Apagão: desestatização da Dataprev e do Serpro pode ser caminho sem volta

Renata Vilela e Paulo de Tarso Gregorio Pereira*

A onda de desestatizações promovida pelo governo federal pode deixar o Brasil à mercê de apagões. Mas engana-se quem acredita que estamos falando apenas de eletricidade. O apagão de dados pode se tornar uma realidade como a que afetou o estado do Amapá em novembro de 2020. 

O apagão registrado no estado envolveu uma empresa privada que não fez a manutenção correta e, acordada com o governo, em equipamentos de backup para o fornecimento de energia elétrica. Assim, uma fatalidade - a queda de um raio - no equipamento principal de distribuição de energia, acabou deixando mais de 800 mil habitantes do estado na escuridão.

Vale ressaltar que a crise que assolou o estado por quase um mês só foi corrigida depois que a Eletrobras, por meio de sua subsidiária Eletronorte, interveio na manutenção dos equipamentos.

Transpondo essa situação para a área da tecnologia da informação pode-se ter uma breve noção dos prejuízos a que todos os brasileiros estariam expostos. Com a desestatização da Dataprev e do Serpro, os dados pessoais de toda a população estariam em risco. Mas não só eles, dados de empresas e até dados do Estado. 

Como vimos no Amapá, a prioridade das empresas privadas não é o bem estar da população, e sim a maximização de seus lucros. Com a desestatização da Dataprev e do Serpro, quem poderia solucionar um apagão de tecnologia da informação no Brasil?

O fato não seria inédito. Em 1999, a Datamec - empresa pública de tecnologia da informação ligada ao antigo Ministério do Trabalho - foi privatizada. A partir de 2003, a Unisys - empresa que comprou a Datamec - passou a ameaçar o governo com a paralisação de serviços essenciais ao Brasil. Após idas e vindas na Justiça, a estatal foi extinta e quem passou a prestar o serviço foi a Dataprev. 

Isso traz à tona a questão: o que teria acontecido, tanto no Amapá, quanto no caso da Datamec, se não houvesse uma empresa estatal forte para recuperar as perdas e manter os serviços essenciais?

É preciso aprender com os erros passados para governar com responsabilidade. Principalmente quando vivemos no mundo uma onda de reestatização de serviços públicos. 

Não é um exercício de futurologia pensar no que ocorreria se uma empresa privada resolvesse não processar a aposentadoria de dezenas de milhões de brasileiros por querer aumentar o preço do seu serviço. Ou então, que uma empresa privada possa apagar dados de seu concorrente para atrapalhar seu próprio negócio. Basta recorrer ao passado e ao presente para observar o risco que o País, e a população, correm com a desestatização da Dataprev e do Serpro.  

 

*Renata Vilela, jornalista, escreve especialmente para a Campanha Salve Seus Dados; Paulo de Tarso Gregorio Pereira é analista de sistemas na Dataprev , cientista da Computação pela UECE com MBA em Gerência de Projetos pela FGV.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br.

> Leia mais textos da campanha Salve Seus Dados

Continuar lendo