A Brisa me disse

Dez da noite. Trinta e três graus. Aqui na Glória a Brisa é uma constante. Quem não tem família nem animais em casa, às vezes, obedece aos seus caprichos. Ela diz que é pre'u desligar a tevê e ir até a janela, tomar a fresca e me esbaldar com o espetáculo. "Olha lá", diz a Brisa. "Olha o futuro":

"Num futuro próximo as mulheres serão travestis".

"Como é????"

"Nem todas, só as evoluídas. Em primeiro lugar - ela me diz -, o pau no meio das pernas da mulher não mais acarretará estranhamento de ordem moral. O olhar precisa ser educado. Até que a linguiça deixará de ser uma aberração. Quando as partes, corpo e alma, se ajustarem ao novo modelo, aí sim,  chegaremos à finalidade estética da coisa. Somente o belo se reproduzirá".

Tava mais fácil de acompanhar o programa da Luciana Gimenez. Todavia a Brisa sopra forte, acompanhada de uma lufada de vento quente:

"O vendedor de churros e o português da padaria também vão ser travestis. E o aparelho reprodutivo de ambos, homem e mulher, existirá num outro ambiente".

Talvez numa piscina de bolinhas coloridas do Parque Aquático do Gugu, penso comigo mesmo, apesar de a Brisa insistir em levantar as cortinas, e soprar:

"Laerte Coutinho será o Leonardo da Vinci do século 26".

Também acho, e eu sinceramente boto a maior fé no Laerte. Lá embaixo o movimento dos travecos é intenso:

"As mulheres pintudas preservarão a espécie. Existe uma lei universal e imutável, memória genética. Já ouviu falar de Deus?"

"Deus? Ouvi sim, vagamente".

"A diferença é que isso somente acontecerá - diz a lufada de vento que vem acompanhada da Brisa - a partir de padrões estéticos... ou divinos.  Em vez de a vida ser gerada de dentro para fora, o maior espetáculo da Terra vai produzir o movimento inverso. Internet, e geringonças do feitio de celulares e afins serão acoplados via chip no corpo traveco-metafísico-feicibuquento das pessoas. Ouviste falar em hologramas?"

Já tinha ouvido falar em Deus, e visto os tais hologramas num show da Sula Miranda que homenageava o falecido Wando, coisa mais brega. Enquanto Brisa divagava, ocorreu-me que o rio Pinheiros poderia mudar de nome, em pouco tempo as pessoas ficariam presas nos congestionamentos da marginal do rio Vera Verão. Mas pera lá. Quem parou lá embaixo?  O vidro elétrico de uma BMW vai descendo, e a morena de sandália prateada dá de ombros.

"Tá podendo", diz a Brisa, e continua a me falar:  "a dicção e os chiliques correspondentes do homo-travecus que rodam bolsinha debaixo da sua janela, aos poucos, sofrerão um aperfeiçoamento técnico -  muito viado vai chiar e cometer redundâncias atrozes, mas  isso acontecerá porque o ajuste vai ser feito pela fêmea pintuda. Que vai continuar sendo fêmea - assegura a Brisa, agora mais quente: -  apesar dos protestos dos Malafaias do futuro".

"O que tá ruim sempre pode piorar" - retruquei.

"Sim, eles continuarão ungidos e possessos, mas serão dependentes das mulheres pintudas para se reproduzir loucamente. Vai ser um pega pra capar, amici."

Bem feito, penso comigo mesmo.

A Brisa faz o papel dela, e sopra: "Os travestis mal barbeados continuarão fazendo michê na injusta proporção do aumento das igrejas neo-evangélicas. Essas duas forças se equivalem e se 'reto-alimentam' ".

Nem a Brisa, que não é de ninguém, consegue se livrar dos trocadalhos, reflito. Ela completa meu pensamento:

"Pobres travecos que ficarão reféns do Prestobarba e de trocadilhos infames. Uma boa parte deles vai entrar pra Igreja do Silas, e perderá a chance de ser hermafrodita. Todavia, o DNA e o bom e velho Lavoisier se unirão numa aliança que derrotará os cercadinhos e a manipulação ideológica em torno do tema. Marta Suplicy será lembrada como um Goebbels de saias que sucumbiu a uma violenta overdose de botox".

"E Malafaia que se entenda com o capeta!"  Bem feito, penso outra vez. A Brisa sopra mais forte e mais quente:

"De modo que as hecatombes provocadas pelas TPMs e o patético gerado a partir da ebulição dos hormônios (que as antigas mulheres eram obrigadas a suportar por conta de suas condições de vacas leiteiras) serão revertidos em pintos esclarecidos e femininos. Capisce?"

"Não." Ela, a Brisa, tenta me explicar: "Como se a mulher melhorasse o homem, a partir do pau do próprio que brotará da vagina dela mesma".

"Ah, tá". Lá se vai a inveja do pênis. Numa dessas Freud vai dançar, penso comigo.

A Brisa continua a soprar os ares do futuro: "Novos vasos comunicantes surgirão para substituir os antigos sistemas de reprodução. Óvulos e espermatozóides serão processados de uma só vez nos mesmos canais e/ou aparelhos de clonagem. De fora para dentro. Porém, quem não quiser deixar sua reprodução nas mãos de outrem, e não tiver a fim de se reproduzir nos piscinões e nos tobogãs do parque aquático do Gugu, poderá optar pelo bom e velho frango assado, Falópio já era, mas a cuspidinha pra dar uma lubrificada não vai cair em desuso, muito pelo contrário. Tudo on line. Porque do cu desses novos seres - garante a Brisa: - brotarão as vaginas do futuro!!".

Dessa vez entendi. A buceta vai descer pro cu, acho que é isso. Vai ser uma coisa só. Daí a cuspinha lubrificante a se projetar no futuro. Quem diria... Se não bastassem as revelações ginecológicas bombásticas, a morena de sandália prateada trocou a BMW por um táxi Santana, e se pirulitou!

Brisa volta, e explica:  "As novas Jéssicas e Monalisas  evacuarão pelas axilas - e o resultado desse processo que hoje chamamos vulgarmente de cocô, será reciclado em usinas caseiras, destarte cumpriremos o ideal do moto-contínuo".

"O ideal! Cumpriremos o ideal!"

"Sim - diz a Brisa, que sopra da Marina da Glória: - "comeremos nossa própria merda (in natura), que servirá não somente como alimento, mas também como fonte de energia e prazer. As gerações futuras serão o miojo - garantem a Brisa e a lufada juntas: - instantâneo delas mesmas.  Em pouco tempo, menos de cem anos, nossos bisnetos serão todos coprófagos e travestis-hermafroditas. Viva o futuro!"

Viva, viva a Brisa, que sopra e leva meus pensamentos pra bem longe. Não me atrevi a perguntar o que iria acontecer com as lésbicas do futuro, nem com a MPB, nem com o traveco que subiu no táxi Santana. Espero que a Brisa leve o Palmeiras pra primeira divisão - até lá eu pretendo ter morrido na Glória,  eu que acompanhei  excitado o trottoir dos travecos debaixo da minha janela, de frente pra Praça Paris, sentindo a Brisa roçar minha nuca, ela, essa Brisa quente que me chama de meu bem.

Curta o Congresso em Foco no Facebook
Siga o Congresso em Foco no Twitter

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!