próximos dias.


> Após discurso de Lula, Flávio defende vacina e Bolsonaro tratamento ineficaz
> Com aumento de casos, SP quer ampliar restrições e implementar fase roxa

Continuar lendo