Dados e Relações Governamentais – um relato real

Hoje eu gostaria de compartilhar aqui neste espaço uma experiência simples, prática e bem ilustrativa sobre como uso de dados pode potencializar a estratégia de lobby.

>Tereza Cristina é pressionada a disputar o comando da Câmara

Há algum tempo eu estava trabalhando numa determinada agenda em que haviam diferentes setores defendendo pontos de vista diferentes e, portanto, disputando uma decisão no ambiente de políticas públicas. Era um assunto bem impactante o interesse na pauta era alto para todos os lados.

Dentro da nossa estratégia realizamos um mapeamento de stakeholders e incluímos uma inteligência sobre alinhamento, quem vota parecido com quem e quem vota diferente.

A inteligência por trás desses dados cruza um grande volume de votações no Congresso Nacional comparando os resultados das votações para identificar parlamentares que normalmente votam de uma forma muito parecida e parlamentares que normalmente votam de forma diversa em determinados temas. A precisão dos dados permite identificar inclusive o percentual de alinhamento entre parlamentares numa determinada pauta.

Com isso, foi possível determinar os potenciais apoiadores e também os opositores. Com isso, priorizamos a nossas agenda de encontros e de defesa de interesses e evitamos caminhos que os dados demonstravam que seriam infrutíferos.

O tempo era curto então precisávamos ser muito eficientes no tempo que iríamos alocar. Reuniões prévias realizadas, chegou o momento da discussão e votação. Com o plenário da comissão cheio, além de conseguimos estimar qual seria o placar, sabíamos exatamente com quem ainda devíamos falar e com quem seria perda de tempo. 

Como falei, havia outros setores com interesses divergentes ao nosso. E percebi que, naquele momento, alguns representantes dos outros setores se movimentavam para falarem com alguns parlamentares que já sabíamos que eram favoráveis ao nosso posicionamento e, portanto, contrários aos deles. Ou seja, seria “tiro na água”. Aproveitamos o tempo para defender nossa ideia com aqueles com que sabíamos que havia espaço para convencimento

Terminada a votação, o resultado felizmente foi favorável para nossa posição. Nesse momento, tivemos a exata percepção de como o uso de dados foi Importante para que desenhássemos nossa estratégia daquela maneira. O uso de dados na atuação de Relações Governamentais auxilia os profissionais tanto para entenderem o ambiente macro quanto também para determinarmos ações específicas dentro de uma estratégia maior.

Trabalhar com inteligência de dados deixou de ser um diferencial nas Relações Governamentais para ser um fator decisivo no sucesso da defesa de interesses.

O texto acima expressa a visão de quem o assina, não necessariamente do Congresso em Foco. Se você quer publicar algo sobre o mesmo tema, mas com um diferente ponto de vista, envie sua sugestão de texto para redacao@congressoemfoco.com.br.

> Leia mais textos do autor

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!