Congresso em Foco

Na semana passada, agentes ocuparam Ministério da Justiça em protesto contra a reforma

Governo aceita incluir agentes penitenciários nas aposentadorias especiais

08.05.2017 16:15 153

Reportagem
Publicidade

153 respostas para “Governo aceita incluir agentes penitenciários nas aposentadorias especiais”

  1. juju disse:

    Foi uma tremenda sacanagem tirarem os agentes da reforma. E o pior foi incluir a polícia legislativa, que injustiça. Foi bom mesmo eles terem invadido aquele antro de corrupção, deveriam ter levado soro antiofídico, só tem cobra venenosa lá…

  2. Mariana Lopes disse:

    Os militares são responsáveis por 30% do déficit da previdência. O covarde do Temer e sua gangue não mexem com a aposentadoria dos militares e acaba com a dos civis? Isto é justo??. Ah, mas a justiça brasileira é cúmplice desse calote no povo brasileiro

  3. Mariana Lopes disse:

    enquanto isso o servidor publico federal fica sem regra de transição. Até os deputados tem sua regra. Vergonha. Isto é inconstitucional, mas se depender do nosso judiciário…

  4. Ange Biniou disse:

    Pois é! O desconto para a aposentadoria será mais um imposto para o governo! Vc é obrigado a descontar e vai morrer antes de aproveitar!

  5. MARK DURAN JR. disse:

    E os vigilantes não tem o mesmo direito ?? Porque não ??

  6. Silvia Leticia Souza disse:

    Primeiramente, os agentes só invadiram porque haviam incluído já e logo depois retiraram. E acho que vão fazer a mesma coisa novamente, dizem que incluíram pra não haver tumulto e depois dizem que vão excluir pois não se rendem a pressão. Infelizmente quem vai ser mais prejudicado, são os trabalhadores das empresas privadas. Não esqueçam que depois de aprovado na Câmara e no Senado, a proposta vai a Referendo. E se a maioria votar contra, a proposta é anulada. Será que o povo brasileiro vai votar a favor?

  7. Xavier Iva disse:

    Pq os vigilantes não foram inclusos ?na mesma regras ????
    Qual é a Diferença de trabalho ??ou o sindicato e Fraco ?

  8. Carlos santos disse:

    Vamos para Brasilia confirmar esta “noticia” basta de enganação !

  9. Agostinho Neto disse:

    País onde bandido chega até parecer bom quando comparado a políticos e militares ,policial , guarda penitenciário, etc..

  10. sandro lima disse:

    Ow como faço para que minha profissão seja incluída nesse bolode “aposentadorias especiais”?
    Só falo uma coisa:
    Que se fodam, vou ver esquema para virar PJ, não vou ficar pagando teto do INSS +27,5% de IR a vida toda pra ser fodido lá na frente…
    Viro PJ, pago o mínimo no inss, contrato um seguro de morte/invalidez, e o restante colocarei num “fundo de investimento” para quando tiver meus 65 anos, tenha uma quirela a mais pra queimar…

  11. Ines Ferreira disse:

    Estou tentando falar com os responsáveis por essa informação para confirmação da matéria mas não obtenho resposta. Alguém pode dizer quem disse que os servidores penitenciários serão incluídos? A matéria é da Agência Brasil, no entanto tem uma matéria na página da agência que diz justamente ao contrário.

  12. Ines Ferreira disse:

    Não vejo confirmação dessa informação. Qual a fonte? Acho que essa matéria é mentirosa…

  13. paulo alves disse:

    Não precisa de reforma, é só bloquear todas as aposentadorias de servidor público acima de R$ 5000 .

  14. paulo alves disse:

    E a Polícia legislativa, os caras não fazem nada o dia inteiro, ganham muito bem e vão se aposentar aos 55, palhaçada. Aliás essa Polícia legislativa é cabide de emprego.

  15. Helder Stasiak disse:

    No grito ninguém deveria ganhar ou levar NADA… Mas se até a tal “polícia legislativa” tem esse direito – aposentadoria especial. Mais que merecido estender tb ais agentes prisionais…

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      Tudo erro de conceito. Regime Previdenciário é fundamental que seja ÚNICO para todos. Pau que bate em Chico também bate em Francisco. Chega de discriminações trabalhistas tanto na iniciativa privada quanto no serviço público. Nada mais justo e economicamente viável!.

  16. Anderson Lucas Lucas disse:

    Aos poucos que estão criticando, eu desafio a qualquer um que trabalha na iniciativa privada, de qualquer área passar apenas 24hs no sistema prisional brasileiro, e ver o que é trabalhar nessa profissão.

    • Eduardo disse:

      Se é tão ruim assim por que vc ainda está nesta? Foi condenado a isto? Está algemado à profissão? E não são poucos que criticam, pode ter certeza, é que poucos escrevem aqui. Com esta atitude o que vcs conseguem é mais desrespeito pelos profissionais que atuam nesta atividade, de fato complicada, mas em momento nenhum obrigatória a ninguém. E lembre-se de que faxineiros, lixeiros, garis são profissões da iniciativa privada. Então….tente 24 horas numa destas funções……

      • Anderson Lucas Lucas disse:

        Primeiro gosto do que eu faço, e estou no sistema prisional ainda é porque tem culhão coisa que acredito que você não tenha…

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      Cai fora dai o cara, ninguém é obrigado a ficar onde o serviço é ruim, basta ser competente e vir para a iniciativa privada ou monte seu próprio negócio.

  17. Esdras Santos disse:

    Cada um briga apenas pelo seu próprio umbigo e pela sua própria categoria, e o resto que se f# (incluindo seus familiares), a verdade é essa amigos. “se o cavalo soubesse a força que tem, homem nenhum lhe colocaria arreios”. Brasileiro é calça frouxa demais, o povo paraguaio sim, tem meu respeito. Quero ver um presidente paraguaio ou argentino ter c#lhões pra fazer o que esse patife está fazendo nessa republiqueta de bananas chamada Brasil.

  18. Paula Monteiro disse:

    O engraçado é que falavam que a Dilma era intransigente, radical, não sabia dialogar, não cedia e não negociava (o que não deixa de ser verdade). Agora, o que o Sr. Temer está fazendo? A postura que está adotando? … Ah: entendi! O problema não é não ser intransigente, radical, não saber dialogar, ceder ou negociar, mas sim, com quem se radicaliza, com quem se é intransigente, a quem se cede e principalmente, com quem não se negocia.

  19. Murilo Araujo disse:

    E mais uma vez todo o peso da reforma vai cair nas costas do trabalhador da iniciativa privada, lamentável!!!

    • Paula Monteiro disse:

      Você está bem desinformado em relação a reforma previdenciária. Leia o texto completo e analise com isenção

      • Juvencio Amorim disse:

        Como funcionária da agência de publicidade contratada pelo Michel Temer para defender as reformas nas redes sociais, sua argumentação foi muito fraca, Paula.

        • Paula Monteiro disse:

          E você como vidente e comediante não tem a menor credibilidade. Estude interpretação de texto para tentar compreender o que eu falei. Nem perceber que eu estou contra a reforma vc foi capaz…Canalize sua energia e agressividade para se informar e para lutar contra estas reformas que estão sendo impostas: assim, vai fazer algo útil para o seu país. (se é que isto o interessa)

          • Juvencio Amorim disse:

            tá bravinha? tire as calcinhas e pise em cima… Trabalha na agência do Temer e quer defendê-lo. Coisinha tosca.

          • Juvencio Amorim disse:

            E aí? Acordou? Tá feliz com as reformas do seu Bandido Favorito? Cabecinha de Ostrogilda!!!!

      • Edson Duarrte disse:

        Eu leria essa proposta de reforma com bons olhos, desde que ela incluísse a anulação de aposentadorias imorais como aquelas recebidas por Temer, FHC, deputados, senadores, governadores, prefeitos, vereadores e por aí vai. Como é que alguém pode falar em “isenção”, se o único que não está “isento” de paulada e arrocho é o trabalhador?

        • Paula Monteiro disse:

          Conhecimento a respeito do que se está em debate é o mínimo para se formular um conceito, para argumentar e para saber sobre o que se está falando. Se vc não leu, ou não tem interesse em ler, está comentando sobre o que? Sobre a interpretação que deram? Sobre parte do que ouviu? Procure o significado da palavra isenção para tentar compreender o que vc está dizendo. Sou contra a reforma, não acredito neste deficit, que até agora não foi compravado, pelo contrário, o que está sendo provado é que a previdÊncia é superavitária. Leio, pesquiso, analiso e me interesso. Procure compreender o que eu disse, pois, vc, pelo que parece, não entendeu: todos vão ser atingidos pela reforma injusta: tanto trabalhadores da iniciativa privada, como do serviço público.

          • Edson Duarrte disse:

            A senhora não compreendeu o que eu disse. Está disposta a uma radicalização a qual eu aceitaria discutir, não fosse a grosseria com que foi produzido seu discurso. Essa reforma, a propósito, é rejeitada por mais de 70% da população muito por causa dessa grosseria com que seus defensores tentam manipular, senão destruir qualquer tipo de debate.

          • Paula Monteiro disse:

            Quem continua não compreendendo é o senhor, que, inclusive, plagia minha afirmação. Está disposto a radicalizar e “ganhar no grito”, pois, primeiro, insere-se em um comentário que não foi dirigido ao senhor, mas a uma resposta dada a outra pessoa que, nitidamente, desconhecia o teor da reforma. Todo o trabalhador está sendo prejudicado, e o servidor público em grande escala (e não só o empregado da iniciativa privada, como foi erroneamente afirmado). O senhor, quando a resposta lhe foi dirigida, prefere atacar a pessoa ao argumento. No seu conceito, pedir “isenção”, conhecimento e transparência é grosseria, mas ironizar e agredir, não é. A reforma é rejeitada por mais de 70% da população que, felizmente, está procurando e se propondo a questionar, estudar, refletir, analisar e informar-se sobre ela (coisas que, ao seu ver, é “grosseria”) e, este índice, para qualquer governo democrático, sério e compromissado, seria motivo para uma revisão.

          • Edson Duarrte disse:

            Nao sabia que para participar da discussão era necessário pedir permissão à senhora. Meu propósito foi somente externar a minha indignação, que se reflete em mais de 70% da população, em relação a aposentadorias imorais. Fora isso, eu sou até um cara normal rs não estou obcecado pelas minhas palavras, mensagens ou convicções. Mesmo sabendo que o ranço machista me facultaria, sou educado. A grosseria acaba com qualquer razão. E é marca indelevel. Boa sorte, senhora.

          • Edson Duarrte disse:

            Eu vou me explicar de uma forma mais simples: o que eu disse sobre não ler com bons olhos essa proposta diz respeito a aposentadorias imorais. O trabalhador comum até aceita fazer sacrifícios, desde que o sacrifício seja imposto (dividido com) a todos. Por isso, é condição à discussão dessa ou de qualquer outra proposta a anulação de aposentadorias imorais. Mais não digo (sinceramente, não achava que seria necessário rs) porque temo nova deselegância. Como disse, a grosseria acaba com qualquer razão. E encerra toda discussão.

          • Paula Monteiro disse:

            O senhor insiste na estratégia frágil, e que por si só já desqualifica o debate, de preferir atacar a pessoa ao argumento, como fez desde o seu primeiro comentário. Privilegiar e focar um debate na ironia, na agressão, no deboche, na provocação, na prepotência e na ofensa, em detrimento à exposição de ideias, fatos e argumentos, é a pior forma de grosseria que pode ser demonstrada. Não sugeri que ninguém pedisse permissão a quem quer que seja, (como está evidente a qualquer homem médio), nas postagens que eu fiz (basta ler devagar, com calma e sem parcimônia). O que considero essencial, é conhecimento, isenção, argumentação, coerência e informação. Foi isto que expus no meu comentário e o senhor se incomodou (ou até se ofendeu), especialmente, com o fato de eu ter ressaltado a necessidade de isenção, ao ponto de se insurgir de forma irônica. Atitudes, comportamentos, o teor, o tom e o contexto do que se comenta são o que irão refletir e demonstrar a isenção, a obsessão, a educação das pessoas. Em relação à rejeição da reforma, como eu expressamente disse e tenho me posicionado, pertenço aos mais de 70% que estão contra esta reforma. Esta rejeição é contra a proposta como um todo, que irá afetar a todos os brasileiros. Quanto às aposentadorias imorais, elas, com as leis vigentes, não existem mais, a não ser, a meu ver, para a classe dos políticos; classe que, mesmo com a proposta, manterá seus privilégios, não sendo atingidos nem pela idade mínima. As regras de aposentadoria do serviço público já mudaram, desde 2003, e, a partir de 2013, os servidores estão limitados ao teto, como qualquer trabalhador. Com a evolução do diálogo, algumas características vão se evidenciando por si só: se o senhor, em pleno Século XXI, da era cristã (apenas), crê que o “ranço machista” seria uma justificativa para permitir algo a si ou a alguém, e que não usá-lo é uma faculdade, fica mais claro entender o porquê de considerar grosseria uma mulher se inserir em um debate, usando argumentos, informação, ideias e o porquê da forma agressiva de insurgência. Também revela o porquê de achar que usar um pronome de tratamento é uma forma de ofender. Se o senhor acha desnecessário e desprezível o exercício da isenção para a análise de propostas e formação do seu pensar, não a utilize e continue pautando seus conceitos e opiniões sem ela. Na meu modo de ver, isenção é essencial, e só através dela é possível atingir a equidade. Se o senhor não concorda, direito seu, não tenho a menor pretensão de que o senhor reflita, ou passe a analisar de forma isenta ou de qualquer outra forma, baseado em uma análise: isto é escolha exclusivamente sua

          • Edson Duarrte disse:

            Nao tem jeito. A senhora anda em circulos. E parece que vai ser sssim pra sempre. E o pior: a cada novo comentario, mais grosseria. Marca indelevel, como disse.

          • Paula Monteiro disse:

            Pois é, para o nível da sua capacidade de compreensão pode ser que o senhor não tenha entendido mesmo, principalmente quando o texto é mais extenso e aborda vários temas (o que, para mim, não é surpresa: já esperava por isto). O senhor prefere se acovardar, atacar e fugir. O senhor deve realmente interpretar como grosseira uma mulher discordar e apresentar argumentos, ideias, fatos, palavras que são desconhecidas do seu vocabulário. O texto expressa bem quem está sendo grosseiro, agressivo e repetitivo.Aliás, a sua marca registrada é a falta de isenção, como o senhor mesmo fez questão de afirmar com orgulho, desde seu primeiro comentário. Mas, esperar o que de uma pessoa que acha que usar determinado pronome de tratamento é forma de provocação. Continue tentando ganhar no grito. Por atitudes como esta é que o Brasil está da forma como está.

          • Edson Duarrte disse:

            No final do seculo XIX pulularam aqui e ali, obcecada e ameaçadoramente, discursos puristas. Desaguaram forte na primeira metade do seculo XX. Tautologia e repetiçao pra calar todos. E muita grosseria. Mas, pela graça, isso passou e a humanidade aprendeu algo com todo o mal que foi causado. Fique bem, senhora. Responda quantas vezes quiser e despeje toda a grosseria de que for capaz. Eu sou do bem. Asseguro-lhe de que estarei aqui para ler todas as grosserias e garantir o seu direito de continuar as despejando.

          • Edson Duarrte disse:

            Se a senhora der uma lida nos seus comentarios, vera que a um a senhora chamou de vidente. Depois, comediante. A outro, desinformado. Depois, desconectado. Em todos os seus comentarios, os que pensam contrariamente sao ignorantes. O pronome respeitoso de tratamento lhe causa furia. Temos de tentar ganhar no grito, porque na grosseria a senhora é imbativel rs

          • Paula Monteiro disse:

            O senhor, mais uma vez, copia argumentos: não preciso ler o que escrevi, pois, quando o fiz, foi de forma autêntica, expressei minha ideias e opiniões e não copiei ou plagiei ninguém. Leia com atenção e pausadamente tanto os comentários como as respostas. Pensei que o senhor fosse capaz de entender sem explicações, mas,dada à dificuldade, o farei de forma breve. Contra argumentei aos conceitos equivocados que estavam sendo lançados em relação à proposta da reforma que está sendo apresentada, pois acho isso essencial para o bom posicionamento perante estas mudanças (Ignorar algo desta reforma e ter opinião baseada em desconhecimento é nocivo para o desfecho). Respondi e rebati as agressões e aos ataques gratuitos com argumentos e inteligência, e, nem de longe, me igualei ao nível baixo e agressivo: não preciso disto, como esta evidenciado em cada comentário meu. Isto deve causar muita estranheza e revolta ao senhor, que, pelas suas próprias palavras, defende, prefere e acha justificável “ganhar no grito”. Pronome de tratamento não me causa qualquer emoção, eles são instrumentos de linguagem, entretanto, defendo que devam ser usados adequadamente, coisa que, infelizmente, nem todo brasileiro sabe fazer. Eu apenas identifiquei a forma como o senhor prefere utilizá-lo, o que retrata muito a forma como o senhor se comporta, pensa e age. Instrumentos têm a função que o usuário lhe dá… Diante de algo sério, grave, que irá afetar a vida de todo o país, eu acredito no debate, na informação e em manifestações. A maneira como está sendo proposta esta reforma seria inaceitável em qualquer país sério. Mas, infelizmente, muitos preferem ficar preso ao seu “mundinho” e ao seu interesse particular, não se preocupam com as consequências que isto trará para o Brasil, nem identificam quem se beneficiará ou tem interesse nesta reforma, e a qual preço. Debater algo, de forma ética, isenta, procurando obter e trocar informações, ao meu ver, é a única forma possível para poder combatê-la. Mas, infelizmente, há quem se ofenda com a minha proposta, e prefira agir com deboche, banalizar algo gravíssimo, que irá afetar o país por muitos anos.

          • Edson Duarrte disse:

            Ninguém agrediu a senhora. Defenda sua opinião. É seu direito. Mas sem grosserias. Desinformado, vidente, comediante, desconectado, covarde, ignorante… pra que isso? Paz, senhora. Calma. Gentileza. Fora isso, parabéns por defender seu ponto de vista. Feliz dia das mães, Que Deus a abençoe.

          • Paula Monteiro disse:

            Mais uma vez, o senhor é contraditório e agressivo e plagia argumentos. Minha opinião está sendo defendida de forma clara, ética e objetiva desde o início, e eu me reporto a ideias e ao debate saudável, como é perceptível a qualquer homem médio, coisa que muitos se recusam a fazer e insistem na apelação e no insulto, o que é um recurso enfurecido e estéril de quem não tem conteúdo e foge do tema. Eu me pauto pelo diálogo, respondendo e comentando o que foi postado, coisa que deve causar estranheza ao senhor. Tente ler com calma o que eu escrevi e perceba que me referi a atitudes, afirmações e não a pessoas, comportamento bem diferente do seu. A exceção foi para a pessoa que eu chamei de vidente e comediante; lendo o que ele postou, fácil compreender o porquê. Mas, no seu senso de valores e princípios, o senhor acha educado, justo uma pessoa atacar outra por divergência de opinião, com deboche e ironia (“funcionária da agência de publicidade contratada pelo Michel Temer para defender as reformas nas redes sociais”), características, aliás, das quais o senhor também abusa nas suas postagens; o senhor se incomoda com o fato da pessoa se defender e ter dado uma resposta mais inteligente que a ofensa, principalmente se isto parte de uma mulher. Vários comentários postados por outras pessoas foram extremamente agressivos, apelativos e grosseiros, no entanto, o senhor se omitiu. Mas isto (tomar partido do agressor e se omitir perante comentários apelativos), no seu caso, não é surpresa, pois, como o senhor orgulhosamente faz questão de ostentar, isenção é algo que o senhor considera como supérfluo e não faz parte do seu critério de análise. O senhor prefere distorcer e atacar para justificar seu comportamento. Nas várias das suas postagens, pouco falou sobre a reforma. Enquanto muitos ignoram o teor da proposta da reforma e ficam presos ao seu mundinho particular, o governo Temer está investindo em propagandas enganosas, para manipular a opinião pública, está disponibilizando verba a deputados em troca de voto (podendo, inclusive, estar usando recursos da própria previdência para este fim), está negociando cargos, ameaçando e intimidando quem votar contra, esta se unindo a empresários e formadores de opinião para passar a ideia que quer. Diante disso, não cabe ignorar e estar desconectado do texto da reforma e, menos ainda, dos fatos. Enfim, se o senhor prezasse tanto pela gentileza, estaria disposto a praticá-la. Em todo caso, boa semana. Que Deus o abençoe e o ilumine.

          • Paula Monteiro disse:

            Pelo que o senhor demonstra, nem todos aprenderam e insistem em perpetuar o mal e levantar bandeiras de desrespeito, preconceitos, agressão, do acovardamento e da violência. Um exemplo disto são os seus comentários. Esta expresso e registrado, para quem quiser ler e, fica evidente que quem abusa da grosseria, da ignorância e da tautologia é o senhor : seu comentário é sempre pautado no ataque pessoal, na falta de informações e falta ao debate. O senhor interpreta como ofensa pessoal alguém pensar de forma diferente da sua (algo que se agrava muito caso se trate de uma mulher) e prefere usar o deboche, a ironia, a distorção e na hostilidade. Como eu já afirmei, mais do que palavras, as atitudes retratam fielmente o que cada pessoa pensa, os valores que traz, enfim, o que a pessoa é na sua essência: não há como tentar distorcer o que está registrado. Se o senhor julga que as suas atitudes são de alguém do bem, deixa bem claro a interpretação subjetiva que dá ao significado de ser “do bem”. Lamento decepcioná-lo, mas não é o senhor que me garante ou deixa de garantir meu direito de me informar, de me manifestar, de me expressar, de me posicionar e de lutar pelo que acho justo (o que o senhor, na sua ótica de pessoa do bem, classifica como grosseria). Quem me garante isto são as leis do país, minhas atitudes e construções pessoais e, neste caso específico, o site que permite a publicação de comentários. Mas, esta sua forma de raciocínio se coaduna com a forma como este projeto de reforma vem sendo tratado pelo governo: intransigente, impositivo, radical e de forma violenta. Quanto ao fato do senhor ler ou deixar de ler, isto afeta a sua vida e não a minha. Eu estou bem. Desejo que o senhor também fique

          • Paula Monteiro disse:

            O que estava em debate, não são o que o senhor classifica como aposentadorias imorais, estas, estão protegidas pelo direito adquirido, não podem ser alteradas.O senhor se inseriu em um contexto que afirmava, erroneamente, que todo o peso da reforma recairia exclusivamente sobre os empregados da iniciativa privada. Entretanto, não é o que o texto da reforma propõe: todos os trabalhadores serão afetados e prejudicados pela reforma. Basta uma leitura breve e isenta. Pela sua forma agressiva de se colocar, não me parece que o senhor não queira dizer mais por temor a algo: o senhor não parece ser tão frágil, delicado e indefeso.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Falou, falou e não disse nada. Lamentável!.

          • Paula Monteiro disse:

            Claro: quem disse e falou tudo de forma bem esclarecedora, coesa, objetiva, profunda, questionadora foi vc, que prefere distorcer sinônimos, usar frases feitas e chavões. Pena eu não saber o seu endereço, senão, eu lhe daria um dicionário de presente (apesar de que, com internet, é possível acessar a vários). Seu brilhante comentário reflete toda a sua capacidade de argumentação, lógica, coerência, conhecimento e amor ao debate (por esta demonstração, estamos em pólos bem diferentes e eu, por escolha, não pretendo me igualar ao seu). Realmente, com esta capacidade toda, vc tem muito o que lamentar!

        • Bento Sartori de Camargo disse:

          Falou tudo Edson!.

      • Eduardo disse:

        Militares fora. Agentes penitenciários fora. Professores fora. Servidores públicos no Regime Próprio. Pra quem sobra???? Pra Quem de fato produz, gera faturamento e riqueza, embora achacado pelo poder público através de uma das maiores cargas tributárias do planeta e uma das menores taxas de retorno de impostos: O TRABALHADOR PRIVADO E EMPRESÁRIO. Ambos juntos pagam 33% da folha salarial para a previdência. E aí Paula….falta alguma informação??

        • Luis Eduardo Moraes disse:

          O concurso público é extensivo a todos os Brasileiros.

          • Marcelo Silva disse:

            Falou tudo Luis. Policial, Agente Penitenciário etc não estão lá por camaradagem de ninguém, buscaram, lutaram e conseguiram. E são profissões altamente estressantes.

          • Eduardo Irineu disse:

            Marcelo achei engraçado o seu “buscaram, lutaram e conseguiram”. Ora se fizeram todo este esforço e “conseguiram” por quê a reclamação e por quê acha que devam ser tratados com exceção? Pelas suas palavras chegaram ao Olimpo, onde tudo é bom, é melhor, é maior……..profissão estressante tem várias outras e nem por isso são tratadas como exceção. Este é o problema, achar que “minha categoria merece mais do que as outras”. Todos os trabalhadores tem dificuldades nas suas profissões mas estão nelas porque também buscaram, lutaram e conseguiram. Portanto NENHUMA categoria é melhor do que outra, sobretudo na questão da previdência. Todos os que trabalharam a vida toda merecem aposentadorias dignas para sua velhice e sem diferenciações.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Mesmo sabendo que Gestores Públicos são péssimos administradores de recursos arrecadados do contribuinte.

        • Paula Monteiro disse:

          Falta sim, e muita informação para você. Informe-se com quanto contribui o servidor público e sobre qual base, que não tem limite de recolhimento. Informe-se como funciona o serviço público e verifique que há metas, prazo, exigências; informe-se sobre a demanda que há no serviço público e a quantidade de servidores, depois, reveja o seu conceito sobre quem “produz”. Informo-se sobre os impostos que são recolhidos direto na fonte dos servidores públicos e, além disso, adivinhe: servidor público paga a mesma taxa de impostos que não são recolhidos na fonte e têm o mesmo retorno que você. Um país de gente agressiva, ignorante fica a mercê de reformas impostas, injustas e só interessa a quem não tem noção de cidadania, civilização e Nação, e que prefere resolver tudo na base da ofensa, da falta de informação e do grito. Se esta é a sua colaboração e o seu nível de diálogo, esta atitude, por si só, demonstra o tipo de país que vc pretende formar e esclarece e responde o seu próprio comentário . Professor e agente penitenciário têm funções diferenciadas, merecem tratamento diferenciado. Servidores Públicos, como vc mesmo disse, têm regime próprio e estão sendo usurpados, pois, embora vc não tenha lido o texto da proposta, estão perdendo Direitos. Militares não foram incluídos por covardia e interesse deste governo de negociata,que, até agora, não mostrou nenhuma melhoria em aspecto nenhum

          • Murilo Accioly disse:

            Os militares não estão “de fora” ´por covardia ou negociata. você começou até bem, mas no final cedeu ao mesmo tipo de impulso irracional, revoltado e desprovido de fundamentos do seu contendor aí de cima. Os militares não tem horário fixo, estão 24/7 à disposição do Estado. Não recebem hora extra nem podem recusar serviços ou missões. Não podem fazer greve ou ser sindicalizados ( movimento paredista, até fazem… depois são processados em Conselhos de Disciplina ou IPMs, e não raramente expulsos das polícias militares). Estão sujeitos à um Código Disciplinar que pode enquadrá-los em crime militar, e ser presos por até 30 dias, sem que nenhum juiz possa interferir nesse processo administrativo, exceto se o erro for processual, não importando o mérito. Tudo isso em nome da manutenção da hierarquia e da disciplina, tão caras à sociedade em tempos de crise. Policiais militares trabalham em escalas de 24/72 horas. Não tem tempo nem condições de fazer dieta compatível com suas limitações físicas (hipertensão, diabetes, intolerância alimentar), dormem mal, e levam uma rotina de pressão e estresses constantes. O risco de serem assassinados em um assalto corriqueiro pelo simples fato de serem identificados como militares é infinitamente maior do que o de um civil, seja qual for sua profissão. Morrem mais cedo, ficam hipertensos e desenvolvem doenças crônicas mais cedo que a média da população. Trabalham em feriados, dias santos, noite de réveillon… E mais: fazem isso para que vocês, civis, possam se divertir e ter a quem recorrer quando td dá errado…

          • Paula Monteiro disse:

            Você não entendeu o meu comentário. Em que momento eu falei que o militar merece ou deixa de merecer aposentadoria especial, questionei o exercício da profissão, ou critiquei? Eu afirmei que os militares estão de fora da reforma previdenciária ,o que é um fato, e, embora sua argumentação seja justa, não foi isto que motivou este fato. O Governo Temer não retirou os militares por se sensibilizar com as condições de trabalho ou peculiaridades da profissão, ou por tentar fazer justiça. O que motivou foi o temor. Se não houvesse este temor, por mais que vc tenha razão em suas justificativas, os militares estariam incluídos, sem oportunidade de negociação alguma. Quanto ao governo de negociata, obviamente, não me referi aos militares (a quem o governo teme, mas não usufrui benefícios), me referi aos interesses que estão por trás destas reformas, negociata com o mercado financeiro e, infelizmente, por estas reformas estarem nas mãos de um governo ilegítimo e por um congresso em que uma parte considerável está sendo investigada (inclusive, pelo crime de corrupção ativa e passiva).

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Falou tudo e em detalhes!.

          • Eduardo Irineu disse:

            Murilo vc citou algumas consequências ruins como sendo exclusividade da atividade militar. Engano. Não ter horário fixo, estar à disposição do patrão 24/7, não poder recusar serviço, sujeito a disciplina (código), ter escala, dormir mal, rotina de estresse, trabalhar em feriados, não terem tempo de cuidar da saúde, tudo isto aparece numa lista enorme de atividades profissionais que passam longe de uma diferenciação na aposentadoria. Alguns exemplos: não ter horário fixo=vendedor. Estar à disposição 24/7=funcionário de TI. Não poder recusar serviço=qualquer empregado é demitido se recusar. Sujeito a disciplina=motorista de onibus. Ter escala e trabalhar em feriados=enfermeiro de PS e médico. Não ter tempo de cuidar da saude=qualquer um que seja irresponsável consigo mesmo. A unica coisa que concordo com vc que seja um problema exclusivo da classe militar é o risco de vida em função de ser militar, ainda assim penso que isto não justifica aposentadoria especial pois este problema deve ser resolvido durante a vida produtiva do policial e não como um prêmio por ter “escapado”.

          • Marcelo Silva disse:

            Muito sensatas e coerentes suas palavras Paula, com uma ressalva. Embora o governo tema os militares, eles têm muito mérito para receberem aposentadoria especial sim.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Correto Marcelo, estão à disposição 24 horas por dia e estão preparados para dar a própria vida para salvar a dos outros.

          • otto sander disse:

            Desculpe me intrometer, mas tem muita
            gente que não sabe que os grandes países que privatizaram tudo quebraram
            rapidamente, por causa da sonegação em massa dos empresarios( ex. claro aqui no Brasil quem mais deve? o servidor ou as grandes corporaçoes) entretanto,
            voltaram para as estatais, e oque vc colocou esta corretíssimo quase 30% do
            salario do funcionário publico fica na fonte.
            o sistema tem q ser misto e o principal com fiscalização, assim como tem muitos empresarios q sonegam tem muito servidor que queima a classe!

          • Paula Monteiro disse:

            Há servidor que não merece estar no cargo? Sim, mas com certeza não representa a maioria. Há mecanismos para tirá-lo e puni-lo e é dever de toda a pessoa que tem conhecimento disto denunciar e instaurar processo administrativo. A questão que estão levantando aqui, e que é totalmente irreal, é que o servidor público não produz (basta avaliar a demanda que há no serviço público para ter vergonha de dizer uma sandice destas) e o fato de não saberem como é feito o desconto da contribuição previdenciária imposto ao servidor.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Não é o que a sociedade tem visto nos três poderes e nas três esferas de governo!, muito pelo contrário; ta cheio de funcionários péssimos em todos eles, ressalvando muitos que realmente muito trabalham.

          • Eduardo Irineu disse:

            O quê???? Quais “grandes países” quebraram por terem privatizado alguma coisa??? Comparar servidor (pessoa física) com grandes corporações (pessoa jurídica) ???? Meu Deuuuss!!!!!!!

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Tente explicar e justificar com argumentos sólidos a razão da existência de 02(dois) Sistemas para uma só finalidade: RPPS e RGPS sendo que o rombo é proporcionalmente muito maior no RPPS do que no RGPS. E não venha argumentar que funcionário público não tem FGTS, pois para compensar esse erro de conceito o serviço público conta com a famigerada ESTABILIDADE, outra cretinice pois profissional competente não precisa disso pois na iniciativa privada não há espaço para incompetência, isso não quer dizer que todos os funcionários públicos são incompetentes, existem muitos que trabalham e muito mas existe uma infinidade de comissionados e concursados que não servem para absolutamente nada e são os que mais ganham!.

          • Eduardo Irineu disse:

            O resultado do serviço público à população é mau avaliado a décadas e caindo sempre. A percepção da população é resultado deste fato e também da imagem que o servidor ainda quer passar de ser um ser de outro planeta, diferenciado e anos-luz à frente dos pobres contribuintes. Tudo o que vc falou é retórica que, à luz dos fatos, não se sustenta. Primeiro: regime próprio não quer dizer que não tenha déficit e que este não seja coberto pelo governo e indiretamente com impostos que eu a toda a população pagamos. Segundo: direitos devem ser precedidos por deveres e neste momento entra minha afirmação de quem é você quem tem que entender o que é PRODUZIR. Esses alegados direitos a que vc se refere causaram uma divisão de castas onde o servidor publico acha que deve ser o topo da pirâmide. Meu ponto de vista é que NENHUMA CATEGORIA deve ter exceções em relação à aposentadoria e suas regras. Se ler novamente meu primeiro texto verá que citei categorias que têm características específicas e nem por isso têm ou tiveram até hoje qualquer das benesses que chama de “direitos”. Finalizando o trabalhador da iniciativa privada não tem limite de desconto como vc erradamente disse. O desconto do INSS é sobre o salário bruto, seja ele qual for, mesmo não recebendo aposentadoria integral, ou seja, contribui integralmente mas não se aposenta com o ultimo salário mas sim com o teto que em geral representa 60%. Ao contrário do servidor que se aposenta com a integralidade do último salário, pagando a mesma contribuição. Portanto o país que eu quero ajudar a construir de fato é BEM DIFERENTE daquele que vc defende. Nisto concordamos.

          • Paula Monteiro disse:

            Eduardo, inicialmente, procure o significado da palavra retórica e, depois, releia a sua postagem, ela vai ilustrar bem o significado e vc vai poder fixar melhor o conceito; em seguida, procure o significado da palavra Direito e aprenda a distingui-la de benesses, aprenda a importância dele para a construção e garantia de um Estado Democrático e para caracterizar uma Nação. O serviço público não conta apenas com funcionários públicos, mas depende da gestão do ente público ao qual é vinculado, é dever de todo cidadão exigir eficiência dos gestores. Fazendo a distinção, se você se ativer às más avaliações (segundo você, o serviço público é mal avaliado), notará que elas recaem, em regra, em problemas de gestão. O servidor público só é visto como pertencente a uma casta ou como ser de outro planeta por quem não conhece a realidade do serviço prestado, as exigências da profissão, quem despreza a natureza e necessidade do serviço público, a quem e a que se destina, a quem desqualifica a função deste serviço, e sua importância dentro de um país. Servidor público tem meta, tem que se qualificar, tem que se aperfeiçoar, sofre avaliações periódicas; muitos colocam os próprios recursos para desempenhar suas funções. Como você não entendeu minha colocação anterior, vc me força a repeti-la: verifique a demanda que há no serviço público (o que é fácil, pois as informações são públicas), compare com a quantidade de servidores disponíveis, depois, constate, por si mesmo que sua afirmação de que o servidor público não produz é inconsistente, injuriosa e beira à má-fé. Procure o significado da palavra produzir Seu conceito em relação à forma de recolhimento no Brasil está totalmente errado: o índice de contribuição é escalonado( 8, 9 e 11%) de acordo com a faixa salarial, com o teto de R$ 5.531,31, quem recebe acima deste valor, vai recolher R$ 608,44, independente de quanto seja o salário. Esta é uma informação é básica e pública, consulte o site da receita federal! Os servidores públicos que ingressaram a partir de 2004 até 2012, conforme a EC 41/2003, não se aposentam mais recebendo o último salário, mas sim uma média das remunerações de contribuição, que corresponderia a 80% de todo o período contributivo. Os servidores que ingressaram a partir de 2013 terão o salário limitado ao teto da previdência, e o recolhimento também limitado ao teto, equiparando-se aos da iniciativa privada, se quiserem ( a estes, foi dada a oportunidade de optar, o que não foi dada aos que ingressaram antes de 2013), poderão aderir à previdência complementar. A questão maior se refere aos que ingressaram antes de 2004, sob a garantia constitucional de terem sua aposentadoria com salário integral, sofreram o desconto compulsoriamente sobre o salário integral sem limites (portanto, recolheram mais do que os que estão sujeitos a um teto), e que já estão cumprindo regras de transição imposta pela alteração ocorrida àquela época. Quanto ao regime ser deficitário, basta fazer a conta, ver quanto há de arrecadação, quanto há de pagamento de aposentadorias, considerando o aumento significativo que houve quanto ao ingresso no serviço público, portanto, aumento de contribuintes que estão na ativa.Fácil deduzir que não há, mas, esta informação também é obtida pelos próprios registros do Governo, conforme informação dos auditores e da divulgação das contas públicas. Quanto às peculiaridades das profissões que vc citou, médicos e enfermeiros já têm direito à aposentadoria especial; você iguala o rigor das exigências, rotinas, compromissos e atribuições de um militar aos dos vendedores, técnicos de TI e motoristas de ônibus; este nivelamento por si só é tão absurdo e já revela seu total desconhecimento sobre o exercício desta carreira nem sua função dentro do Estado. Com toda certeza, a sua hostilidade exagerada e gratuita, a falta de informação, sua agressividade, sua capacidade de diálogo, o seu comportamento, demonstram sem sombra de dúvidas o tipo de país que vc quer construir e a colaboração que vc está dando. Estude, informe-se, pesquise, assim, talvez vc consiga defender suas ideias por meio de argumentos, respeito, reflexão e fatos, ao invés de ter que usar pontuação errada e caixa alta, que nada acrescentam, apenas revelam a sua capacidade.

        • João Carlos Lange disse:

          Faça concurso na área de segurança.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            E também ninguém é obrigado a ficar nesse estresse, basta cair fora pois a iniciativa privada necessita de pessoas competentes como vc afirma.

          • Eduardo Irineu disse:

            Venha para a iniciativa privada, seja empreendedor, empresário, pague 45% de imposto, empregue pessoas, garanta a elas o salário no fim do mês, tente ter lucro.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            É meu caro, só uma reforma radical em todos os setores tanto os relacionados ao setor privado e principalmente no setor público, até​ que não aconteça veremos apenas mais do mesmo só mudando a cor. Reformas já!.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Diagnóstico perfeito Eduardo, eis a maior evidencia de que este país necessita urgentemente de profundas e radicais reformas, reformas que em hipótese alguma deve ficar só nas mãos desses políticos Raposas Velhas, deve conter no mínimo 70% da sociedade civil, caso contrário é deixar as Raposas legislativa para seu galinheiro e continuaremos a ver apenas mais do mesmo mudando só a cor.

        • Bento Sartori de Camargo disse:

          Faço minha suas palavras, com sua permissão Eduardo.

        • Toni Zaneti disse:

          Vale lembrar que o servidor público de baixo, os de salários menores, nos quais me enquadro como servidor municipal, dos que recebem por mês salário minimo para trabalhar de sol a sol, diferente dos gradões., também estamos sendo severamente prejudicados! Xô Temer e sua cúpula!

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Na iniciativa privada vc pode ter um ganho melhor, basta ser um bom profissional.

      • Bento Sartori de Camargo disse:

        É exatamente isso que o Murilo fez!, quer que desenhe?.

      • Juvencio Amorim disse:

        Vai ficar uma merda. Só militar, viúva de militar, político e policial é que vão se dar bem. E a Paula Monteiro defende a reforma. Muito provavelmente é filha de militar que não casou no papel para ter o benefício do pai torturador…

    • ★ Sr. Quintela ★ disse:

      Sim! Quem vai pagar esse pato é quem não pode reclamar, quem não tem sindicato, quem não consegue levar suas demanda sequer aos seus patrões… imagine ao governo!… quem trabalha de carteira assinada é quem vai pagar o pato, a corda arrebenta no lado mais fraco. justamente aqueles trabalhadores que acham que carregam o Brasil nas costas…

    • Gildo disse:

      tem que cair mesmo,pois sao os unicos idiotas que perde tempo defendendo os partidos e politicos dos quais odeia ou gosta. fica ai agora falando que PT ou PSDB ou PMDB sao ruins ou bons

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      Exato Murilo, esses caras não querem largar a mamata do serviço público. Quem é profissional competente cai fora sem olhar para trás!.

  20. Inocente disse:

    Na verdade é o seguinte; o governo teme que outras categorias se juntem ao movimento como os sindicatos dos agentes já vem fomentanto. Acho que o movimento não pode parar com esta notícia, pois os agentes são especialistas em li dar com malandros.

  21. Ian Cosmo disse:

    O trabalhador que realmente trabalha(privado) e paga impostos vai ter que trabalhar mais para gerar mais impostos para sustentar os benéficos e altos salários ao que pouco trabalha(publico) e recebe os impostos. Mas no Brasil é inconveniente reclamar de servidor publico afinal são um grupo extremamente unido que se defende de todas as formas e ataca qualquer um que tenta alertar contra o real motivo do Brasil estar falido.
    Pelo fim da estabilidade nos cargos públicos!!!! Que os servidores concursados sejam obrigados a refazerem os concursos a cada 2 anos caso queiram manter o cargo

    • Maurelio disse:

      É Ian não critico quem trabalha no setor privado. Meu pai me sustentou trabalhando no setor privado. Eu sou funcionário público (agente penitenciário) e não entendi…”trabalhar pouco”…vai soltar e trancar os excluídos da sociedade. Vai conversar com eles no momento em que está tudo tenso. Vc não sabe o que está falando. Só para início de conversa, não tenho reajuste salarial já faz 33 meses.

      • Juvencio Amorim disse:

        Maurelio, acho que agente penitenciario precisa ter privilegio na aposentadoria sim. O mesmo vale para professores. Os PMs, poderiam por exemplo, trabalhar pelo menos mais 8 anos na área administrativa. Ou ser transferido para escolas ou coisas assim. Na penitenciária o negócio é tenso. Mas o caso é que tem uma corja de vagabas dentro dos plenarios (garçon, engraxate, motorista) e todos esses vão para casa ganhar R$17k de aposentadoria, ou mais.

      • Luis Eduardo Moraes disse:

        Isso mesmo, é fácil criticar, sou PM e não trabalho pouco não, fora o risco que corremos, mas faz parte da função.

      • Bento Sartori de Camargo disse:

        Mas você ainda fica nesse serviço cara?, cai fora o quanto antes pois a iniciativa privada o espera ou monte seu próprio negócio!.

        • Maurelio disse:

          Bento quanto a iniciativa privada ou terceirização aqui no Estado de São Paulo não se tem notícia disso, aliás não se cogita algo deste tipo aqui.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Entenda: é você que deve sair desse serviço que está afirmando ser ruim. Ninguém é obrigado a ficar onde está ruim!.

    • Luis Eduardo Moraes disse:

      O concurso público é extensivo a todos os brasileiros.

    • Paula Monteiro disse:

      Comentário totalmente desconectado com a realidade e que demonstra total desconhecimento do que está sendo proposto na reforma.

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      Além de recolherem a previdência para o INSS e termos um só regime que seria o RGPS, inclusive os gestores recolherem o FGTS para os funcionários públicos concursados apenas.

  22. Aldo Leonardo Silva disse:

    É tanto privilégio que é difícil dizer quem merece ou não, mas se nossas prisões funcionassem como deveriam, sem super lotação, sem armas, sem gangues se matando, e com 100% dos presos trabalhando…. os agentes não precisariam aposentar mais cedo, além disso, policia é policia, seja civil, militar, investigador, delegado, do senado, do canil, etc. deveriam todos ter as mesmas regras ou “privilégios” como alguns preferem chamar…

  23. Eduardo disse:

    Quer dizer que é “bateu, ganhou!!”……o que a categoria dos agentes penitenciários tem de mais grave, de mais estressante, de mais perigosa que um enfermeiro de um PS? Ou de um motorista de ônibus urbano que tem que conduzir um coletivo com pessoas que nem conhece e suscetível a ter bandidos que irão lhe assaltar ou até matar? Ou um motorista de caminhão que em 24 horas tem que levar uma carga viva por 2 ou 3 estados e voltar nas 24 hs seguintes com nova carga para a cidade de origem e fica 15/20 dias fora de casa? Apenas uma coisa é comum a todos: ninguém está obrigado a ficar na profissão, ninguém está condenado, algemado e ser e morrer naquela profissão. Absurdo existirem aposentadorias especiais. As categorias são igualmente necessárias à uma sociedade e esta igualdade deveria ser sinônimo de educação e evolução. Mas ainda se vê grupos egoístas defendendo exceções perniciosas e perpetuando a desigualdade sob o manto mentiroso da alegada “justiça”.

    • José Luiz disse:

      Falou tudo, Eduardo. Expôs muito bem com argumentos corretos. As regras de aposentadoria deveriam ser iguais para todos, sem exceção. Cada profissão tem os prós e contras e ninguém é obrigado a seguir esta ou aquela carreira.

    • luciano disse:

      Simples, você já viu algum desses profissionais serem levados no alto de uma caixa d agua, e os presos ficarem ameaçando que vão te jogar lá de cima, se não forem atendidas as reinvidicações, quando há uma rebelião, você já viu algum desses profissionais ser agredido simplesmente porque o preso não gosta da comida, poderia ficar aqui colocando vários motivos, mas gostaria de fazer um convite a você, vem trabalhar comigo em uma penitenciária por um dia, vou dar a chave para abrir as portas e você entra no pavilhão e solta perto de quinhentos presos, será que você consegue.

      • Eduardo disse:

        Luciano seus argumentos são ineficazes pelo fato de que vc não analisou os riscos dos demais. Ou seja “Farinha pouca, meu pirão primeiro”. Eu poderia ficar aqui escrevendo sobre todos os riscos de várias atividades profissionais mas te devolvo com outro desafio: vc está algemado, condenado perpetuamente a ser agente penitenciário? Vc foi obrigado a se inscrever, pedir emprego ou prestar concurso para ser agente penitenciário? Herdou o cargo de algum parente? E se é tão ruim, tanto risco, stress 24hs, etc, será que vc está nisto só por uma aposentadoria aos 55 anos? Cara vai procurar outra atividade de menor risco e maior reconhecimento, vai ser motorista de ônibus urbano, enfermeiro de PS, caminhoneiro e tire este “peso” já de seus ombros.

        • luciano disse:

          Então você que está reclamando da aposentadoria especial para os Agentes Penitenciários, estuda, passa em um concurso e saia da iniciativa privada, vem ficar de refem, ser agredido,correr o riscode quando esta chegando em casa e alguem quer te executar só porque voce é agente penitenciário, o Estado de São Paulo está para abrir concurso, se inscreva e venha desfrutar do que voce acha que é previlegio.
          Não saio da profissão, por que estou nela a quase vinte anos, não vou jogar fora uma vida em uma profissão porque algum politico acha que deve mudar uma lei, onde nos já tinhamos direito sobre a aposentadoria especial, estão mudando a regra e estamos brigando para garantir um direito que já tinhamos.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Que ótimo que você é esforçado, estudado e passou num concurso difícil, é exatamente de pessoas assim que a iniciativa privada precisa, saia o quanto antes deixe de correr tantos riscos!.

      • Bento Sartori de Camargo disse:

        Cai fora daí o quanto antes cara, você evita tudo isso pois a iniciativa privada o espera ou monte seu próprio negócio, simples assim.

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      Exatamente isso Eduardo, quem não está satisfeito no serviço, que caia fora o quanto antes se for competente para isso!.

  24. hotmail msn disse:

    O que ninguém fala é a “abissal” diferença das aposentadorias medias, entre os Trabalhadores, da iniciativa privada, funcionários públicos e do judiciário.
    R$ 1.9 mil, R$ 9 mil e R$ 30 mil. Pode uma coisa dessa ser justa? E ainda querem que os Deputados aprovem, contra seus eleitores ???? Não votaria, mesmo….a não ser que corrijam estas “distorções” egoístas e mercenárias. A conferir….

    • Paula Monteiro disse:

      Não…o que ninguém fala é a absurda diferença de recolhimento previdenciário imposto aos servidores em relação aos da iniciativa privada. Por que o governo não fala quanto arrecada de contribuição dos servidores públicos? Porque manipula informações e divulga o que interessa , esconde a quem realmente vai beneficiar esta reforma

      • Eduardo disse:

        Certamente é bem menos do que arrecada com a iniciativa privada, que além de descontar do empregado, ainda tem o patronal, totalizando 33% sobre a folha de pagamento. Qual servidor tem descontado este percentual?

        • Paula Monteiro disse:

          Procure se informar mais sobre o que vc fala. Empregador, todos pagam, inclusive ente público (20% + o RAT) . Servidor público, que ingressou antes de 2003, é descontado em 11% sobre o total dos vencimentos, sem limite, enquanto que os da iniciativa privada estão sujeitos, hoje, a um recolhimento máximo de R$ 608,44. Portanto, se vc fizer a conta, verá que a contribuição dos servidores públicos, em percentual, é a mesma que a do empregado da iniciativa privada, mas, que , em alguns casos, dependendo do salário, a base de cálculo da contribuição será maior. Os servidores que ingressaram depois de 2003, por uma regulamentação que só ocorreu em 2013, arrecadam sobre o teto da previdência.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Um erro de conceito em cima de outro. Previdência Única para todos. Pau que bate em Chico também bate em Francisco!.

      • hotmail msn disse:

        Olá Paula !

        Não passa de 14% em casos estaduais, ora em discussão. Mais, aposentadorias integrais, corrigidas pelo índice dos funcionários ativos…. e por aí vai….
        Nada disso acontece nas aposentadorias privadas, quando não sofrem os “fatores previdenciários”, para o governo pagar menos do que deveria….
        Discriminação, é o mínimo, que se pode concluir….entre as “forças produtivas” no Brasil.
        Saudação…

        • Paula Monteiro disse:

          de 11 a 14% sobre o salário integral, sem teto. Corrigidas pelo índice dos ativos, que não têm reajuste anual, por não terem uma política de reajuste, nem um índice oficial para ser aplicado e que, geralmente, têm o reajuste inferior à inflação. Não há fator previdenciário, mas há idade mínima e tempo de serviço, na prática, mesma regra que está vigente para os empregados da iniciativa privada. Houve discriminação na forma de recolhimento, mas não pode haver na forma de pagamento do benefício? Quem foi mesmo que introduziu o fator previdenciário? Ah sim…O mesmo interesse que está apoiando agora estas reformas.

          • Bento Sartori de Camargo disse:

            Regime Único para todos. Chega de discriminação de trabalhadores. Jamais entenderei o porquê de RPPS e RGPS, aguardo uma explicativa com justificativas sólidas e consistentes para a existência de várias formas de Previdência se é tudo para uma só finalidade.

          • hotmail msn disse:

            Esqueceu das “licenças premio” que, se não gozadas, nos períodos, acumulam valores absurdos, como complemento das aposentadorias. No RGSul, ex funcionários públicos, receberam milhões, nos últimos dias, sob esta “rubrica”. Chegam a debilitar as finanças do Caixa estadual…. privilégio de “classes”, também… parecido com FGTS….???

          • Paula Monteiro disse:

            Não me esqueci das licenças-prêmios, o tema em tela é a reforma previdenciária. Quem esqueceu, ou ignora, que o direito a estas licenças já foi retirado de muitos servidores foi você. E, apesar de ter sido um direito retirado de muitos servidores, acredito que foi injustamente retirado: todo empresa e empregador concedem benefícios e incentivos a seus empregados; a licença-prêmio, para ser conquistada, também tinha regras, não é concedida a todo servidor, mas a quem cumpre alguns requisitos (por exemplo, não ter faltas, ser bem avaliado, etc) informe-se. Licença-prêmio não tem nenhuma relação com FGTS, são institutos bem diferentes. E, na maioria dos Entes Públicos em que ainda há licença-prêmio, ela deve ser usufruída e não remunerada (inclusive, quando usufruída, não há o pagamento de auxílios, etc). Ao meu ver, melhor seria expressar as suas opiniões usando argumentos e coesão ao invés de usar pontuação equivocada.

          • hotmail msn disse:

            Agradeço pelo detalhamento de seu conhecimento. Ampliou o meu.

            O pior é o “somatório” e a diferença final = 100% acima dos funcionários da iniciativa privada. Além da estabilidade funcional. Saudação.

          • Paula Monteiro disse:

            Eu não entendi o que significa o somatório 100% acima dos funcionários da iniciativa privada. Quanto à estabilidade, ela é garantia do exercício da função, objetiva dar estabilidade à função pública, estabilidade ao serviço prestado, devido à natureza do serviço público. Há mecanismos para tirar do serviço público um mau servidor, o que defendo que deve ser usado sempre que for preciso.Qualidade no serviço público é essencial

          • hotmail msn disse:

            Olá Paula !

            Veja as médias dos ganhos de cada categoria, cf. 1º email, desta serie de diálogos.
            As questões não julgam os Méritos dos benefícios. Sim, as distorções que ocorrem, em muitos casos, como privilégios. O poder de influência nos governos e políticos é que geram as distorções. Maior poder politico, obtém maiores benefícios para as classes funcionais. Aí a distinção de A,B,C,D, etc….

          • Paula Monteiro disse:

            Os servidores públicos que ingressaram antes de 2003, tinham uma forma de desconto diferente dos da iniciativa privada. Estes servidores têm o sobre o salário integral, sem limites. Por exemplo, um servidor que ganha R$11.062,62 (equivalente ao dobro do teto) recolhe o valor de R$1.216,89, e todos os demais recolhimentos são calculados sobre esta base. Isto, durante a vida profissional inteira, que serviu para pagar as aposentadorias antigas. Agora, quando estão prestes a se aposentar, muitos, já cumprindo a regra de transição, terão o seu direito usurpado. O trabalhador da iniciativa privada, que ganha o mesmo salário (R$11.062,62), recolhe R$ 608,44, teve a opção de usufruir os outros R$ 608,44 da forma que achou melhor. Além disto, todo trabalhador da iniciativa privada vai receber proporcionalmente aquilo que recolheu. Alguém pode considerar justo uma pessoa recolher, durante toda a vida profissional, o dobro do que é exigido dos demais trabalhadores e, ao se aposentar, ganhar sobre o teto? Ou mesmo ter a regra alterada quando está prestes a se aposentar?Um critério para recolhimento durante a vida ativa e outro critério para aposentadoria? O servidor pautou sua vida, fez escolhas e sofreu o recolhimento baseado em um compromisso constitucional. Mas se nem a Constituição é suficiente para assegurar Direitos, o que esperar de um país. Isto não seria nem sequer cogitado em um país sério…

          • hotmail msn disse:

            Olá PAULA ! tudo bem ?

            Assisto que está muito bem informada, inclusive detalhes e comparativos. Com as notícias de hoje – renegociação de dívidas INSS – de municípios, estados e empresas grandes – um REFIS , acredito, que o governo poderá flexibilizar a nova Proposta de Previdência Social e Aposentadoria, aliviando os Contribuintes Profissionais. Dá uma olhada nisso. Soma muito para os saldos que dizem deficitários e “tira” de quem DEVE.
            Saudação.

          • Juvencio Amorim disse:

            Você escreve em filhota? Tá com tempo sobrando recebendo a aposentadoria do Papai Militar? Vai lavar louça e pegar ônibus igual trabalhador… Ah, esqueci…. trabalhador é aquele que se fdeu porque a reforma da previdencia vai arrebentar a vida do cidadão.

        • Bento Sartori de Camargo disse:

          Chega de discriminação de trabalhadores. Jamais entenderei o porquê de RPPS e RGPS, aguardo uma explicativa com justificativas sólidas e consistentes para a existência de várias formas de Previdência se é tudo para uma só finalidade.

      • Bento Sartori de Camargo disse:

        Mais um ótimo motivo para implantar o Regime Único de Previdência, chega de RPPS e RGPS e uma montanha de outros tipos de recolhimento nos Estados e Municípios. Tudo erro de conceito. Chega de vários tipos de recolhimentos para uma só finalidade.É baderna generalizada programada.

  25. Luis Magri disse:

    Tem aqueles que conseguem se organizar e ganhar no grito mas a grande maioria da populaçao vai ter que pagar a coionta . Esse criterio de nao poder acumular aposentadoria e pensao vai deixar muita gente no sufoco se um dos conjugues morrer, nao tem como o outro pagar, meio aluguel,meio condominio etc . Deveria ter uma reduçao mas nao tirar todo o direito.

  26. Observador disse:

    Cada vez mais afirmo que o caminho é auditoria nas contas da previdência abrindo essa “caixa preta” intransponível, temos o direito em saber o montante envolvido, direcionamento dos recursos e melhor análise do que há que ser feito justamente para não termos essa impressão de … “Farinha pouca, meu pirão primeiro”, digo e repito, é estranhíssimo como esses larápios Congressistas querem apressar a todo custo tal votação a ponto de que Temer descaradamente vem retaliar aqueles que votam contra essa medida, porque será?

  27. •°¤*(¯`°( X )°´¯)*¤°• disse:

    E ai cidadãos de bem, velo visto teremos que ameaçar o governo invadindo a câmara e quebrando vidraças para não termos a destruição de nossos direitos em prol da preservação dos direitos de certas categorias que estão sendo privilegiadas por terem efetuado destruição do patrimônio publico em Brasilia, PATRIMONIO PAGO POR TODOS NÓS.

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      Prefiro que a sociedade comece a fazer uma coisa completamente errada mas necessária: eliminar político vagabundo desde vereador até presidente, alguns ex, laranjas tanto aqui dentro como no exterior. Temos de separar o joio do trigo.

      • •°¤*(¯`°( X )°´¯)*¤°• disse:

        Se vc acha que o trabalhador CLT deve perder direitos em prol de privilégios de certas categorias o problema é seu. Pelo discurso inicial da mafia que esta no poder PMDB/PSDB/DEM/PSC/PFL …… o discurso era outro bem diferente.

        Segundo esses marginais nao vamos pagar o pato porem vamos pagar o pato e manter privilégios de Juízes, militares, policiais, funcionários públicos, agentes penitenciários, políticos e por ai vai.

        A cambada de marginais que atualmente esta governando (PMDB/PSDB/DEM/PSC/PFL ……) esta igual ou pior que os marginais que antes governavam (PT).

        Somente nao ve quem não quer ou possui corruptos de estimação.

  28. Bras Silva disse:

    Ah, se fosse a Dilma, gastando dinheiro publíco com essas campanhas… Ah, se fosse a Dilma subornando os deputados em troca de votos… AH se fosse a Dilma… a mídia ia cair matando em cima.

  29. •°¤*(¯`°( X )°´¯)*¤°• disse:

    ah ! então somente o trabalhador comum (CLT) pagara o pato ?

    E essa cambada de políticos vagabundos, seus cupinchas e certas categorias que de certa forma representam ameaça ao governo terão seus privilégios mantidos ?

    • Bento Sartori de Camargo disse:

      A cambada de vagabundos políticos que você afirma e eu também concordo, mas tenho que lembrar-lhe que desde vereador até presidente todos os vagabundos políticos foram eleitos e infelizmente reeleitos pela própria população, agora aguente firme!.

      • •°¤*(¯`°( X )°´¯)*¤°• disse:

        Certamente nao com o meu voto. E pior é ter que “aguentar firme” devido a burrada de vários desde os esquerdistas como os da pseudo-direita brasileira.

  30. Antonio Carlos disse:

    Por que incluíram a polícia legislativa na ultima hora? Vai sobrar mesmo para os de sempre.

  31. Julio disse:

    Inobstante a justeza da aposentadoria especial, o governo tem feito propaganda enganosa dizendo que serão extintas as aposentadorias do tipo e ludibriando a população!

  32. dilson ramos disse:

    Mais do que justo!

    • Carlos santos disse:

      Boa noite amigo, valeu o apoio trabalhamos com o que há de pior na sociedade onde o stress nos cerca 24 horas/dia. Deus te abençoe !

  33. Zaqueu Rocha disse:

    É simples, coloca essa comissão trabalhando 24 h dentro de uma cadeia para eles terem uma ideia de como é a profissão, depois eles retomam a discussão…

  34. Concurseiro Rocha disse:

    É um direito nosso! Já o STF vem nos tratando como força de segurança pública, declarando que não podemos fazer greves. Esta insegurança desse governo e nos tratar como crianças, está servindo pra unir ainda mais nossa categoria. Se no deixarem fora da aposentadoria especial pode preparar a força de segurança pra entrar em em vários presidios, pois nossa categoria vai entrar em greve nacional.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

Seja Membro do Congresso em Foco

Apoie

Newsletter Farol Político

Perspectivas exclusivas e a melhor análise do poder

assine

Receba notícias também via