Ninguém tem razão!

Policiais, mesmo após várias concessões do Governo Estado, insistem em um motim, invadem quartéis, tomam viaturas e saem encapuzados espalhando o terror e determinando que os comerciantes fechem seus estabelecimentos. Um Senador da República vai pra frente do motim, enfrenta os amotinados aos gritos e, não satisfeito, pega uma retroescavadeira e parte pra cima da manifestação, colocando em risco a integridade física e a vida das pessoas. Do meio da manifestação, homens encapuzados, provavelmente policiais, atiram contra o Senador e contra pessoas que o acompanhavam. Ninguém tem razão!

> “Não há uma situação de absoluta desordem nas ruas”, diz Moro, no Ceará

Policial não pode entrar em motim e muito menos invadir quartel e tomar viatura. Ao senador, não cabe o papel da Justiça e da própria polícia de desfazer o motim. Policial não pode aproveitar que está mascarado para atirar contra as pessoas.

Os fatos não podem ser encarados com naturalidade. São a expressão do tempo sombrio que vivemos, quando aos protestos já não se impõem os limites democráticos, a função de uma autoridade política, a liturgia e a responsabilidade do cargo.

A política dentro dos quartéis produziu muita lideranças que hoje contribuem com a política, mas é preciso um regramento que reponha as regras de disciplina e hierarquia na corporação, regras essas relativizadas hoje pela extrema politização dos quartéis.

Da mesma forma, precisamos de políticos conscientes das suas responsabilidade e agindo para construir o diálogo e não para estimular o conflito.

O lado que quero tomar nesse debate é o lado da sensatez. O lado do diálogo como único mecanismo pra solução dos conflitos. O lado de quem não vê a hora do Brasil superar esses tempos estranhos.

> Aumento de salário de PMs faz relator endurecer regra para ajuda a estados

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!