Congresso em Foco

O “e” da questão

02.09.2014 08:44 4

Reportagem Em

4 respostas para “O “e” da questão”

  1. Leonardo Koppes disse:

    TODAS as leis desse país são construídas dessa forma. Interpretações vagas, dúbias ou omissões faz com que juízes tenham que dar liberdade a bandidos de alta periculosidade ou impedir que a justiça haja de forma efetiva. Tem juízes que não estão nem aí. Outro se indignam. A população nem tem ideia do que se faz nas casas legislativas Brasil afora.

  2. …”data máxima vênia” a interpretação do Egrégio Tribunal Superior Eleitoral está diametralmente equivocada e em contradição com o objetivo da lei…Com certeza o texto da lei foi mal redigido e não contempla a real intenção do legislador…o “e” no texto legal tem o real significado de “e/ou” …O ato de improbidade administrativa, por si, já é tipificado como crime contra a Administração Pública, ao passo que a “lesão ao erário público” e o “enriquecimento ilícito” são circunstâncias agravantes resultantes da prática do crime de improbidade administrativa. Sendo assim, não há porque se cogitar que a “Lei da Ficha Limpa” exige, concomitantemente, as duas condições: “lesão ao erário” e “enriquecimento ilícito”. A LEI Nº 8.429, DE 2 DE JUNHO DE 1992, no seu Art. 9°, seção I, define os Atos de Improbidade Administrativa que Importam Enriquecimento Ilícito; na Seção II – o Art. 10 define os Atos de Improbidade Administrativa que Causam Prejuízo ao Erário; na Seção III – Dos Atos de Improbidade Administrativa que Atentam Contra os Princípios da Administração Pública, o Art. 11, assim prescreve: “Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade, imparcialidade, legalidade, e lealdade às instituições”. Com relação à aplicação das penas, vejam o que diz o Art. 12 da referida Lei: Independentemente das sanções penais, civis e administrativas previstas na legislação específica, está o responsável pelo ato de improbidade sujeito às seguintes cominações, que podem ser aplicadas isolada ou cumulativamente, de acordo com a gravidade do fato: (Redação dada pela Lei nº 12.120, de 2009).

    I – na hipótese do art. 9°, perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ressarcimento integral do dano, quando houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos, pagamento de multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de dez anos;

    II – na hipótese do art. 10, ressarcimento integral do dano, perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio, se concorrer esta circunstância, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de cinco anos;

    III – na hipótese do art. 11, ressarcimento integral do dano, se houver, perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos.

    Parágrafo único. Na fixação das penas previstas nesta lei o juiz levará em conta a extensão do dano causado, assim como o proveito patrimonial obtido pelo agente.

    “… portanto, na condenação por ato doloso ou culposo de improbidade administrativa não é necessário que o crime implique, concomitantemente, lesão ao erário e enriquecimento ilícito” – conforme entendimento equivocado proferido pelo TRE no Recurso Especial n.º 27.838″. Domingos Vicente Malhone é o Assessor Jurídico da SAVIVER – Sociedade Amigos do Bairro Cidade Vista Verde – São José dos Campos/SP.

  3. Hilton Fraboni disse:

    Quem distorce as leis para beneficiar bandidos é cúmplice e deve ser enquadrado na mesma lei.
    Quais são os mecanismos legais para “monitorar” as decisões judiciais? Os magistrados são senhores da verdade e a interpretam sob suas conveniências de interesses?
    Quaisquer idiotas sabem que a redação da lei intercala várias tipificações na sua intenção e que elas não estão associadas pela cumulação, mas pela familiaridade.
    Triste ver um país refém de tantas más intenções e interesses alheios a vontade da nação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via