VAR: o Brasil precisa dele

Com o final da Copa do Mundo, que não nos trouxe nenhum benefício, creio que possamos ter um VAR (video assistant referee) para nos auxiliar nas grandes celeumas que nos assustam em relação à miscelânea de petições e a enxurrada de decisões que prendem e soltam  condenados famosos, e na disputa eleitoral que confunde o povo que não sabe o que está certo ou errado. É hora de termos um olhar tecnológico fora do campo jurídico e político para que voltemos a viver com segurança jurídica e paz.

O VAR poderá ser usado nas campanhas eleitorais ou nas pré-campanhas que já se instalaram nas ruas do país. São tantos os pré-candidatos, que o ideal seria deixar que cada cidadão, que desejasse ocupar cargo eletivo, pudesse apresentar suas idéias e fazer campanha desde o dia em que decidir concorrer. A farsa da pré-candidatura desmoraliza o pleito e permite o mascaramento das campanhas, favorecendo os que não têm medo da Justiça Eleitoral. É imenso o número de pessoas que se apresentam como futuros postulantes, fazendo promessas e recolhendo fundos de cidadãos esperançosos de vida melhor.

O final da Copa do Mundo na Rússia se assemelha ao nosso momento político. Não temos mais uma seleção brasileira de futebol. O nosso time é de estrangeiros que se dizem brasileiros e entram em campo para enfrentar seus colegas das bilionárias equipes européias que  cuidam mais de suas preciosas canelas do que de honrar o azul e amarela do nosso uniforme Nike.

A semelhança com a política é a constatação de que o nosso presidente, que vinha tão bem no início do seu mandato, diferentemente do Tite que é recebido com carinho na derrota, sofre com o olhar enviesado do povo. Nas pesquisas de avaliação é considerado o pior presidente que tivemos, quando o pior, mesmo, é o ex-presidente julgado, condenado e preso.

Temer, como se fosse o técnico da Espanha, foi atingido por um touro provocado por bandeirola vermelha e não consegue recuperar seus bons momentos. Hoje, o dito golpe repetido à exaustão se transformou e golpeia o presidente sem dó nem piedade.

No momento, todo cuidado é pouco. O fantasma Bolsonaro continua assustando, mesmo em dia claro e sem tempestade. Arrastando suas correntes, de arma em punho, o pré-candidato convoca seguidores e fecha a carranca, quando questionado sobre os seus métodos e propostas. Sem conhecimento profundo sobre os problemas nacionais, e sem experiência executiva, o ex-soldado busca ser o imperador do país, disposto a incendiar nossa República e instalar a sua ditadura-democrática, onde os que não se metem em política podem viver livremente, como já ocorre em países controlados pelo poder.

Por outro lado, os paulistas, os paranaenses e os eleitores que desejam um país bem governado, sem conflitos e democrático sabem que dois pré-candidatos preenchem os requisitos para serem escolhidos: Geraldo Alckmin e Álvaro Dias, ambos são políticos com ficha-limpa, experientes e espírito público. Se fossem candidatos na mesma coligação fariam uma ótima dupla; no entanto, a solução deverá ser a de sempre: sul e os outros.

Os demais candidatos farão suaves ou agressivos discursos e seguirão em frente, elegendo representantes na Câmara e no Senado, colaborando com os destinos do país ou atazanando a vida do novo presidente. Assim, deixaremos de ser o país que era do futuro, para sermos o país que quer ser o país do passado.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!