Sempre ela: a classe média

Em época de revisão da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), um estudo do Banco Mundial de 2012 continua revelador: a classe média latino-americana cresceu 50% entre os anos de 2003 e 2009. E o Brasil foi responsável por cerca de 40% desse crescimento.

“O mundo quer entender como isso aconteceu na região, e como esse fenômeno se sucedeu no Brasil, onde as mudanças foram maiores”, afirmou a diretora do Banco Mundial no Brasil, Deborah Wetzel, no lançamento do relatório “Mobilidade Econômica e Ascensão da Classe Média Latino-Americana”.

De acordo com a executiva, a fórmula de sucesso é combinar programas sociais com estabilidade econômica. E deu no que deu. O Banco Mundial considerou classe média o indivíduo que tem renda entre US$10 a US$50 por dia (US$ 14,6 mil e US$ 73 mil por ano).

Afirma o estudo que a renda mais elevada - e por consequência uma menor desigualdade - contribuíram para a redução da pobreza e expansão da classe média na região. As receitas fiscais da região, tirando Brasil e Argentina, são “relativamente baixas”.

Ou seja: a América Latina não consegue arrecadar muitos tributos da população. As honrosas exceções, repito, são Argentina e Brasil.

Os “médios” latino-americanos continuam naquele dilema de sempre: pagar aquele tanto de impostos e correr aos serviços privados de saúde e educação. Quando o assunto é previdência social, o jogo se inverte. Para o Banco Mundial, nosso contrato social - “combinação de medidas implícitas e explícitas que determinam o que cada grupo aporta e recebe o Estado” - é “fragmentado”. Eu diria que nosso contrato social, assim como a existência humana, é kafkaniano.

Ao fim, a instituição internacional frisa que o “ambiente externo positivo” da maior parte da década de 2000 permitiu essa subida de tanta gente para a classe média. O desafio dos líderes latino-americanos nesta década é que “a região não pode contar com a permanência de um ambiente externo tão favorável quanto no passado recente”.

Em suma: os esforços políticos dos próximos anos serão muito maiores para que a economia cresça menos do que na década passada. Mais trabalho e menos resultados. Não tem jeito. E, seja quem for o próximo comandante desta nossa nau que flutua sobre suores e lágrimas, resultados semelhantes aos da década estão fora de cogitação. Melhor esquecer.

Mais sobre economia brasileira

Mais sobre eleições

Assine a Revista Congresso em Foco

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!