Toda a minha solidariedade ao Amazonas

A redes sociais viraram a fotografia do drama que estamos vivendo em Manaus. Antes espaço de alegria, confraternização e discussões de toda a natureza, Facebook e Instagram viraram um obituário com amigos compartilhando seus dramas. As fotos de festas e de confraternização foram substituídas por imagens saudosistas de gente querida que se foi.

A sensação apavorante é que a morte se aproxima cada vez mais de nós e de quem amamos.

Para o povo do Amazonas, a crise do coronavírus parece um drama sem fim. O que era uma tragédia maior para os mais pobres, que dependem da rede pública de saúde e não tinham como pagar um leito privado, virou uma catástrofe de todos, já que até os hospitais privados estão com 100% dos leitos de UTI ocupados.

O mundo, tão capaz de soluções rápidas e eficientes para problemas complexos, não estava preparado para essa pandemia, mas o negacionismo agravou as consequências da pandemia, sem dúvida.

Negar a gravidade dos efeitos sanitários do coronavírus estimulou aglomerações, desestimulou o uso da máscara e não preparou o Brasil com a agilidade para a vacinação. As consequências estão aí. Mais de 202 mil mortos em todo o país.

Um especialista disse que o Amazonas vive não uma segunda onda, mas um tsunami. De minha parte, seguirei trabalhando pela união de esforços, independentemente de cor ideológica, para redobrar o trabalho na busca de soluções para minimizar este momento difícil.

Dos negacionistas, muitos dos quais autoridades e influencers que servem de exemplo para muita gente, esperamos um tsunami de empatia. Ou, no mínimo, o silêncio.

Oremos pelo Amazonas e pelo Brasil.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br.

> Leia mais textos do autor.

Continuar lendo