Por que cidadãos e policiais se veem cada vez mais como inimigos

O sorriso no rosto do agressor confirma que essa guerra não é contra o “bandido” e sim contra o povo pobre e preto da favela. O criminoso de farda entrou na comunidade naquele dia para matar, desejava eliminar qualquer possibilidade de cultura, dignidade e direito de ir e vir (veja o vídeo mais abaixo).

As denúncias de tortura e prisões arbitrarias só aumentam, assim os policiais e cidadãos se veem cada vez mais como inimigos incapazes de uma reconciliação e sob esse clima convivem com a insegurança e a falta de confiança.

Vídeo que mostra violência policial contra jovens em Paraisópolis, em São Paulo, causou indignação em todo o país:

A violência política que enfrentamos, liderada por Bolsonaro, dá margem ao nascimento do "esquadrão da morte", morre a população pobre assim como morrem os policiais. A repressão violenta tornou-se natural, e a "caça as bruxas" escolheu a periferia, violentando quem ouse passar pela frente, homens, mulheres, crianças e pessoas com deficiência.

Nós financiamos a morte de nove jovens paulistanos que foram assassinados pelo Estado. E o Estado não veio para melhorar a vida da comunidade, nem para promover cultura e tampouco construir escolas, ele chegou com ódio no peito e não tem nenhuma empatia por seus semelhantes.

Atuações como essas promovem uma barbárie incalculável, além da dor das famílias que perdem os seus filhos, mães, pais, tios e avós faz com que a gente não confie em uma polícia nada cidadã que não tem o compromisso de promover a paz e a segurança da sociedade.

Que a segurança pública no Brasil é um problema, todos nós sabemos, o fato é que repressões banalizadas nos tornam uma sociedade enclausurada e isso é uma realidade assustadora. O massacre foi capaz de impactar a decisão dos congressistas, que disseram não para o pacote de Moro, que tinha o papel de fortalecer a impunidade e dar licença para matar.

Massacres como esses maculam uma instituição também cheia de homens e mulheres apaixonadas e dedicadas ao seu trabalho que entram na corporação na esperança de ter um país melhor.

Por isso, naturalizar essa violência em uma instituição como a polícia coloca em xeque não só a nossa confiança, como destrói o sonho daqueles que de coração querem melhorar o lugar que vivemos!

> Para MPF, projeto de GLO de Bolsonaro é inconstitucional e vai além de atos de ditaduras

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!