Nossos empresários começam a investir mais e mais no exterior

Dia desses, contemplando o nosso país, fiquei a recordar uma propaganda que fez parte da infância de minha geração. Aparecia na tela uma criança, às mãos um apetitoso pacote de biscoitos, a perguntar se os produtos da marca Tostines vendiam muito porque estavam sempre fresquinhos ou se estavam sempre fresquinhos porque vendiam muito.

Olho pela janela e vejo categorias as mais diversas negligenciando seus deveres porque não estariam sendo valorizadas. A população, em uma reação natural, passa a valorizá-las cada vez menos, desanimando-as mais e mais em um círculo vicioso pavoroso e sem fim à vista.

Vejo nosso país desestimulando - e eis algo histórico - os empreendimentos nacionais. Nossos empresários começam a investir mais e mais no exterior. Ou a não investirem em lugar nenhum. Nossa economia piora e os incentivos à produção vão ficando cada vez mais escassos, reiniciando outro círculo vicioso de mediocridade e recessão.

Nossos consumidores, a cada dia mais desalentados com a qualidade e o preço do que lhes é oferecido, passam a comprar menos produtos de empresas que vão, então, cortando em diversidade e qualidade - e realimentando um sério círculo vicioso de decadência.

Penso no sucateamento de nossa infraestrutura – e nos entraves que cria à geração de riquezas. Menos recursos, menos investimentos – e novamente menos recursos. E assim seguimos em frente, porém nunca para a frente. Eis aí outro círculo vicioso medonho, igualmente sem grandes perspectivas de melhora.

Lanço um olhar sobre a impunidade. Vejo nossas instituições em franco recuo na luta contra o mal - que, então, aumenta em intensidade, impondo derrotas ainda mais humilhantes a um povo cuja descrença só faz crescer. O que pequena ainda mais nosso quadro institucional - e reinicia um círculo vicioso deplorável ainda sem data marcada para terminar.

Retorno à propaganda de biscoitos. Fico a pensar se não estamos realizando o seu oposto: vendem pouco porque não estão fresquinhos e nunca estão fresquinhos porque vendem pouco. Até que não se venda nenhum – ou que a fábrica feche suas portas.

Quebrar esses círculos viciosos é um dos grandes desafios do Brasil de hoje. Alguém tem que dar um passo – um passo de fé. Afinal, como dizia Câmara Cascudo, “o Brasil não tem problemas, só soluções adiadas”.

Veja outros artigos do mesmo autor 

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!