Acima de tudo a liberdade e a democracia

O grande legado do Século XX, com o desfecho da “Era dos Extremos”, como descreveu Eric Hobsbawm foi, a meu juízo, a vitória das ideias de liberdade e democracia como valores universais e permanentes. Ainda que sobrevivam regimes autoritários mundo afora, o ideal democrático permanece sólido como o grande horizonte utópico neste início de Século XXI. Mostra disso são a impressionantes mobilizações populares na Belarus, as reações às ações desestabilizadoras de Donald Trump no processo eleitoral em curso nos Estados Unidos e a resistência ao crescimento do populismo autoritário de extrema-direita em diversos países do planeta.

Há, evidentemente, ameaças e tensões que colocam em xeque a democracia contemporânea. Nunca se discutiu tanto a crise da democracia representativa. Há desafios a exigirem respostas urgentes. Mas não há outro caminho a não ser a democracia, invenção humana com suas virtudes e pecados e que impõe um diálogo profundo e sincero entre conservadores, liberais, social-democratas, socialistas democráticos que convergem em torno da defesa da liberdade e rechaçam qualquer alternativa que rompa o Estado de Direito.

Em um mundo e um país mergulhados em radical polarização entre os extremos, que alimentam suas bolhas sectárias, privilegiando a promoção do dissenso e não a política como ferramenta de construção de consensos progressivos através do debate democrático, temos nós, os democratas, a obrigação histórica de criarmos canais de diálogo para o fortalecimento da democracia e das instituições republicanas.

Acabei de ler o ensaio Chamado da Tribo, de Mário Vargas Llosa, onde o autor com sua habitual qualidade de texto narra sua trajetória de conversão do socialismo ao liberalismo, motivada pelas decepções com o socialismo real e o encontro com o liberalismo através de autores como Adam Smith, Ortega y Gasset, Hayek, Karl Popper, Raymond Aron e Isaiah Berlin.

Mas o que chamou atenção na leitura foi o vasto campo de diálogo possível entre conservadores, liberais e progressistas e a convergência que pode ser construída na constituição de um polo democrático para resistir aos apelos e às ameaças dos projetos extremistas, autoritários e radicais.



Temas como liberdade política, de imprensa, de organização e expressão, direitos individuais e valores morais – onde os conservadores são resistentes, papel do Estado no mundo contemporâneo, limites fiscais à expansão do welfare state, ação mais regulatória do que empresarial, parcerias com o setor privado e o terceiro setor, liberdade econômica, equalização de oportunidades com foco prioritário no setor educacional e programas de renda mínima, descentralização e desconcentração do poder, combate à corrupção e compromisso com o reformismo formam uma bela agenda onde naturalmente não haverá convergência plena, mas que tem que ser enfrentada para a construção de um programa de ação das forças democráticas.

Há poucos meses assistimos perplexos manifestações em favor de um novo AI-5 e do fechamento do Congresso Nacional, com a reinstalação de um regime autoritário. Felizmente, os desdobramentos da realidade e a reação dos setores democráticos desmontaram este cenário de confrontação.

Cabe a todos que acreditamos na democracia sacudir a poeira de certa inércia que nos abraçou desde 2018 e construir uma nova visão de futuro para o país.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br. 

> Leia mais textos do autor 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!