Frivolidade e corrupção

Apesar de muitos discursos e pronunciamentos frívolos, tanto no Senado como na Câmara dos Deputados​, e de tantos parlamentares sendo investigados por corrupção​, em ambas as Casas, e ​apesar de os frívolos e os corruptos estarem no momento governando o Brasil,​ vou escrever sobre a demanda entre a Philip Morris e a República Oriental do Uruguai.

A Philip Morris Marca Sarl (Suíça), Philip Morris Products S​/​A (Suíça) e Abal Hermanos S/A (Uruguai) demandaram “judicialmente” contra ​o Uruguai. O “judicialmente” vai entre aspas porque a demanda foi feita ​em ​um “tribunal” privado.

A ​indústria tabagista demandou judicialmente o nosso vizinho em busca de reparações financeiras, sob​ a alegação de ter sofrido prejuízos com a aprovação de leis e outras normas uruguaias sobre a publicidade e o consumo de cigarros. Lei​s​ que fo​ram​ elogiada​s​ pela Organização Mundial da Saúde e por várias lideranças e instituições internacionais.

A ação “judicial” começou em fevereiro de 2010 e a sentença foi ​emitida no inicio deste mês de julho. Para entrar com a ação​,​ a Philip Morris usou como parâmetro um acordo de investimentos assinado entre o Uruguai e a Suíça. Alegava a violação ​de tal acordo.

Em 2004​,​ o Uruguai aprovou a ​​Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco. No ano seguinte, Tabaré Vázquez, médico, oncologista e naquele momento ocupando a Presidência da República Oriental do Uruguai, então ​em seu primeiro governo, inicia uma política de defesa da saúde pública e de combate ao tabagismo.

Tomou decisões legais e políticas tais como a obrigatoriedade de difundir fotos de advertência sobre os riscos do cigarro​. As imagens deveriam ocupar 80% dos maços de cigarro​. Também a​mentou os impostos​, proibiu a propaganda de cigarros nos meios de comunicação e também o patrocínio de eventos.

​Proibiu ainda fumar em locais públicos, bares, restaurantes, ou seja, só pode fumar em locais abertos ou na própria residência.

O Uruguai foi o primeiro país da América Latina a proibir fumar em locais fechados. Essa politica levou a Organização Mundial da Saúde, em 2006, a premiar Tabaré Vázquez por sua defesa a saúde pública e contra o tabagismo.

A Philip Morris alegava que as leis e normas do governo uruguaio afetava os interesses econômicos e comerciais da empresa​,​ causando-lhe prejuízos.

Ela demandou o Uruguai principalmente por duas razões: a obrigatoriedade de tirar do mercado ​sete​ de seus 12 produtos e a obrigação de que 80% da superfície do maço de cigarro fosse ocupad​a​ por mensagens de advertência ao risco ​à saúde​. P​edia ​um​a reparação no valor de 25 milhões de dólares.

A Philip Morris é uma das principais produtoras de tabaco no mundo​,​ e iniciou a demanda judicial junto ao Centro Internacional de Regras de Diferenças Relativas a Investimento Ciadi, do Banco Mundial. Este “tribunal” tem sede em Washington e tem como objetivo ​dar segurança jurídica aos investidores internacionais. Observo: aos investidores, e não aos Estados.

Durante uma das fases de instrução, em novembro de 2010, ocorreu a IV Conferência das Partes sobre o Acordo-Quatro da OMS​.​ Tabaré Vázquez​,​ nesta ocasião​,​ declarou que ​a ​Philip Morris está “interesada en darle un escarmiento a Uruguay e intimidar a otros países que sigan su rumbo. Philip Morris no ahorrará recursos para lograr su objetivo. Tiene mucho dinero y el dinero tiene mucho poder, el de la frivolidad y la corrupción”.

No dia 8 de julho passado o Ciadi decidiu em favor do Uruguai​,​ e obrigou a Philip Morris a pagar todos os gastos dos demandados do tribunal. Mesmo ​em ​um “tribunal” privado​,​ ​foi um​a importante vitória da saúde pública e sobreposição da vida sobre o capital.

Mesmo com todo o dinheiro “y el dinero tiene mucho poder, el de la frivolidad y la corrupción”, como disse Vázquez, desta vez venceu a razão humanitária.

Importante dizer ao​s​ que ocupam o poder​ ​no Brasil que a razão também vencerá a frivolidade e a corrupção.

Mais sobre saúde

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!