Tempo de mudanças

Carlos Roberto *

Quando chega essa época do ano, as pessoas costumam fazer reflexões sobre o período que passou e partem para os planejamentos do novo tempo que se aproxima. Tempo que serve também para reavaliar possíveis erros cometidos a fim de mudar rumos até para trilhar novos caminhos. Ao final de 2013, podemos entender mais uma vez que o Brasil precisa mudar, a partir de um sentimento que está presente em cerca de 60% da população, conforme apontam as pesquisas de opinião mais recentes.

Como 2014, além da Copa do Mundo, o maior evento já promovido neste país, é um ano de eleições presidenciais, percebe-se a necessidade de aproveitar esse período justamente para promover uma grande transformação no Brasil. Será o momento de tirar o país das mãos dessa gente do PT que, há mais de dez anos à frente da nação, não fez outra coisa que não fosse buscar a perpetuação no poder.

Mas ainda é possível tirar boas lições de 2013, um ano em que parte da população se levantou contra o poder, em manifestações populares ao longo do mês de junho, que serviram como alerta para a classe política mudar posturas. Apesar do clamor popular ter sido abafado por grupos organizados que tentaram se fazer pela desordem e violência, importantes lições ficaram. Ao mesmo tempo, a prisão dos mensaleiros - que incluiu os líderes do PT José Dirceu, José Genoíno e Delúbio Soares - serviu como uma espécie de desafogo para uma população que nunca tinha visto gente importante acabar atrás das grades.

Mesmo assim, há muito a ser feito neste país, que sofre demais diante de um desgoverno que deixou escapar o controle da inflação e não consegue crescer nos patamares necessários para a manutenção dos setores produtivos. Ainda se privilegiam demais medidas paliativas de assistencialismo em detrimento ao desenvolvimento da economia, deixando de lado ações efetivas para incentivar quem produz. Desta forma, o Brasil volta a exibir índices baixíssimos de crescimento, ficando para trás na corrida em busca de um lugar de destaque perante as grandes economias mundiais.

Por tudo isso, nesse período de reflexão, é importante deixar uma mensagem positiva de que é possível fazer um país melhor. É hora de seguir rumo a uma conquista que pode ter a contribuição das pessoas de bem, que têm em mãos o poder de ir às urnas e votar por esse Brasil da produção, do desenvolvimento, a fim de promover as transformações que as pessoas realmente precisam. Fica aqui meu desejo de um Natal de muita paz e um 2014 de mudanças de verdade.

* É deputado federal pelo PSDB de São Paulo, presidente da subcomissão de monitoramento das políticas de financiamento dos bancos públicos de fomento, com destaque ao BNDES, e industrial.

Outros textos sobre eleições 2014

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!