Os Graminhas

Morar na SQS 308, na década de 1960, em Brasília, era algo próximo a viver no paraíso das crianças. A quadra era linda, arborizada, com inúmeras áreas de lazer para nós. Eram muitas as brincadeiras de criança, mas, sobre todas elas, reinava absoluto o futebol. Tínhamos um campo de terra entre a Escola Classe e o Bloco 5 (atual Bloco I). Podíamos também jogar na quadra cimentada da Escola Parque, ao lado do Bloco 7 (atual Bloco C), onde minha família morava.

Bastava pular uma cerca que normalmente não era vigiada. Mas, bom mesmo, era jogar nos diversos gramados entre os blocos – e aí entravam em cena os mais terríveis seres que eu conhecia aos 5, 6 anos de idade: os Graminhas.

Eles chegavam aos montes, dentro de Kombis, para nos impedir de jogar bola na grama – era proibido. Com uniformes policiais, verdes e beges, saíam correndo atrás das crianças para confiscar as bolas. Grande parte saía em disparada – eu, inclusive -, mas alguns faziam os Graminhas de bobinhos, e a coisa não dava lá muito certo. Volta e meia um deles perdia a paciência. Se não me engano, usavam cassetetes!

Eles eram agentes do poder público, dos quais se pode dizer que simbolizavam dois aspectos muito interessantes daquele tempo: o primeiro, a repressão do regime, o império da ordem na ótica militar. Em segundo lugar, a vida comunitária de uma cidade organizada e bem cuidada, que acabara de surgir.

Brasília era cidade modelo, com belas áreas verdes, trânsito organizado, serviços públicos de qualidade. E, para quem tinha muito, não sobrava; para quem tinha pouco, não faltava.

Os Graminhas me davam pesadelo, pois eu era muito pequeno e um tanto medroso. Para aqueles que eram um pouco mais velhos e debochados, aquela repressão se transformava em diversão. Para uns e outros, com certeza, aquelas são lembranças boas de uma cidade que não sabemos onde foi parar.

Depois de publicar esse texto pela primeira vez – um pouco diferente, e se encerrando no parágrafo anterior – os comentários saudosos, melancólicos e desesperançados fizeram-me ter um sonho.

Reuniram-se na Esplanada dos Ministérios todos os Graminhas e todas as crianças. Fez-se um exército enorme. As crianças, ajudadas pelos Graminhas, vestiram-se com aqueles uniformes beges e verdes – sem os cassetetes. As Kombis foram chegando às centenas e todos entramos nelas, juntos. Partimos em direção ao Palácio do Buriti e à Câmara Legislativa.

Ao chegarmos lá, colocamos para fora aqueles que hoje destroem os nossos gramados. Juntos, Graminhas e crianças, restabelecemos a beleza, a segurança, e a organização de Brasília. E, porque não deixamos mais que o dinheiro público fosse desviado para alguns poucos, estes pararam de enriquecer ainda mais, enquanto os mais pobres voltaram a ter acesso à saúde e educação de qualidade.

Vamos nos unir, Graminhas e sempre crianças da capital da esperança! Coloquemos para fora, no mês de outubro, os usurpadores de nossos gramados. Vamos nos unir, Graminhas e crianças, crianças de ontem e de hoje, da capital da esperança! Coloquemos para fora, no mês de outubro, os usurpadores de nossos gramados.

Mais sobre Brasília

Outros textos sobre eleições 2014

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!