Conversando com ela: os relógios de Sampa

- Olá, dona Dilma, tudo bem? Tanto tempo! E a campanha rolando, não é?

- Olá, tudo legal, obrigado. A qual campanha você se refere?

- Ora, precisa perguntar?

- Mas eu já lhe disse que agora o que interessa é retomar o desenvolvimento e fazer crescer o PIB, transformar o pibinho num pibão!

- Parece que este ano ainda não vai dar, não é? Quem sabe no próximo? Difícil mesmo será transformar crescimento do PIB em desenvolvimento; afinal, como economista, a senhora sabe que uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, não é?

- Mas sem crescer não há desenvolvimento possível; certo?

- Sei não... Por exemplo, se a senhora falar com o Haddad, lá em Sampa, poderemos ter mais desenvolvimento, sem nos preocuparmos com o PIB.

- Como assim?

- Fácil! A senhora viu que a prefeitura está instalando mil relógios digitais na cidade?

- Sim; e qual o problema?

- Dona Dilma: relógio na rua, para quê? É praticamente inútil, pois todo mundo tem celular que marca hora, ou tem relógio, e quem não tem pode perguntar a quem está ao lado.... Será que a prefeitura não encontrou nada mais útil? Instalar placas informativas de direção, quem sabe? Ou que mostrem o nível de poluição do ar? Estas sim, mostrariam, pelo menos, a distância a que estamos de um desenvolvimento sustentável...

- Mas a licitação foi feita no governo passado, não é iniciativa do Haddad.

- Sei bem, mas sei também que o interesse público justifica cancelar uma licitação. Então, acho que vale um telefonema para o prefeito, sugerindo que cancele o processo, ou o altere para algo mais útil.... Afinal, colocar relógios na rua pode ter sido importante no início do século passado; hoje, não é mais prioridade. A senhora não concorda?

- Mas é útil saber as horas!

- Claro! Mas são tantas outras necessidades que colocar relógio na rua é sinônimo de atraso. Afinal, hoje é fácil saber as horas!

- Ora, não posso intervir numa prefeitura.

- De acordo. Mas eu não estou sugerindo uma intervenção, apenas uma recomendação que, vinda da senhora, é quase uma ordem, uai! E parece haver, também, um outro problema no processo.

- Qual é?

- É que, como informa a página internet da prefeitura, o consórcio vencedor da licitação investirá R$ 240 milhões na instalação dos mil relógios. Quer dizer, cada um custará R$ 240 mil!!!! Como os relógios não devem ser de ouro, parece haver algo errado; a senhora não acha? Veja bem, não estou afirmando nada, mas gastar tanto para instalar um relógio não me parece fazer muito sentido. Parece mais, vamos e venhamos, um negócio da China, mas não para os paulistanos, não é?

- Deve haver mais coisas nessa licitação; afinal, é muito dinheiro para cada relógio.

- Também acho que deve haver outras coisas, mas não informaram.

-  Vou ver o que posso fazer. Até mais.

- Até. Boa sorte, a senhora precisará; afinal, estão todos na base, não é?

-  A instalação dos relógios está na base, no início?

- Não; a tchurma que tocou o negócio é que está quase toda na base do governo...

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!