Denúncias contra governo devem afetar reformas

Colaborou Caliel Calves*

As denúncias dos irmãos Miranda envolvendo suposta irregularidade na compra de vacinas pela Índia pode impactar negativamente a agenda de políticas públicas.

Na última sexta-feira assistimos aos depoimentos do deputado federal Luis Miranda e de seu irmão Luis Ricardo Miranda, servidor do Ministério da Saúde, em que denunciam que a compra pelo Brasil de vacinas indianas teria sido superfaturada e intermediada por empresa situada em paraíso fiscal. Os denunciantes dizem ainda que houve envolvimento do líder do governo na Câmara dos Deputados, deputado Ricardo Barros, para que a operação se efetivasse e que, mesmo tendo conhecimento da denúncia, o presidente da República nada teria feito, o que, se confirmadas as informações, pode configurar crime de prevaricação.

Análises anteriores já apontavam que um dos objetivos da Comissão Parlamentar de Inquérito da pandemia poderia ser a desidratação da popularidade de Jair Bolsonaro, por trazer à tona discussões que, no ano passado, foram responsáveis por uma queda abrupta na popularidade do presidente. Essas denúncias provavelmente terão impacto direto na popularidade dele e isso poderá ser confirmado pelas próximas pesquisas de opinião que serão publicadas em breve.

Uma das hipóteses ainda é que a CPI esteja buscando elementos capazes de sustentar um pedido de impeachment com a finalidade de tornar Bolsonaro inelegível para a próxima corrida presidencial. Isso abriria espaço para que uma candidatura alternativa pudesse ocupar a posição e avançar na narrativa anti PT, a fim de disputar com o ex-presidente Lula.

Fontes extraoficiais dão conta de que alguns partidos de centro já estudam um desembarque do governo. Ainda, a articulação do governo no Parlamento poderá ficar prejudicada, uma vez que o líder do governo estará ocupado com essas acusações contra si e pode perder sua influência e capital político para as discussões sobre agendas importantes que chegam ao Congresso Nacional, como a reforma tributária e a reforma administrativa.

Esses acontecimentos devem impactar nas articulações do governo para fazer avançar suas agendas nas reformas que serão discutidas no próximo semestre, deixando o resultado dessas políticas com um formato mais ao gosto apenas no Legislativo.

Caliel Calves* é coordenador de Projetos do Pensar RelGov, Internacionalista pelo IRI-USP, pesquisador no CAENI/USP, Acelerador na Legisla Brasil e Embaixador do Politize!. 

> Leia mais textos do autor.

Se você chegou até aqui, uma pergunta: qual o único veículo brasileiro voltado exclusivamente para cobertura do Parlamento? Isso mesmo, é o Congresso em Foco. Estamos há 17 anos em Brasília de olho no centro do poder. Nosso jornalismo é único, comprometido e independente. Porque o Congresso em Foco é sempre o primeiro a saber. Precisamos muito do seu apoio para continuarmos firmes nessa missão, entregando a você e a todos um jornalismo de qualidade, comprometido com a sociedade e gratuito. Mantenha o Congresso em Foco na frente.

JUNTE-SE A NÓS

Continuar lendo