Seres humanos na crise do capitalismo

Emanuel Medeiros Vieira *

André Gide escreveu: “Todas as coisas já estão ditas, mas como ninguém escuta, é preciso recomeçar sempre.”

E o ofício de escrever é um eterno recomeçar: lutar com palavras mal rompe a manhã, para usar a expressão de Drummond.

Creio que travamos, através da linguagem, o que T.S. Eliot chamou de “combate intolerável com as palavras” que “se estiram, racham, escorregam, perecem.”

Mas a batalha da vida não é formal. O que percebemos é a banalização do mal e não do bem. A mercantilização das relações, a hegemonia do ter e do parecer, o estímulo à futilidade e ao egoísmo, geraram um ilhamento entre as pessoas, onde muitos seres parecem apenas fingir e camuflar os seus sentimentos.

O modelo vigente acreditava que éramos meros números.

Minha geração não viu crise maior do capitalismo.

Crise ou colapso? O “Muro de Berlim” dos neoliberais?

Onde estão aqueles que exigiam Estado mínimo e nos chamavam de dinossauros?

Eles tinham verdades consagradas.  Diziam que o capitalismo havia vencido.

Como disse Cesar Benjamin num artigo intitulado “Karl Marx manda lembranças”, os “Estados tentarão salvar o capitalismo da ação predatória dos capitalistas”.

O que se vê não é erro nem acidente. O projeto todo estava centrado na acumulação do capital.

Tantos anos de falso consenso resultaram neste quadro dantesco.

Resultado?

Desigualdade social obscena.

E assim por diante.

O concílios acabaram com o limbo e com o purgatório. Com o inferno não...

Formou-se uma geração de políticos espertos, inebriados pelos marketing,  não pela verdade.

E a degradação ética, internalizada em muitas almas, parece não ter fim.

Só unidos, poderemos recuperar o núcleo do humano.

(Não digo nada de novo. Eu sei. Mas nossa força é essa: nossa união, forjada em tantas lutas.)

Como observou Boris Pasternak, “viver a vida até o fim não é tarefas para crianças.”

 

Poeta, romancista e contista, nasceu em Florianópolis (SC) em 1945. Participa de diversas antologias de contos. Estreou com A Expiação de Jeruza, em 1972. Tem vários romances e contos editados, como Os hippies envelhecidos.

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!