Depois da renúncia de Cunha, é a vez de Dilma

Itamar Garcez*

A renúncia de Eduardo Cunha (PMDB) à presidência da Câmara dos Deputados foi um cálculo político. Como no provérbio, vão-se os anéis, ficam os dedos. O cada vez mais encurralado parlamentar tentará doravante preservar seu mandato e, com ele, a imunidade parlamentar.

Seu aguardado afastamento do cenário político - pelo menos como protagonista - encerra um momento tormentoso na Câmara Baixa. A sucessão passará agora pelos 512 colegas e pelo presidente Michel Temer (PMDB), o interino, que vai aproveitar para ter pelo menos um aliado no comando do Legislativo - já que a Câmara Alta é presidida pelo senador Renan Calheiros.

Para que o País possa voltar a ter alguma normalidade institucional - em que pese a continuidade da Operação Lava Jato - resta ainda a saída da presidente Dilma Rousseff (PT), a afastada. "Agora é a vez de Dilma", reagiu rápido minha filha, enquanto ouvíamos pelo rádio o lacrimoso pronunciamento de Cunha. Heureca!

Assim como os generais do golpe de 1964 não vão se livrar da pecha histórica de tiranos, Dilma será lembrada como a presidente de um dos períodos mais calamitosos da República - com golpes na economia, na política e na ética. Ela certamente não tem culpa de tudo, mas ajudou bastante.

Por que não renunciar e, aproveitando a deixa de seu algoz no Legislativo, antecipar o desfecho da agonia cívica que vivenciamos? Diferente de Cunha que renuncia acossado por denúncias de malversação do erário, a mandatária aceitaria a derrota iminente com a grandeza e a humildade que lhe faltaram nos cinco anos à frente do Palácio do Planalto.

Ela poderia negociar uma ida ao Parlamento e, encarando seus carrascos, ler um derradeiro discurso. Descreveria o que chama de "golpe", tacharia de "farsa" a Comissão do Impeachment do Senado, nominaria seus verdugos. E, com júbilo, desancaria Michel Temer.

Com a Nação petrificada, Dilma lembraria o passado brizolista. Citando o ex-presidente Getúlio Vargas, diria que sai da política para entrar na história.

Gesto repleto também de pragmatismo, pois Dilma fará um último pronunciamento à Nação de qualquer jeito. Então por que não em alto estilo e com desprendimento? Como a enxadrista que derruba o rei no tabuleiro e, com isso, tira do adversário o prazer do xeque-mate.

Certo, a ideia pode parecer pueril, ingênua até. Mas bem que alguém poderia convencer a mandatária. As crianças, às vezes, simplificam o que os adultos pretendem sofisticado.

* Itamar Garcez é jornalista desde 1984. Graduou-se na UFRGS. Trabalhou n`O Estado de S. Paulo, Jornal do Brasil, Gazeta Mercantil e Diário Catarinense, entre outros periódicos. Acompanha política no Congresso Nacional e Palácio do Planalto, em Brasília, desde 1988. Assessorou protagonistas da política brasileira, todos aqui representados pelo ex-governador de Sergipe, Marcelo Déda.

** Texto originalmente publicado no Blog do Moreno, no jornal O Globo

Mais sobre crise brasileira

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!