O mapa do impeachment

Em meio aos preparativos para as novas manifestações nas ruas do país, marcadas para o domingo, 13 de março, a reportagem-bomba da revista IstoÉ sobre a delação premiada do senador Delcídio do Amaral e a condução coercitiva do ex-presidente Lula prometem aumentar o grau de adesão da sociedade à turma dos indignados com o baixo nível de nossa representação política. O "fundo do poço", como se referiu o senador Aécio Neves.

A se confirmarem as acusações de Delcídio, não só o partido no poder leva a sua "bala de prata", mas também toda a sua base aliada e até membros da oposição. Daí ter ficado ainda mais importante a participação dos cidadãos nesse grande recado cívico aos políticos e governantes do momento. Para além das decisões da Justiça – TRF PR, SP e MG, TSE, STJ, STF e mais outras sopas de letrinhas judiciárias –, é preciso manter a pressão sobre os parlamentares que serão, em última instância, quem decidirão em plenário a saída ou permanência da presidente.

Os movimentos articulados pelas redes sociais já perceberam isso, e um dos mais atuantes, o Vem Pra Rua, resolveu "dar uma mãozinha" aos cidadãos mais conscientes e atuantes que querem saber o que seus políticos pensam sobre a questão. Já está no ar a página Mapa do Impeachment, com a lista de deputados e senadores contra, a favor ou ainda indecisos sobre o impedimento de Dilma. O destaque fica por contra do Senado, onde há um empate. Segundo o Mapa, 26 senadores se declararam contra, o mesmo número do que estão a favor. Os indecisos é que podem resolver o impasse: são 29.

O objetivo do Vem Pra Rua, com o seu Mapa do Impeachment, não podia ser mais claro: "Vamos cobrar os indecisos, denunciar os que são contrários e apoiar os que são a favor do impeachment!".

O movimento Vem Pra Rua tornou-se um dos porta-vozes de uma geração conectada e que exige novos ares vindos da política. Já são mais de 800 mil seguidores que recebem suas mensagem a cada momento, o que torna ainda mais relevante uma lista que seus organizadores divulgaram duas semanas atrás. Com o título "Aconteceu porque você foi pra rua", a mensagem lista 13 eventos que só se concretizaram porque a cidadania atuante se manifestou e pressionou políticos e governantes.

Eis alguns dos mais relevantes:

- Início do processo de impeachment de Dilma Roussef;

- Deflagração da operação Zelotes, que envolve Lula diretamente ;

- Prisão de um senador da República (o próprio Delcídio do Amaral);

- Prisão de grandes empresários envolvidos nos esquemas de corrupção do governo;

- Negação do habeas-corpus de Marcelo Odebrecht pelo STJ;

- Políticos evitando vida social com medo de constrangimento público;

- Reprovação por 9x0 das contas de Dilma pelo TCU;

- Vereadores e prefeitos reduzindo seus salários;

­ - População identificando a corrupção como o maior problema do país.

O caminho para uma grande mudança na cultura de cidadania política no país já começou a ser trilhado e acreditamos que este é um processo irreversível.

Organizações da sociedade dedicadas ao controle social como Amarribo Brasil, Voto Consciente, Contas Abertas, Instituto de Fiscalização e Controle, Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral, Instituto de Estudos Socioeconômicos, Observatório Social do Brasil, Instituto Avante Brasil,  e tantas outras, agora têm o apoio incrivelmente mobilizador de grupos como o Vem Pra Rua, o Brasil Livre, o NasRuas e mais de 40 outros, que agora se articulam numa grande rede chamada Aliança Nacional do Movimentos Democráticos.

Como bem observa o engenheiro naval Luís de Mattos, em depoimento aqui para o nosso programa Agentes de Cidadania, "antes de reclamar de seu próprio país, é fundamental que os jovens façam a diferença, saiam às ruas, se manifestem, participem e se posicionem frente às grandes questões nacionais, como cidadãos atuantes".

 

Não temos dúvida de que, depois de tudo isso, sairemos um país melhor, mais consciente e participativo nos debates públicos. Conheçam o Mapa do Impeachment, do Vem Pra Rua, pressionem seus políticos e vamos todos às ruas no dia 13/03!

Mais sobre o Brasil nas ruas

Mais sobre impeachment

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!