Sustentabilidade e educação

“A educação é simplesmente a alma de uma sociedade, a passar de uma geração para a outra”
G.K.Chesterton
(1874-1936)[1]


Amilcar Faria *


Sustentável:
aquilo que pode ser sustentado; passível de sustentação; defensável, suportável.

Sustentabilidade é uma característica ou condição de um processo ou de um sistema que permite a sua permanência, em certo nível, por um determinado tempo.

Uma boa e atual definição para sustentabilidade, por didática, é: a capacidade de sustentar ou manter aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade humana.

O termo "sustentável" vem do latim sustentare (sustentar; perpetuar, conservar; defender; argumentar; favorecer, apoiar; garantir; cuidar, proteger), mas o conceito de sustentabilidade, como o conhecemos hoje, começou a ser delineado na I Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, realizada em Estocolmo (Suécia), em 1972, que foi a primeira grande reunião internacional para discutir as atividades humanas em relação ao meio ambiente.

Não obstante a modernidade do termo sustentabilidade e da sua (re)significação, cujo foco tem sido orientado a um perseguido equilíbrio entre o economicamente viável, o ecologicamente correto e o socialmente justo, o conceito de sustentabilidade como a capacidade de um processo ou sistema (objeto) manter ou permanecer em um certo nível de funcionamento por um determinado tempo sempre foi o mesmo.

Há quem defenda que o que tem provocado essa (re)significação do termo sustentabilidade é simplesmente a mudança no paradigma de percepção de quantidades: antes propunha-se a permanência do nível de funcionamento do sistema (econômico) a qualquer custo e por tempo indeterminado, porque acreditava-se que os recursos naturais do planeta, por grandiosos e incomensuráveis, seriam infinitos; agora começa-se a perceber que os recursos naturais, ainda que disponíveis em enormes quantidades, são finitos e mais facilmente esgotáveis do que se gostaria ou precisaríamos que fossem.

Parece mais defensável, contudo, que tal ressignificação esteja sendo produzida pela evolução natural do paradigma do objeto da sustentabilidade, ou seja, do processo ou sistema que se quer manter em certo nível de funcionamento, que é a sobrevivência humana:

1) Primeiro, o objeto da sustentabilidade era a sobrevivência individual: desenvolveram-se habilidades (viver em grupos, em árvores, em cavernas, usar peles de animais mortos, caçar etc.);

2) Depois, passou a ser a sobrevivência de um grupo: desenvolveram-se ferramentas, instrumentos e mais habilidades (viver em grupos para se defender, domesticar animais, cultivar, construir, combater etc);

3) Em seguida, passou a ser a sobrevivência de um povo: desenvolveram-se armas, navios, moedas e novas habilidades (viver em cidades, navegar, comercializar, guerrear, usar diplomacia etc.);

4) Mais adiante, o objeto passou a ser a sobrevivência de uma sociedade: desenvolveram-se as navegações, a produção industrial, o comércio internacional e mais habilidades (teorias e práticas de administração, economia etc.);

5) Agora, esse objeto parece caminhar para a sobrevivência de uma espécie: a espécie humana. A humanidade começa a perceber e a sentir que os recursos naturais são esgotáveis, não obstante sua abundância, mudando seu paradigma de percepção de quantidades (teorias e práticas de ecologia, meio ambiente, busca de práticas alternativas de consumo, de geração de energia, de produção, de economia etc.).

O conceito mais atual e sintético é o de que sustentabilidade é o equilíbrio entre eficiência econômica, preservação ecológica e equidade social.

Se por um lado a sustentabilidade tem passado, desde sempre, por várias fases, significações e ressignificações, conforme seu objeto, algumas ações orientadas à sustentabilidade, por outro lado, tem sido mais constantes.

Da perspectiva de sobrevivência humana, a ação mais constante (por presente em todas as épocas ou fases), eficiente (por capaz de gerar transformações) e sustentável (por capaz de manter a si mesma e ao objeto a que se destina) é a educação.

A educação consiste fundamentalmente em transmitir conhecimentos e habilidades para as gerações futuras e complementarmente em gerar e/ou transformar conhecimentos e habilidades de forma a tentar perpetuar essa transmissão, ainda que para isso tenha que perpetuar a existência de gerações futuras. Seu objetivo é sustentar e manter os mais diversos aspectos da vida humana (econômicos, sociais, culturais, profissionais, ambientais).

Como disse, de forma muito apropriada, o escritor e crítico inglês Gilbert Keith Chesterton (29/05/1874 a 14/06/1936): “A educação é simplesmente a alma de uma sociedade, a passar de uma geração para a outra”. E é essa passagem de conhecimentos e habilidades, que o escritor chamou de “alma da sociedade”, que torna sustentável a sobrevivência da mesma, ou seja, que perpetua essa sobrevivência.

Não há ação humana mais antiga e sustentável que a transmissão, produção e transformação do conhecimento e das habilidades humanas (educação) com o objetivo de manter, conservar, perpetuar a sobrevivência humana!

Se queremos um mundo mais sustentável, por necessidade, temos que investir em educação, por prioridade!

Porque ao contrário do que diga um “comum”, ainda que no exercício do “nobre” cargo de ministro da Fazenda de um país sempre mantido à conta de “país do futuro”, investir maior percentual do Produto Interno Bruto em educação não leva país algum a “quebrar”, pois como disse certa vez um “comum” que se fez “nobre”, por Nobel em Economia, Sir William Arthur Lewis: “Educação nunca foi despesa. Sempre foi investimento com retorno garantido”.[2]

Leia mais sobre sustentabilidade e educação:

Fazer melhor e pior ao mesmo tempo!

Sustentabilidade (Wikipedia)

Sustentabilidade (conceito, ações, benefícios)

* Amilcar Faria, bacharel em Ciência da Computação (UFMG) e pós-graduado em Informática e Educação e em Administração de Sistemas de Informação, é servidor público federal e diretor de Programas de Controle Social do Instituto de Fiscalização e Controle (IFC), entidade que ele representa no Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE).


[1] Gilbert Keith Chesterton foi um escritor, poeta, narrador, ensaísta, jornalista, historiador, biógrafo, teólogo, filósofo, desenhista e conferencista britânico.

[2] Sir William Arthur Lewis foi um economista britânico. Foi laureado com o Prémio de Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel de 1979, tornando-se o primeiro negro a ganhar um Prêmio Nobel em uma categoria diferente da paz.

Também de Amilcar Faria: As coincidências de um procurador-geral

Outros artigos da seção Fórum

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!