LDO 2013: Euforia e bom comportamento para quem?

Na tarde de terça-feira, 17 de julho, o projeto de lei para as diretrizes orçamentárias, LDO, de 2013, foi aprovado no plenário do Congresso Nacional. As bancadas do PT, do PMDB e outras da base governista registraram, com visível euforia, os números da macroeconomia, a queda da taxa de juros, a redução da dívida pública como proporção do PIB e a manutenção dos investimentos do PAC (R$ 45,2 bilhões) fora da economia de gastos públicos destinados ao pagamento de juros da dívida pública.

A LDO de 2013 reafirma, como em 2012, que a elaboração e a execução do orçamento do ano que vem deverão observar, em primeiro lugar, a meta do superávit primário refletindo a submissão de todas as necessidades sociais, econômicas e de infraestrutura do país aos interesses do mercado financeiro, bancos nacionais e estrangeiros, fundos de pensão e investimentos, não residentes, em cujas mãos estão quase 100% dos títulos do tesouro nacional.

Nesse debate apontamos três problemas crônicos que se arrastam, pelo menos, desde a adoção do regime de metas de inflação, a partir de 1999. O primeiro é o próprio modelo de combate à inflação, que priva o país de uma análise mais ampla de suas causas. João Sicsu em Emprego, Juros e Câmbio (2006), ao analisá-lo, apontava outras experiências de combate à inflação dissonantes da elevação dos juros. Explicando-a como reflexo do descasamento entre a oferta e a demanda, desde então se preferiu a repressão à demanda, o que terminou por forjar, como apontou Andre Nassif (2010), a apreciação cambial, nos expondo ao aumento das importações e à queda da indústria de transformação no PIB. Maria de Lourdes Mollo, Profa. Dra. da UnB, depondo na CPI da Dívida Pública (2010), revelou-nos que os constantes juros altos provocaram a queda dos investimentos na formação bruta do capital fixo.Os  empresários escolheram ganhar com os maiores juros do planeta.

O segundo problema crônico que abordamos foi a irresponsável submissão do planejamento de longo prazo à manutenção intacta da estrutura que gera a dívida pública. O país não fez sua auditoria. As razões do progressivo endividamento em papéis do tesouro foram postas de lado. Juros elevados, redução dos investimentos e endividamento intocável mantiveram o país amarrado a um modelo totalmente dissociado dos objetivos da República Federativa descritos no artigo 3º. da Constituição Federal.

O terceiro problema crônico reside nas generosas desonerações tributárias, passando de R$ 23 bilhões em 2003 para R$ 86 bilhões em 2008, chegando a R$ 145 bilhões (3,5% do PIB) previstos na LDO de 2012, sem auditorias regulares nem avaliação de seu custo-benefício. As desonerações sobre os Impostos de Renda e sobre Produtos Industrializados e a Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social, atingem, respectivamente, os Fundos de Participação de Estados e Municípios (IR e IPI) e o financiamento da saúde, previdência e assistência social.

Contudo, um dia desses revelou-se que um conjunto de empresas dispunha em caixa, à espera de “melhores cenários para investirem”, de R$ 280 bilhões. Até quando vamos seguir nessa direção? Faltou-nos, após a reforma monetária de 1994 e a crise cambial de 1999, uma análise de nossas condições de investimento, produção e competição internacionais. Nossas empresas não investem em inovação. Os governos brasileiros, após a substituição de importações, com as crises da dívida externa e da hiperinflação, voltaram-se ao receituário neoliberal de privatizações, ajustes fiscais excessivos para reduzir a dívida pública, mas elevando juros para atrair investimentos.

Paralelo a esse paradoxo, a carga tributária aumentou, concentrada nas mãos do executivo federal. Manteve-se, com Lula e Dilma, porém, o desvio de receitas da superavitária seguridade social, através da DRU, nascida pelas mãos de FHC, em 1994, para pagamento daquela dívida, o que provocou o baixo financiamento da saúde e do Plano Nacional de Educação, PNE, aprovado em 2001, com apenas 33% de suas metas atingidas em 2010. Entre 1995 e 2005 os investimentos no setor, pelas três esferas de governo, ficaram entre 3,9% e 4,1% do PIB, enquanto a carga tributária pulava dos 24% para 34% do PIB e pagávamos ganhos astronômicos em juros aos proprietários dos papéis do tesouro nacional.

Por isso, a euforia e o bom comportamento expressos pelo PT e o PMDB pelo texto da LDO 2013 não representam motivo algum de soberania para nosso país na construção de seu futuro. A redução da taxa Selic é positiva, mas é insuficiente. A emissão de papéis do tesouro, sem limites, gera mais dívida pública, prejudicando, por isso, a capacidade de investimentos e as metas dos diversos planos nacionais setoriais. Lula e Dilma não revisaram nenhuma das benesses tributárias concedidas no período de FHC. O pagamento de juros sobre o capital próprio, a remessa de lucros e as grandes fortunas vivem num paraíso onde se plantado tudo dá, menos tributação. O mundo acelerou. O Brasil exportou mais bens primários e básicos a melhores preços. E só. Não soube transformar receitas fiscais e reservas cambiais em ativos emancipatórios. Embriagou-se com os saldos da balança comercial, foi servil à acumulação financeira, deixou educação, ciência e tecnologia a verem navios, preso às receitas monetaristas por quase uma década e meia. O mundo desacelera. Exportamos e crescemos menos. Continuamos sufocando nossos investimentos. Afirmamos, porém, que em 2013, continuaremos fazendo superávits gigantes, para os credores da dívida pública. Deitados eternamente em berço esplêndido. Até quando?

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!