Basta não ser tão idiota?

Existem os profetas que apenas vislumbram o futuro e existem os profetas que, além de vislumbrar o devir, proferem sentenças desagradáveis. Nelson Rodrigues e Jeremias fazem parte deste segundo grupo. Aqui, reproduzo uma sentença profética muito conhecida do Nelsão: “Os idiotas vão tomar conta do mundo porque são superiores, numericamente superiores”.

E existimos nós que vivemos o futuro e as profecias na carne, e que temos que segurar o rojão.

A profecia do anjo pornográfico só não se cumpriu antes porque faltava tecnologia, uma vez que idiotas sempre abundam nas sociedades, em qualquer época e lugar.

Eis que aparece Steve Jobs, montado no alazão do apocalipse, e oferece o instrumento para a tomada do poder pelo idiota. Que, por sua vez, passou da condição de tolo ou idiota da aldeia a oráculo universal, segundo diagnóstico preciso de Umberto Eco.

O nome disso é profecia cumprida que também atende pelo nome de desgraça. Porém toda desgraça tem seu lado positivo. Hoje, ninguém mais tem o monopólio da mentira, e o choro e o ranger de dentes, Bonner, são livres e democráticos.

Paralelamente ao azar profetizado nos primórdios por Nelson Rodrigues (idos de 76, mesma época em que Steve Jobs e Steve Wozniak se masturbavam numa garage em Silicon Valley) aqui, no Brasil, um tropel de bestas apocalípticas (porque desgraça pouca é bobagem) despontava no horizonte.

Liderando o exército de bestas, galopando os corcéis nefastos na pradaria do final da picada, podemos apontar uma amazona e três cavaleiros, Xuxa, Faustão, Gugu e Bial respectivamente. Ou seja, Jobs deu régua e compasso para o surgimento do circo de horrores em que se transformou o mundo e particularmente o Brasil. Uma vez que o que é ruim, idiota e mortal no resto mundo, aqui se prolifera com muito mais letalidade, poder de destruição e idiotice, vide a covid, com o perdão do trocadilho.

Quem diria que nossa tão festejada antropofagia ia terminar fazendo Uhuuuu em Nova Iguaçu?

E lá se vão vinte anos de Big Brother, quase quarenta anos de Xuxa e Faustão incansável e sistematicamente promovendo aberrações e nulidades, e emburrecendo a população. Isso sim é genocídio. E ainda tem gente que não entende o que aconteceu com a música, o teatro, o cinema e a literatura brasileira. Ora, faleceram sem que ninguém reclamasse os corpos. E não foram enterrados: zumbis-desavisados, mortos-vivos, pobres-coitados.

Voltando ao apocalipse. Como se o trabalho dos animadores deste circo de horrores tivesse preparado o terreno (ou o pasto) para a ascensão dos idiotas da internet que, hoje, ajudam a disseminar a ignorância, a nulidade e as trevas no Brasil. O estrago foi imenso e está em processo de expansão irreversível, lamento dizer. Para resumir, ter dado voz àqueles que historicamente sempre permaneceram calados, foi a mesma coisa que abrir a caixa de desgraças de Pandora. Bom ressaltar que os idiotas em questão permaneceram calados por milênios não porque foram oprimidos, mas porque nunca tiveram nada a dizer ontem, não tem hoje e não terão amanhã; todavia, por um desastre da natureza, verdadeiro casamento do céu com o inferno, adquiriram voz e vocalizaram suas cloacas.

Vale dizer, as iluminações e o gênio foram trocados pelos guinchos, relinchos, glúteos e latidos dos idiotas e, como se não bastasse, a idiotice foi turbinada pelas aparentemente boas e corretas causas. Todo idiota, podem reparar, carrega um estandarte e dá exemplos para os outros, tem o espírito coletivo como as formigas e age no sentido de preservar a espécie. Eles são idiotas, mas não são burros.

Ter um pouco de talento e o mínimo de originalidade nesse mundo é crime. A realidade também não existe, e os fatos e o conhecimento são negados no caso de não se encaixarem nas expectativas dos donos da famigerada voz, cloaca ou “narrativa”, ou seja, nas expectativas daqueles que não tiveram, não tem e nunca terão nada a dizer. É o lugar do assassinato das individualidades, onde o gênio é um pária e morre ignorado.

Woody Allen, por exemplo. Ainda que seja o maior canalha que pisou sobre a face da terra, o que temos para substitui-lo?

O discurso das feministas do Me too. Mais nada além de um discurso que, apesar da premência e necessidade (causas justas no lugar errado), jamais vai preencher a lacuna do novo filme de Allen. Um filme que ficou três anos na gaveta e quase não foi distribuído por odiosa revanche. Só por isso. A autobiografia de Allen sofreu/sofre o mesmo boicote.

E se um novo Manhattan tivesse sido boicotado? O que os idiotas e os linchadores teriam a oferecer para ocupar o lugar do filme senão a patrulha das melhores intenções, pedras, ódio, ressentimentos e causas justas? Causas que, repito, estão nos lugares errados e que talvez  procedam num consultório de psicanálise ou em qualquer outro fórum ou auditório de televisão apropriados, menos no lugar do gênio e das individualidades.

Eu (questão de estilo e gosto, e isso não tem nada a ver com o fato de estar certo ou errado ou de ser bom ou mau) não troco a sequência de Marshall McLuhan na fila do cinema em Noiva nervosa, noivo neurótico por toda a filosofia da Angela Davis.

Impressionante, a propósito, como algumas teses (e sofismas) se revestiram com a armadura das causas sagradas e ganharam status de verdades pétreas e incontestáveis; qualquer um que divirja um milímetro de suas diretrizes ou que destoe minimamente da “narrativa-dogma” será imediatamente julgado como inimigo e opressor da justiça, pobre justiça. E não restará outro veredito ao herege senão sua eliminação sumária. Aqui vai um exemplo caro às esquerdas: a desmilitarização das policias militares. A meu ver, é uma tese curiosa. Pode proceder ou não, acho que não. Independentemente do que acho ou deixo de achar ( isso não tem a mínima importância), merece debate, troca de ideias, esclarecimento, e risos se for o caso. E não encerramento de questão, julgamento e condenação prévias, tanto de quem é a favor como de quem é contra. A mesma coisa vale ( ou deveria valer... por que não valeria?) para o dadaísmo, a volta de dom Sebastião e a ressurreição de Cristo, para o racismo estrutural, o marxismo e o veganismo, a terra plana e tantas outras teses que deram as caras nos últimos milênios, séculos e na semana passada.

Chega a ser constrangedor sublinhar que teses não têm força de lei, ninguém é obrigado a cumpri-las e muito menos aceitá-las. Que eu saiba o riso é livre. Eu até me divirto com algumas. Às vezes tenho horror e muito medo de outras. De qualquer modo, teses são apenas teses, elas podem morrer na praia como um amor de verão, mas eventualmente podem cooperar para o desarrollo das sociedades ou até mesmo destruí-las.

A hidroxocloroquina, portanto, não é prerrogativa nem privilégio do idiota da direita mais tosca e truculenta que tivemos notícia desde o aparecimento de Afanásio Jazadji. O idiota de esquerda também tem seus remédios, métodos e curas igualmente medievais e genocidas. O que eu quero dizer é: não precisamos ser tão idiotas, vamos com calma. Mais Nelson Rodrigues, mais Woody Allen, menos Plínio Salgado e menos Stálin, e esqueçam o blá blá blá, as perorações marotas e as poesias do Pedro Bial, mas não o expurguem, pois somente o próprio poderia fazer isso por si mesmo. Bem, finalmente, creio que ninguém precisa ser tão esperto para compreender a singela regrinha de três que expus acima, bastaria não ser tão idiota. Ou será impossível, Nelsão, tarde demais para não ser tão idiota?

> Leia mais textos do autor.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!