Por que a prisão em segunda instância deve ser aprovada

Depois de presidir a Comissão da Reforma da Previdência, pauta mais importante do ano, mais uma vez recebo a confiança dos meus colegas deputados e deputadas, agora para presidir a Comissão da Segunda Instância (PEC 199).

>CCJ do Senado dá um “passa moleque” no STF

A pauta da prisão em segunda instância divide opiniões e provoca acaloradas discussões.

Já a PEC 199 é muito mais que uma medida para prisão em segunda instância, é uma verdadeira Reforma do Poder Judiciário, oferecendo mais celeridade para todos os processos judiciais criminais, mas também cíveis, trabalhistas e tributários.

Ao transferir o momento do trânsito em julgado para a segunda instância,  vamos aproximar o fato da execução da sentença. Ou seja, a distância temporal entre um crime e a prisão, entre a negativa de um direito trabalhista e o pagamento desse direito, entre a cobrança indevida de um imposto e a devolução será muito menor.

A morosidade dos processos no Brasil fragiliza as instituições e gera descrédito, estimulando os discursos de vingança. Entregar ao país uma Justiça mais rápida é resgatar a confiança e reascender a chama da Constituição e das leis.

Como amazonense, sinto-me honrado por ser merecedor da confiança do Brasil para conduzir os trabalhos da comissão de um tema tão relevante pra vida do país e reafirmo meu compromisso com o povo brasileiro de trabalhar de forma democrática, transparente e célere.

É preciso dizer que uma mudança tão profunda no sistema jurídico brasileiros exige prudência, diálogo e muito equilibro na condução dos trabalhos, o que faremos ouvindo especialistas, representantes do Poder Judiciário, advogados e, é claro, ouvindo o povo.

Tiraremos o debate da segunda instância do campo da demagogia e a trataremos com a responsabilidade de quem acredita numa solução estruturante para um Judiciário mais rápido e efetivo.

> Mais textos da coluna do Marcelo Ramos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!