Congresso em Foco

AGU, de Grace Mendonça, garante que as verbas extras não são salários

Ministra da AGU e 36 servidores têm supersalários

09.10.2017 07:51 6

Reportagem

6 respostas para “Ministra da AGU e 36 servidores têm supersalários”

  1. Adir Valéria Bandeira Saab Vit disse:

    E depois o governo quer impor uma Reforma da Previdência ou reforma ” enxuta ” , como estão a dizer agora , onde o cidadão terá que trabalhar por muito mais anos e recolher mais contribuições, para , no final da vida , receber uma aposentadoria reduzida , pois o País está em “déficit” e também é preciso ” corrigir desigualdades” . E o que dizer dos políticos , que ficarão de fora da reforma ? Somos todos contra qualquer reforma ou modificação no sistema de aposentadoria . Queremos o direito constitucionalmente garantido à uma aposentadoria digna , após o período de 30 / 35 anos trabalhados e devidamente contribuídos para com a Previdência Social ;

  2. O ELEFANTE NA SALA disse:

    Qualquer governo que não cuidar de debelar o flagelo da remuneração de agentes públicos vai sucumbir fragorosamente. Esse nicho até agora ingovernável não se limita aos chamados supersalários, que aliás não são comuns no Executivo nem no Legislativo, ou pelo menos não eram até a concessão desse infame ‘honorário de sucumbência”. O caos salarial é mais oneroso aos cofres públicos, e mais desmoralizante, em decorrência de milhares de remunerações incompatíveis com o que se paga no mercado, principalmente servidores menos qualificados (mas poderosos em seu feudo) que conseguem romper a hierarquia e o mérito e recebem remunerações equivalentes ou até maiores do que servidores bem mais qualificados de outros setores. Um advogado da União tem salário inicial maior do que o de um diplomata experiente, sem contar a “sucumbência”. Um oficial de chancelaria ganha bem menos do que um funcionário de nível médio do Congresso Nacional. Não há como exigir um mínimo de lealdade. Se democracia é isso, que se dane a democracia. Isso não vai acabar bem.

  3. Valdir disse:

    Honorário de Sucumbência, na realidade, é apenas um “golpe” que a classe dos “operadores do direito” deram no pobre cidadão.
    Esse valor pertencia ao cidadão que ganhasse uma ação, mas os “operadores do direito” entraram com pedido junto ao judiciário e passou a ir para os advogados.

  4. Compadre Inocêncio disse:

    Advocacia-Geral da União..eis o pomposo, sumptuoso nome da instituição. Verbas extras não são salários. Parcela autônoma de equivalência (PAE) paga à Magistratura também não é salário, auxilio moradia (magistratura) não é salário, auxilio alimentação (magistratura) da mesma forma não é salário e, portanto, não incide imposto tampouco desconto previdenciário. Salário é R$ 937,00. Este sim, considerado nacionalmente como salário com todas as incidências legais.

  5. Hideraldo Hito disse:

    Se não sai dos cofres da União, sai de onde???
    Expliquem, vagabundos.

  6. Pacificattore disse:

    A vigarice no Brasil é institucionalizada.
    As “autoridades” são probas de fachada e, no fundo, só se preocupam em manter seus privilégios.
    E o resto?
    Que se PHoda, com p e h maiúsculos mesmo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via