O biorregionalismo como alternativa ecológica

O modelo ainda dominante nas discussões ecológicas privilegia em escala o Estado e o mundo; em economia a exploração da natureza, o crescimento/desenvolvimento ilimitado em nível mundial e a competição; em política prevalece a centralização, a hierarquização, o controle e o governo da maioria; na cultura o quantitativo sobre o qualitativo, a uniformização dos costumes, o consumismo e o individualismo e o pensamento tecnocrático.

Esse paradigma subjaz, em grande parte, à atual crise da Terra, pois considera esta como um todo uniforme sem valorizar a singularidade de seus muitos ecossistemas e a diversidade das culturas. Por isso, gera desequilíbrios no sistema da vida e na dinâmica natural da Terra viva. Era a crítica que Chico Mendes fazia ao abordar o desenvolvimento da Amazônia: o de querer uniformemente aplicar nela as mesmas tecnologias e métodos como nas demais regiões da Terra. Tal procedimento implicaria a devastação da Amazônia, como de fato está ocorrendo. Daí sua sugestão do extrativismo como adequado àquele ecossistema: extrai o que se precisa até para o comércio, mas preservando a riqueza daquela floresta, fundamental para os climas e para o equilíbrio geral do planeta.

Hoje está se impondo uma outra vertente  mais amiga da natureza e com possibilidades de nos tirar da crise atual: o biorregionalismo. A biorregião se circunscreve numa área, normalmente, definida pelos rios e pelo maciço de montanhas. Possui certo tipo de vegetação, geografia do terreno, de fauna e da flora e mostra uma cultura local própria com seus hábitos, tradições, valores, religião e história feita no local.

Em termos de escala se centra na região e na comunidade; em economia, na conservação, adaptação, autossuficiência e cooperação; em política, na descentralização, na subsidiariedade, na participação e na busca do consenso; na cultura favorece a simbiose, a diversidade e o crescimento qualitativo e inclusivo.

O biorregionalismo não é novo, pois se inspira nos modos de vida milenares, anteriores ao surgimento dos impérios com sua burocracia, hierarquia e exércitos, base dos Estados modernos.

A tarefa básica do biorregionalismo é fazer os habitantes entenderem e valorizarem o lugar onde vivem. Importa fazê-los conhecer o tipo de solos, de florestas, de animais, as fontes de água, o rumo dos ventos, os climas e microclimas, os ciclos das estações, o que a natureza nos pode oferecer em termos de paisagens, alimentação e bens e serviços para nós e para toda a comunidade de vida. Faz-se mister inserir as pessoas na cultura local, nas estruturas sociais, urbanas e rurais, no aprendizado das figuras exemplares da história local. Finalmente, sentir-se filho e filha da Terra.

É na biorregião que a sustentabilidade se faz real, e não retórica, a serviço do marketing; pode se transformar num processo dinâmico que aproveita racionalmente as capacidades oferecidas pelo ecossistema local, criando mais igualdade, diminuindo em níveis razoáveis a pobreza, facilitando a participação das comunidades no estabelecimento dos projetos e das prioridades.

Mesmo sendo a comunidade local a unidade básica, isso não invalida as unidades sistêmicas maiores (inter-regionais, nacionais e internacionais) que afetam a todos (por exemplo, o aquecimento global). A ideia do “glocal” – vale dizer, pensar e agir local e globalmente – nos ajuda a articular as duas dimensões. Sempre é necessário informar-se sobre as experiências de outras regiões e como está o estado geral do planeta Terra.

O biorregionalismo possibilita que as mercadorias circulem no local, evitando as grandes distâncias; favorece o surgimento de cooperativas comunitárias; persiste a economia de mercado, mas composta primariamente, embora não exclusivamente, de empresas familiares, iniciativas cujos proprietários são os próprios trabalhadores, e uma cooperação aberta entre bairros e municípios, como ocorre entre vários municípios do vale do Rio Itajai, em Santa Catarina, e em outras regiões.

O biorregionalismo permite deixar para trás o objetivo de “viver melhor” (ética da acumulação ilimitada) para dar lugar ao “bem viver e conviver” (ética da suficiência) dos andinos, que implica sempre o bem-estar para toda a comunidade e entrar em harmonia com a Mãe Terra, com os solos, as águas e os demais elementos que garantem nossa vida junto com os demais seres vivos do ecossistema.

Esse é um caminho  que está sendo trilhado em muitos lugares no mundo. Ele configura uma semente de esperança no meio da falta de alternativas dos dias atuais.

Mais sobre meio ambiente

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!