Governo poderia ter usado ferramentas estatais para organizar vacinação

Renata Vilela*

O governo federal poderia ter utilizado a Dataprev e o Serpro para organizar a ordem de prioridades da fila de vacinação contra o covid-19 e agilizar a imunização da população. É o que afirma funcionário da Dataprev. 

“Utilizando dados do Sistema Nacional de Informações de Registro Civil, onde são assentados os falecimentos, e usando o Código Brasileiro de Ocupação, nós teríamos condições de identificar quais categorias de trabalhadores são mais suscetíveis à covid-19. Não restam dúvidas de que os profissionais de saúde da linha de frente são prioritários. No entanto, para priorizar as demais categorias, poderiam ser considerados estes dados”, afirma o especialista.

O profissional afirma que as ferramentas também poderiam identificar as regiões com  taxas de infecção e de mortalidade mais críticas, utilizando os endereços dos cidadão. Esse tipo de conhecimento poderia ser utilizado em uma política de rastreio, que poderia mitigar a contaminação da doença e ajudar no combate à pandemia. 

No mesmo sentido, esses dados poderiam orientar ainda a distribuição das vacinas, a definição de grupos prioritários e de regiões onde ações do Estado são mais urgentes. As políticas públicas desenvolvidas pelo Sistema Nacional de Imunização poderiam ser ainda mais eficientes com a Dataprev e o Serpro auxiliando o DataSUS. 

Critérios técnicos evitariam as “carteiradas”

A utilização de critérios técnicos transparentes poderia evitar as famosas “carteiradas”, quando cidadãos usam os cargos que ocupam para furara a fila da vacinação. Conforme afirma o profissional, “quanto mais bagunçado o cenário das vacinações, maiores as chances de privilegiar pessoas indevidamente”.

Por isso, segundo o técnico, a utilização de empresas públicas que possuem bancos de dados com informações de todos os brasileiros poderia garantir uma eficiência maior às políticas públicas e um resultado menos trágico para a população.

“A prioridade deveria ser a defesa de critérios técnicos e fundamentados para orientar o Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde'', conclui o especialista.

*Renata Vilela, especial para a campanha Salve Seus Dados

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br.

> Leia mais textos da campanha

Continuar lendo