Congresso em Foco

Revogação da PEC do teto dos gastos será mote de campanha presidencial

12.11.2016 08:15 18
Atualizado em 13.11.2016 10:59

Reportagem
Publicidade

18 respostas para “Revogação da PEC do teto dos gastos será mote de campanha presidencial”

  1. Paulo disse:

    Mesmo hoje, quando a PEC dos gastos nem está em vigor, o comércio e a indústria estão reajustando seus preços nas alturas. Imagina então quando entrar em vigor e quando as regras impostas pelo governo tornarem mais claras. Muitos redutos do legislativo, tanto estaduais como municipais estão em conluio e até reajustaram seus salários para garantir um teto mínimo para uma eventual incerteza no futuro.
    Ou seja a PEC nem começou a vigorar e já está se desfazendo em água. A razão é muito simples, ou seja, enquanto os larápios continuarem no poder é como moscas que voam, mas pousam sempre no mesmo lugar.
    Se as regras da PEC foram idealizadas por pessoas suspeitas, quem pagará a conta nunca serão eles, mas o povo. Quase todos os Estados da Federação estão quebrados, não só o Rio de Janeiro que fez uma demonstração de como seria essa PEC caso entrar em vigor.
    É claro que o governo não pode gastar mais do que arrecada, mas na situação em estamos, seria muito tarde mexer no bolso da população que já perderam suas casas, seus planos de saúde, engrossando assustadoramente a população de mendigos e moradores de ruas enquanto os governantes continuam com cara de paisagem como se não tivessem nenhuma culpa pelo que está acontecendo no país, e paralelamente com as investigações do Lava Jato prestes a ser abortado pelos projetos destes mesmos algozes da atuar calamidade.
    A situação atual do país é insustentável, com altas taxas de criminalidade, mortes , doenças, assaltos, situação carcerária incontrolável.
    Já que é para sacrificar alguém, que sacrifique primeiro os causadores dessa tragédia, adotando medidas de exceção, com a extinção total dos atuais partidos políticos, e de todos os atuais componentes em todos os níveis, federais, estaduais e municipais.

  2. O ELEFANTE NA SALA disse:

    Mais um desserviço dessa triste iniciativa. que segue impávida na onda da doxa que a situação nos impõe como verdade incontestável. Vai pavimentar o caminho para muito oportunismo em 2018, e vai dar um trunfo enorme para candidatos atilados e ambíguos como Ciro Gomes – já que até lá o PSDB vai soçobrar junto com o resto da situação.

  3. Carneiro disse:

    Temer e todos aqueles que empreenderam nesse governo não terá qualquer chance para 2018.

    Assim os sucessores apoiados por Temer: Serra, Aécio ou Alckmin precisará muito da ajuda da Globo e de dossiês contra seus adversários!

  4. Walldemar Sobrinho disse:

    O que o autor deste texto diz é que a parte que nada produz da sociedade deverá ficar satisfeita e para isso votará naquele que prometer a volta ao descontrole financeiro (se gastar mais do que se ganha), assim, quem produz terá que trabalhar cada dia mais para bancar a festa. Hoje, a sociedade produtiva já destina quase 6 meses por ano de sua vida para alimentar um Estado-teta, burocrático, incompetente e que aumenta a cada ano. A PEC 55 é o caminho anti-comunista porque em pouco tempo, todos teremos que trabalhar apenas para pagar o Estado-teta.

    • Carneiro disse:

      -Um dos problemas do Brasil está na tributação, ilógica que tributa menos comida de gato em detrimento de comida humana, por exemplo.

      -Além do que a carga tributária incide sobre o consumo penalizando os trabalhadores e a classe média, ao invés de tributar as grandes fortunas, as grandes heranças, os rentistas que levam dinheiro de juros sem produzir nada.

      -Isso advém da substituição do Brasil agrícola que tributava sobre os produtos importado para o Brasil industrial sem querer prejudicar o capital que precisa investir nas fábricas tributou sobre o consumo, desde então essa tem sido a “logica” do país.

      -Resolver o complexo e burocrático sistema tributário é importante para garantir serviços públicos e assistência social que é DEVER constitucional do Estado.

      -Porque senão acaba por jogar a classe média contra o pobres como se um fosse inimigo do outro e não é dessa forma que se construirá um país de classe média.

      P.S: Sugiro como leitura, ainda que para questioná-lo, os livros de Piketty Capital no Século XXI e a Economia da Desigualdade.

      • Walldemar Sobrinho disse:

        Muita justificativa para dizer o óbvio: o Estado brasileiro é enorme e um consumidor voraz de dinheiro, o que faz com que todos os que trabalham se tornem escravos dele. Matemos o Estado ou morreremos para que ele viva.

        • Carneiro disse:

          Nada disso, quero disser que há necessidade de investimentos sociais, mas é preciso corrigir certas incoerencias.
          Quanto a PEC nada a fará ser um instrumento de redução de carga tributária e crescimento econômico.
          É tão somente um corte de gastos em um país carente de tantos serviços que a iniciativa privada não tem interesse!

          • Walldemar Sobrinho disse:

            Investimentos sociais é o mesmo que manter o status quo de espoliar o trabalhador através de uma pesada carga tributária para sustentar o esquerdismo (vagabundização da sociedade, alta taxas de criminalidade e muita corrupção). A iniciativa privada tem interesse em todos os tipos de serviço, mas o Estado é inimigo do empreendedor e faz de tudo para aniquilá-lo. O resultado está aí fora. Basta olhar na janela.

          • Carneiro disse:

            A iniciativa privada tem interesse pelas favelas?

            Por postos de saúde, por escolas em áreas rurais?

            Por saneamento básico?

            A iniciativa privada espera pelo investimento do governo para depois explorá-la!

            Por exemplo, porque as empresas privadas por livre iniciativa não cobrem o território nacional para transportar soja, minérios etc? Porque é preferível o Estado construir primeiro, assumir o risco para só então adentrar no empreendimento!

            Quanto a investimento sociais é dever da Constituição o Estado prover, não é comunismo, ou lulismo ou outras maluquices que a direita inventa!

          • Walldemar Sobrinho disse:

            Favelas são chiqueiros que deveriam ser extintos, mas também são fortalezas para criminosos e um reduto de votos fáceis, então, é interesse do Estado que elas continuem existindo. Saúde e educação são direitos universais e o Estado deve sempre provê-los quando necessário. Mas tudo isso é barato pra manter. Não é isso que inviabiliza o Brasil. É melhor deixar o governo investir primeiro porque se você fizer isso, depois, ele muda a regra do jogo e extingüe sua empresa. É sempre assim. O Estado é contra as empresas e empresários, então ele que se vire.

          • Carneiro disse:

            Ficou confuso!
            Agora o Estado deve sempre prover!?
            E como o setor privado vai contribuir para eliminar as questões sociais citadas?
            Então, recomenda que o Estado atue ativamente?
            Isso não fere o livre-mercado e a mão-invisível que o autorregula?
            Não entendi?

          • Walldemar Sobrinho disse:

            Não tem confusão nenhuma. Ninguém precisa passar fome, ser esquerdista (jumento) o resto da vida ou morrer de gripe porque não existem programas de suporte alimentar, escolas básicas e hospitais. Nada disso é conflitante com a iniciativa privada e o mercado, ainda é barato pra manter. O Bolsa Esmola (sim, é uma esmola, valor baixíssimo) custa ridículos R$ 30 bi. Agora, quanto custa um juiz ? Quanto custa um auditor da Receita Federal ? Enfim, quanto custa o Estado que nada produz ?

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Num país decente sequer existe favela, postos de saúde são de excelente qualidade, nas escolas o ensino é de alta qualidade, saneamento básico 100℅ de cobertura pois os impostos arrecadados são aplicados com o máximo de qualidade e eficiência, tributos oriundos da iniciativa privada em plena atividade e o dinheiro circulando em todos os segmentos na economia.

          • Carneiro disse:

            Hum, está vendo que há sim um papel para o Estado!

            A anarquia do mercado não resolve todos os problemas?

            Eu não sou contra o mercado, mas deve saber o papel de cada agente na sociedade, seus potenciais e suas limitações, o que cabe tanto ao Estado, ao mercado e a nós mesmos.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Perfeito seu comentário!

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      Faço minhas tuas palavras é exatamente isso, mais uma cusparada na cara dos contribuintes!.

    • Eduardo Serra disse:

      pra vc quem ganha menos de 2000 reais simplesmente “nada produz”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via