O medo tem cheiro!

Vivemos tempos estranhos. Valores civilizatórios são a cada dia substituídos pela barbárie. A tortura vence os direitos humanos. A ódio da guerra vence a harmonia da paz. O desmatamento irracional vence a proteção do meio ambiente. A agressão as minorias vence a igualdade. A censura vence a liberdade de expressão. O medo vence a esperança.

> Jingle do Aliança pelo Brasil defende a “direita de verdade”. Escute

Quando a política se afastou dos valores civilizatórios que unem a sociedade, quando a pauta deixou de ser o direito ao trabalho, o direito a comer, o direito a vida, a liberdade, abrimos espaços para pensamentos obscuros e descompromissados com a Democracia.

Daí pra um Secretário de Cultura se achar impune o suficiente para fazer um vídeo parafraseando Joseph Goebbels, ideólogo do nazismo, foi um pulo. De repente, sem que percebêssemos o momento da ruptura, passou ser normal no Brasil desses tempos estranhos defender a morte, a tortura, a censura, a opressão as minorias, agredir jornalistas.

Mais grave é a omissão e a covardia dos que calam a sua indignação. Sobre isso resgato um discurso do saudoso Ulisses Guimarães, quando disse:

“Há momento em que o homem público tem que decidir, mesmo com o risco da sua vida, liberdade, impopularidade ou exílio. Sem coragem, não o fará. (...) O medo tem cheiro! Os cavalos e cachorros sentem-no, por isso derrubam ou mordem os medrosos. Mesmo longe, chega ao povo o cheiro corajoso dos seus líderes. A liderança é um risco, quem não assume, não merece esse nome”.
Eu escolhi lutar e resistir a esses tempos sombrios! Não quero ter cheiro de frouxidão!

>Outros textos do colunista Marcelo Ramos

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!