Disputas pela CMO: o que ela tem de tão importante?

*Roberto Hermidas de Aragão Neto

Expor os motivos do conflito pressupõe compreender as funções da comissão na política brasileira.

É possível identificar quanto poder um cargo possui pelo nível de interesses que o cercam, especialmente quando estes são divergentes e geram impasses duradouros.

Não é diferente quando se trata da Comissão Mista de Orçamento (CMO), colegiado composto por Deputados e Senadores e cuja presidência vem sendo objeto de acirrado conflito entre grupos opositores no parlamento desde setembro deste ano. Nesse sentido, expor os motivos de tal conflito é uma excelente oportunidade para compreender por que a CMO é tão importante para a vida política brasileira.

As competências da CMO são previstas pela própria Constituição Federal[1], que atribui ao colegiado, dentre outras funções, a prerrogativa de examinar as leis orçamentárias e sobre elas emitir parecer. É também na CMO que os parlamentares deverão apresentar as emendas de seu interesse, para que possam propor alterações no orçamento e fixar despesas que atendam as suas bases eleitorais.

Ademais, cabe à CMO emitir parecer sobre as contas prestadas pelo presidente da República, opinando pela sua aprovação ou rejeição.

Dessa forma, depreende-se que a CMO, pelas competências que possui, detém significativo poder de barganha não apenas frente ao poder Executivo, mas também em relação aos parlamentares. De fato, o presidente da República é o mais interessado na aprovação do orçamento por ele proposto, bem como das contas por ele prestadas. Já no que tange aos congressistas, a importância da CMO reside no poder desta de examinar a admissibilidade das emendas apresentadas: sem a anuência da comissão, o parlamentar não poderá destinar recursos do orçamento para os por fins por ele almejados.

Ocorre que, como toda comissão do Congresso Nacional, a CMO é dirigida por um presidente, cargo que concentra boa parte dos poderes deste órgão legislativo. Com efeito, cabe ao presidente da CMO designar os relatores que examinarão o orçamento e as contas do presidente da República, bem como os membros que apreciarão a admissibilidade das emendas orçamentárias[2].

Demonstrada a tamanha importância decisória do presidente da CMO, não é difícil entender o motivo pelo qual este cargo é intensamente disputado no Congresso Nacional. Concorrem à presidência da comissão, de um lado, Elmar Nascimento (DEM-BA), apoiado pelos presidentes das duas Casas do Congresso Nacional, e, de outro, Flávia Arruda (PL-DF), patrocinada pelo líder do Centrão Arthur Lira (PP-AL).

Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do Senado, já convocou duas vezes a instalação da CMO, momento em que o seu presidente é eleito e os relatores são designados, mas ambas as reuniões tiveram de ser canceladas em razão da obstrução arquitetada por membros do Centrão.

[1] Constituição Federal.  Art. 166. Os projetos de lei relativos ao plano plurianual, às diretrizes orçamentárias, ao orçamento anual e aos créditos adicionais serão apreciados pelas duas Casas do Congresso Nacional, na forma do regimento comum.

  • 1º Caberá a uma Comissão mista permanente de Senadores e Deputados:

I - examinar e emitir parecer sobre os projetos referidos neste artigo e sobre as contas apresentadas anualmente pelo Presidente da República;

  • 2º As emendas serão apresentadas na Comissão mista, que sobre elas emitirá parecer, e apreciadas, na forma regimental, pelo Plenário das duas Casas do Congresso Nacional.

[2] Resolução 1/2006 do Congresso Nacional:

Art. 15. Ao Presidente compete:
V - designar os Relatores;
VI - designar os membros e coordenadores dos comitês;
XI - declarar a inadmissibilidade das emendas, ressalvadas as emendas aos projetos de que trata o art. 25;

*Roberto Hermidas de Aragão Neto é graduando em Direito pela Universidade de Brasília e certificado em Orçamento Público pelo Instituto Legislativo Brasileiro.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br.

> Leia mais sobre o tema.

Continuar lendo