O pecado mortal – a inviolabilidade do lar e a pobreza como pior dos crimes

A propósito dos limites de tais decisões, insuperável a advertência norte-americana: "Não podem ser utilizadas como uma licença para buscar qualquer coisa e todas as coisas".

Pois bem: dia desses li, em um jornal do Nordeste brasileiro, levantamento sobre operações policiais realizadas em alguns bairros pobres daquela região, nos não tão distantes idos de 2014: "Na primeira operação, com 488 policiais, foram revistadas 233 casas, resultando quatro prisões. Seguiram-se outras duas operações, em que 320 casas foram inspecionadas, com a apreensão de uma submetralhadora de fabricação artesanal (?) e a descoberta de uma rinha de galos".

Fico a imaginar os termos de uma notícia narrando operação similar, porém em regiões nobres. Seria algo assim: "502 policiais cercaram um elegante bairro, buscando combater os crimes de tráfico de drogas, sonegação e corrupção. Após inspecionarem 203 mansões e 314 apartamentos, situados em condomínios de luxo, apreenderam pastilhas de ‘ecstasy’, cocaína, dólares norte-americanos sem origem comprovada e veículos de luxo incompatíveis com a renda declarada de seus proprietários".

E é quando, uns 250 anos depois das sábias palavras de Lord Chatham, nunca tão próprias outras, não menos graves, de Bernard Shaw: "O maior dos males e o pior dos crimes é a pobreza".

 

<< A nossa derrota – a inépcia do Estado escondida sob a “cultura de segurança”

<< O raio e o mofo – transparência contra as mazelas do cotidiano

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!