Corruptos e pró​-​EUA​

Quando​,​ em 2010​,​ Lula terminava seu segundo mandato e fazia ​su​a sucessão elegendo Dilma, por mais de uma vez​,​ fazendo an​á​lise​s​ de conjuntura​,​ eu disse que a democracia no Brasil estava consolidada. Afirmava convicto que​,​ apesar de a nossa democracia ser jovem ​– em 2010​ experimentávamos a sexta eleição direta para presidente ​após a ditadura –, ​os resultados ​eram sempre respeitados, ​e ​a democracia estava consolidada.

Naquele momento​, eu​ não tinha, e creio que nenhuma outra pessoa tinha​,​ como imaginar que o PSDB​,​ com a sua história​,​ se tornaria um partido golpista. E​ pior: que a maioria dos seus líderes ganharia ideologicamente um viés nazifascista – como é o caso, só para ficar em alguns, de Aécio Neves, Geraldo Alckmin, ​​Aloysio Nunes, José Serra e Fernando Henrique Cardoso.

Os governos do PT (Lula e Dilma) deram ao Estado uma função que não existia: combater a corrupção. ​Nos governos de Lula e Dilma ​foram aprovadas leis importantes de combate à corrupção, como também foi nesses dois governos que aumentou o orçamento da ​P​ol​í​cia ​F​ederal​, que ganhou capacidade e autonomia de investigação.

Depois da ditadura militar, com a nova Constituição, foi delegada ao Ministério Público a função de zelar pelos direitos individuais e pelo cumprimento da Carta Magna. Fatos que também não eram cumpridos nos governos anteriores, pois na Procuradoria Geral da República sempre foram indicad​a​s pessoas que engavetavam tudo – ​como, ​por exemplo​,​ Geraldo Brindeiro.

Nada de investigar. Isso também mudou no​s​ governo​s​ do PT​, que indicaram procuradores que cumpriram com o papel estabelecido na Constituição. E o que deixaram de fazer é por conta deles​,​ e não por intervenção do Poder Executivo. ​Rodrigo Janot, por exemplo, tem atuado de maneira parcial, não permitindo a investigação do DEM e​,​ principalmente​,​ dos políticos do PSDB.

Aproveitando​-se da​​ autonomia de investigação​,​ o Ministério Público​,​ sob a égide de Janot​,​ e a PF, agindo por meio de seus instintos políticos (de direita) golpistas​,​ passaram a atuar em conjunto com a mídia na construção do golpe. Primeiro​,​ definiram que tinham que tirar o PT do governo e depois ver qual seria o caminho – mesmo que​,​ para isso​,​ tivesse​m​ que passar por cima da lei, da Constituição e destruir o Brasil. E estão fazendo isso com competência e apoio do Judiciário e dos Estados Unidos.

Sabendo quem são os organizadores da manifestação de rua do último dia 13​,​ é possível concluir quem são os corruptos e uma parte dos corruptores e que fazem isso com a colaboração dos Estados Unidos da América. Fazer a lista dos corruptos que chamaram para o ato seria longa e cansativa, mas dá para listar alguns: Aécio Neves (PSDB), Geraldo Alckmin (PSDB), Aloysio Nunes (PSDB), Agripino Maia (DEM). De empresas que estão sendo acusadas de corrupção pode-se citar a Rede Globo e a ​r​ede de lanchonetes Habib’s. Esses corruptos e tantos outros conseguiram mobilizar uma multidão ​de pessoas ​que vão para as manifestações como se fossem bois e vacas indo para o matadouro. Constroem a sua própria morte.

Em 2010​,​ ao afirmar que o Brasil vivia uma jovem democracia, porém estável, relevava algumas coisas: o poder manipulação da mídia, o golpismo do PSDB e a ação dos EUA.

Em entrevista no ​último ​dia 11 de março ​a Luis Nassif e Patrícia Faermann, ​do ​Jornal GGN, Moniz Bandeira diz: “​​O objetivo (dos EUA) é o domínio completo, espaço, área de todo o universo”. Emenda em seguida que “é preciso compreender que a crise hoje no Brasil é dimensionada de forma tão absurda como está ocorrendo, porque os Estados Unidos não admitem a emergência de outra potência na América do Sul”.

É justamente isso que estava ocorrendo. Depois de tantos governos danosos, Lula conseguiu fazer com que o brasileiro se sentisse orgulhoso de ser brasileiro e o nosso país começou a ser respeitado mundialmente. Deu passos importantes ao construir a Unasul, Celac e o Brics. Os EUA não toleram​, principalmente no que considera​m​ seu quintal, a liderança do Brasil na América do Sul e no mundo.

Concordo plenamente ​com Moniz Bandeira: “Os Estados Unidos, quando não podem dominar, criam um caos”​. E é isso que ​tê​m feito no mundo. Basta observar o que restou dos países que tiveram a “primavera árabe”, como a Líbia. O que restou do Iraque, Afeganistão, Síria?​ ​Restou o caos.

Os partidos e políticos opositores a Dilma que querem o golpe são corruptos e estão a serviço dos Estados Unidos. Se não conseguirem o golpe, que reste o caos.

Mais sobre crise política

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!