Lula, o grande derrotado

No momento em que escrevo, 94,3% das urnas de todo o país já foram apuradas,  delas emergindo o maior derrotado até agora: o presidente da República, que, durante a campanha - e  campanha para ele é permanente, confundindo-se com o exercício de suas atribuições constitucionais -, ultrapassou todos os limites do bom senso e da decência para fazer desta eleição um plebiscito arrasador entre as eras Lula e FHC.

Ele não contava com o espetacular desempenho de Marina Silva, do PV, cuja votação provou ser o dobro do que previam os institutos de pesquisa e empurrou o pleito para o segundo turno entre Dilma e Serra.

O velho adágio de que o segundo turno é uma nova eleição não se aplica à sua ainda curta história nas corridas presidenciais brasileiras. Collor em 89, Lula em 2002 e novamente Lula em 2006, vencedores no primeiro turno, tiveram sua preferência popular confirmada no segundo.

Agora, novamente, caberá ao segundo colocado a tarefa mais difícil de atrair a maior parte dos eleitores da candidata do PV, que ficou em terceiro. Afinal, nos estados onde  conquistou um inesperado segundo lugar, como Bahia e Pernambuco, Marina avançou sobre os votos destinados a Dilma, e não a Serra. Teoricamente, pelo menos,  será mais fácil para a  petista 'reconquistá-los' do que para Serra, que jamais frequentou as cogitações daqueles eleitores.

Mesmo assim, vale adiantar que  a inevitável bipolarização do segundo turno, com uma enormidade de tempo na TV igualmente dividida entre ambos, na base do cara-a-cara, assumirá o feitio de um teste de personalidades e, sobretudo, de temperamentos. Os estrategistas da campanha tucana tudo farão para trazer para fora a verdadeira Dilma, que na imagística oposicionista afigura-se uma personagem grosseira, mandona, desagradável. Até agora, seus marqueteiros tiveram muito sucesso em blindá-la a salvo desses demônios interiores, com a ajuda, é bem verdade, do formato insôsso dos debates televisivos. Será que tanta beatitude vai resistir ao mano a mano que tomará conta do 'horário político'  até o fim deste mês de outubro?

Já quando se trata do padrinho da candidatura Dilma, nem é preciso apelar para sofisticados estrategemas de marketing a fim de provocar sua ira. Este analista se arriscaria até mesmo a conjecturar que, ao lado do escândalo Erenice, as explosões de Lula em palanque  foram outro fator a abalar o até então franco favoritismo de sua pupila na reta final rumo a uma lavada em primeiro turno.

Uma última observação sobre o plebiscito que, afinal, não se materializou. Quase tão surpreendente quanto a conquista da primeira vaga paulista no Senado por Aloysio Nunes Ferreira foi o amplo emprego da imagem e das declarações de Fernando Henrique na sua campanha. O que sugere que nem mesmo todo o tempo, toda a energia e todo o dinheiro público gastos por Lula para desconstruir o legado do seu antecessor nos últimos oito  anos foi suficiente para empanar o papel ainda desempenhado por este como referência maior da oposição brasileira.

Irá a campanha de Serra, no segundo turno, finalmente resgatar e assumir a herança (bendita?) de FHC?

Leia ainda:

Tudo sobre os resultados das eleições de 3 de outubro

A votação dos candidatos a presidente no primeiro turno, estado por estado

Continuar lendo