Brasília, nossa cidade, feliz aniversário!

Brasília completa 54 anos e todos nós que vivemos aqui estamos de parabéns, pois sem a sua população, para que serviria a cidade? Ela é a capital do Brasil desde 21 de abril de 1960, quando o então presidente Juscelino Kubitschek fez a sua inauguração oficial.  De lá para cá, a capital cresceu tanto que hoje parece não caber mais no espaço de 5.779,99 km2 reservados por Oscar Niemayer e Lúcio Costa. O Distrito Federal foi “plantado” no coração do estado de Goiás, tornando-se sede do governo brasileiro e, hoje, uma das mais movimentadas metrópoles do país.

Segundo estimativas de 2013, há 2.789.761 habitantes, o que significa uma densidade demográfica de 444,66 hab./km², 7,2% a mais do que os 2.602.074 de 2010. Ou seja, o crescimento populacional no Distrito Federal, nos últimos três anos, é maior que o dobro da taxa nacional, pois a população brasileira aumentou 2,83% no mesmo período (2010/2013), de 195.497.797 para 201.032.714 pessoas.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Brasília é a quarta cidade mais populosa do Brasil, sendo superada apenas por Salvador, com 2.883.672 habitantes; Rio de Janeiro, 6.429.922, e São Paulo, com 11.821.876. Logo atrás da capital, estão Fortaleza, com 2.551.805 moradores e Belo Horizonte, onde vivem 2.479.175 pessoas.

De acordo com o instituto, a população da capital brasileira será de 2.852.372 habitantes em 2014 e de 3.039.444 pessoas em 2017!

E pensar que seus criadores planejaram a cidade para apenas 800 mil habitantes e que jamais esperavam tal “inflação” populacional em pouco mais de 50 anos. Daí as dificuldades que temos, atualmente, em lidar com essa explosão demográfica, que demanda cada vez mais infraestrutura e serviços públicos − grandes necessidades do mundo moderno −, principalmente nas áreas de habitação, saúde, educação e mobilidade urbana, especialmente se considerarmos que o número de automóveis nas ruas é maior que o de moradores da cidade.

Neste aniversário, quero lembrar alguns números que ressaltam a importância de Brasília para o nosso país. Longe já se vai o tempo – e bota longe nisso – em que se discutia o acerto da transferência da capital da República do Rio de Janeiro para o Planalto Central. Hoje, não se questiona mais essa mudança, e tudo o que se pode criticar na cidade diz respeito aos problemas que ocorrem também em todas as grandes cidades do país, inclusive – ou principalmente – na própria cidade maravilhosa. Diferentemente do que acontece no Rio de Janeiro, a brutal violência do crime organizado, que acaba de obrigar as Forças Armadas a intervir para socorrer  a polícia carioca no confronto com os bandidos da favela da Maré, não faz parte da realidade de Brasília.

Não quero falar de coisas ruins ou tristes, como os problemas urbanos enfrentados pelo Rio de Janeiro. Quero, sim, exaltar essa nossa terra, tão bela e tão acolhedora para os que aqui decidem se fixar, trabalhar, produzir, ter filhos, criar raízes. Vocês sabiam, por exemplo, que nossa capital  já tem o 3º maior Produto Interno Bruto (PIB) do país, superada apenas por São Paulo e Rio de Janeiro? E que  representa, isoladamente, 3,8% de todo o PIB brasileiro, algo em torno de 69,44 milhões de dólares, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)? E a maior renda per capita do Brasil, de  27.610 dólares por pessoa, segundo o IBGE também é daqui? Que beleza!

Só como curiosidade: diz o IBGE que a população brasileira vai alcançar seu maior crescimento em 2042, quando chegará a 228,4 milhões de habitantes e começará a diminuir a partir daí. Será? Aqui entre nós, conhecendo brasileiros e brasileiras como conheço, com o devido respeito ao IBGE, tenho cá as minhas dúvidas.

Bom, mas quero destacar outro fato que me encheu de orgulho ao me debruçar sobre os números de Brasília neste seu 54º aniversário. Trata-se de uma pesquisa da Codeplan, segundo a qual a maior parte da população do Distrito Federal é “candanga da gema”, nascida aqui mesmo, ao longo desses 54 anos de existência da cidade. Por coincidência, o número é o mesmo do aniversário da cidade: 54%, enquanto que há 30 anos esse percentual era de apenas 31,7%. Aliás, com muito orgulho, também dei minha contribuição para essa estatística, como pai de Gabriel e Matheus, dois jovens brasilienses que têm um grande amor pela cidade.

Vale lembrar que, no primeiro censo oficial do Distrito Federal, em 1960, Brasília tinha não mais que 140.164 habitantes, dos quais apenas 4,2% da população eram naturais do DF, sendo antigos moradores da região, e 93,6%, vieram de outras partes do Brasil, principalmente do Nordeste, de onde vieram 58 mil habitantes. Anos mais tarde, eu me juntei a eles, vindo da pequena cidade de Encantado,  interior do Rio Grande do Norte, com minha mãe e meus irmãos ao encontro de meu pai, que trabalhava como operário na construção de Ceilândia.

Eu poderia escrever mais páginas e páginas a respeito da saga de minha família e desta cidade, para a qual vim menino e dei também minha contribuição como cidadão, trabalhador, servidor público, professor, empreendedor e pai de família. Por isso, sou um brasiliense honorário, título que me foi conferido pela Câmara Legislativa do Distrito Federal. Mas quero apenas destacar a condição de Brasília como capital dos concursos públicos, a cidade que melhor prepara os candidatos ao serviço do governo do país, em todas as suas modalidades, e tem uma extraordinária contribuição para a administração pública do país, na qualificação da mão de obra de mais de um milhão e 100 mil servidores públicos federais ativos no país.

Os concursos públicos movimentam bilhões de reais por ano, empregam milhares de professores e funcionários na estrutura dos inúmeros cursos preparatórios e editoras que aqui se estabelecem e, pela qualidade do ensino oferecido, estas instituições estão na vanguarda dessa atividade no país. A cidade, por sua qualidade de vida acima da média nacional, atrai milhares de pessoas, de todas as faixas etárias, para os empregos e cargos que são oferecidos quase todos os meses em seleções no Executivo, Legislativo e Judiciário.

Amigos, o concurseiro que se preza deve se preparar cada vez melhor para viver em Brasília. Aqui é a capital do país, onde há as melhores chances. E assim como a urbi nesses 54 anos se consolidou, aquele que estiver melhor preparado irá conquistar também a sua posição social, por meio do serviço público. A cidade está de parabéns por mais este aniversário, e aquele que fizer do concurso público sua opção para o futuro, também poderá comemorar com ela o seu 55º aniversário e o seu feliz cargo novo!

Outros textos sobre concursos públicos

Nosso jornalismo precisa da sua assinatura

Continuar lendo

Assine e obtenha atualizações em tempo real em seu dispositivo!