Estamos mudando o site. Participe enviando seus comentários por aqui.

Mesquinhez e crueldade – quando magistrados usam “microfones” como armas na internet

 

A postura contemporânea de alguns juíze(a)s e de​s​embargadore(a)s me traz ​à​ memória a frase do Barão de Itararé. Disse o Barão que “​d​e onde menos se espera é que não sai nada mesmo”.

Depois de ler a publicação do Dr. Afonso Henrique Botelho e de ler a respeito dele em outras publicações, parece-me que a frase caiu como luva. Nada, além disso, se podia esperar.

Não só esse, há muitos outros fatos que demonstram comportamento irresponsável de alguns juíza(e)s e desembargador(a)es, como é o caso da desembargadora Marilia Castro Neves​ (​TJ-RJ​)​, que comemorou o assassinato da vereadora Marielle Franco​ (PSOL​-RJ).

O abuso de autoridade de alguns juízes e juízas e desembargador(e)as chegam a afrontar os direitos fundamentais de qualquer ser humano, como​,​ por exemplo, negar o direito ao atendimento médico. A juíza Carolina Lebbos negou este direito a Lula. A atitude da Drª Lebbos é, além de mesquinha e cruel, um crime contra a humanidade.

A ​j​uíza nega o atendimento médico a Lula sob a alegação ​de ​que “não há indicação de urgência”. Urgência é a “situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras” (Houaiss).

Drª Lebbos, o atendimento médico solicitado a Lula é para o controle de enfermidades (câncer, pressão alta e diabetes)​,​ justamente para evitar a necessidade de um atendimento de urgência. Ao negá-lo​,​ a senhora pode estar contribuindo para o agravamento de uma enfermidade e​,​ consequentemente​,​ pode​ levar a pessoa que necessita do atendimento​ a óbito. Com esta postura​,​ a​ senhora pode estar matando uma pessoa.

Estas posturas citadas acima e posturas semelhantes de outros magistrad(o)as é que levou ao desmerecimento e desrespeito ao poder Judiciário, que chegou ao cúmulo de a prisão de Lula ser festejada com atos violentos de machismo e agressividade dentro de um puteiro, cujas paredes eram enfeitadas com fotos de Sérgio Moro e Cármen Lúcia.

 

Do mesmo autor:

<< A mão pesada do fascismo

<< ​​Prisioneiros de si e de seu próprio ódio

Continuar lendo