Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

A volta da fome

O que eu imaginava extinto voltou a ocorrer, principalmente nos dois últimos anos: ver pessoas (homens, mulheres e crianças) remexendo o lixo em busca de comida.

Costumeiramente vejo, principalmente aos domingos, talvez por ficar em casa pela manhã, uma ou mais pessoas remexendo o lixo, logo cedo, em busca do que comer.

Todas as vezes que vejo isto sou tomado de indignação.

Lógico que​, ao ler a frase acima, vai ter um idiota perguntando: “​e por que você não dá de comer para essas pessoas?”.

Digo idiota porque só quem pensa que a solução passa pela filantropia individual é idiota ou um completo alienado​. Não sei se há muita diferença de um para o outro.

A resposta para acabar com a fome passa pelas políticas públicas e não pela pura e simples filantropia. A filantropia presta ação emergencial, mas não resolve ​o problema​.

Domingo, 14 de janeiro, logo cedo vi aqui na frente de casa um cidadão, jovem (menos de 40 anos), com boa musculatura, parecia ter feito halterofilismo, revirando o lixo em busca de comida. Sei que buscava comida porque recolheu alguma coisa do lixo e começou a comer. Uma parte do que encontrou comeu, outra guardou. Saiu claudicando e remexendo as lixeiras aqui da rua: o que encontrava de comida comia, ou separava para levar.

Essa triste cena me trouxe ​à mente muitas passagens que já li, vi ou ouvi. Dos que li, me trouxe o poema “O Bicho” de Manuel Bandeira, os livros A pele, de Curzio Malaparte, e Geopolítica da Fome e Geografia da Fome, de Josué de Castro.

“O Bicho” de Manuel Bandeira é muito representativo:

Vi ontem um bicho / Na imundície do pátio / Catando comida entre os detritos. // Quando achava alguma coisa, / Não examinava nem cheirava:

Engolia com voracidade. // O bicho não era um cão, / Não era um gato, / Não era um rato. // O bicho, meu Deus, era um homem.

Comportamento igual tinha ‘o bicho’ aqui da frente de casa.

Muitos descreveram a fome, seja de maneira poética, romanceada, ficcional, traumática ou realista. Entre eles, Curzio Malaparte.

Em A pele, que li ​há mais de 30 anos, ​e que também virou filme, Malaparte faz um relato do que é o pós-guerra na Itália, de como o ser humano se comportava​ para sobreviver. Se, durante a guerra, luta com bravura e dignidade pela vida, no pós-guerra, para sobreviver, se vende, trapaceia e vende até os filhos, para servir de objetos sexuais. O ser humano deixa de ser humano, deixa de ser um bicho que defende o filhote e/ou a manada e passa a ser a pior das coisas.

Digo a pior das coisas porque perde as características do humanismo. Vira uma coisa querendo sobreviver.

​Em seu​ Geopolítica da Fome, Josué de Castro escreve que, na “luta pela obtenção do pão-nosso-de-cada-dia”, o homem, “este animal pretensiosamente superior”​, não obteve uma vitória decisiva na luta pela própria subsistência.

Como define Josué de Castro​, este animal que é pretensiosamente superior, não o é porque é egoísta e individualista. Luta pela sobrevivência de maneira individual, disputando privilégios com seu semelhante e​, se preciso, para manter os privilégios ou obter outros, mata o seu semelhante.

Quando no Brasil passou-se a construir um mínimo de igualdades de direitos, como o de comer, foi construído um golpe. Quando no horizonte foi visualizada a possibilidade de todos e todas, independente​mente da classe social, terem os mesmos direitos, sob a égide do combate ​à corrupção, os maiores corruptos da história do país deram um g​olpe de Estado.

Esses homens/bichos/coisas são vítimas desses golpistas. São vítimas do capitalismo, onde impera a lei do individualismo e do egoísmo. A lei do ter tudo a qualquer custo, mesmo que parte da população passe fome.

Até o golpe​, havia políticas públicas ativas de combate à fome. Não há mais. Em menos de dois anos​, Temer, seus apoiadores (PSDB, PMDB, PP, PTB, Solidariedade, PPS, PSC, PSL, PSD, et caterva) e os golpistas, entre quais os batedores de panelas, os que se vestiram de verde e amarelo, alguns juízes, e vários procuradores e ​policiais ​federais destruíram o Brasil e construíram a volta da fome, que estava de partida, entre os brasileiros.

Claro que não atuaram ​sozinhos​, tiveram o apoio da mídia (Rede Globo) e do capital internacional.

Do mesmo autor:

<< Após o “noite feliz” não se fala nem mais o “Bom dia” – Bom 2018!

<< É noite sobre meu Brasil – a vida aqui nada vale: prega-se a morte e se mata

Continuar lendo