A reviravolta na sucessão mineira

A superioridade da democracia, com suas imperfeições e defeitos, fruto ser uma invenção humana, é permitir à sociedade exercer o controle social sobre o processo político, confirmando ou retificando os rumos futuros.

Toda eleição é balizada por dois vetores: continuidade ou mudança. Se as coisas vão bem, se mantém a direção. Se as coisas vão mal, ganha força a mudança. A população tem uma profunda inteligência intuitiva nas escolhas que faz. Ela pode até se enganar ao não ter acesso a informações essenciais ou se o populismo demagógico conseguir impregnar a opinião pública de versões equivocadas, que a população absorve como sendo verdade.

A situação em Minas é caótica e pré-falimentar. Dívidas monumentais se acumulam com servidores, prefeituras, hospitais, fornecedores. A falta de um programa de investimentos relevantes contrasta com o trabalho estruturante e transformador realizado nos 12 anos dos governos do PSDB e de seus aliados. Quem não se lembra do Pró-acesso, do Saúde em Casa, do MinasComunica, da Linha Verde, do Pró-Hosp, do Circuito Cultural da Praça da Liberdade, do Expominas, do Farmácia de Minas, do primeiro lugar na avaliação do Ensino Básico, dos Hospitais de Venda Nova, Municipal de Uberlândia e do Terezinha de Jesus em Juiz de Fora abertos na gestão tucana, do fortalecimento dos Consórcios de Saúde, da Rede de Urgência e Emergência, dos programas Viva Vida e Mais Vida, e de tantos outros avanços?

Diante da inércia do governo de Minas e da profunda crise fiscal que repercute dramaticamente na vida dos municípios e da população, os ventos em Minas sopram em direção à mudança.

O atual governo será avaliado nas urnas através da candidatura à reeleição do governador Fernando Pimentel.

A nós da oposição cabe oferecer uma alternativa que encarne a urgente necessidade de mudanças. Na primeira hora se apresentaram três nomes respeitáveis: o ex-presidente da ALMG, Dinis Pinheiro, o ex-prefeito de BH, Márcio Lacerda, e o deputado federal Rodrigo Pacheco. Fato é que nenhuma candidatura colocada conseguiu produzir a ampla convergência imprescindível para a vitória. Ao contrário, problemas ocorridos criaram barreiras intransponíveis para a unidade do bloco de oposição.

E é em nome disto que o senador e ex-governador Antonio Anastasia assumiu o papel histórico de liderar um arco de alianças o mais amplo possível em nome da mudança.

Por seu passado irrepreensível, compromisso ético, experiência como gestor, capacidade de diálogo e aglutinação, conhecimento enciclopédico sobre direito constitucional, administrativo egestão pública, Anastasia agregará ao processo eleitoral em Minas qualidade e um horizonte confiável de que sairemos da presente crise e construiremos um futuro do tamanho que os mineiros desejam e merecem.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!